Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Conte Sua Historia

Fui por aí! O ano sabático de Gabriela Moreno

Colaborador E-Dublin postou em 25 out 2015

“A mente condicionada segue a programação proposta pela sociedade. Você se sente obrigado a cumprir este programa porque é a única maneira de sentir-se pertencendo, mas para seguir nesta direção, você tem que abrir mão do programa da sua alma. Então é inevitável que você sinta uma angústia contínua, que pode se manifestar na forma de doenças, de repetições negativas e no sentimento de que você é desencaixado e que sua vida não tem sentido. Estando fora da trilha do seu coração é natural que a vida não tenha sentido para você” (Sri Prem Baba)

Por Grabiela Moreno

Era assim mesmo que me sentia: desconectada, angustiada, levando a vida no piloto automático, fazendo as coisas por fazer. Acordava, ia trabalhar, voltava para casa exausta e meio sem entender o sentido disso tudo. Por que mesmo que eu estava fazendo essas coisas? Para ganhar dinheiro, para poder pagar uma aposentadoria e comprar coisas?

gabi1

Arquivo pessoal.

E coisas que na verdade nem me importava… roupas, sapatos e maquiagem para o trabalho, seguindo a máxima: vista-se para o próximo cargo que você quer ocupar. Roupas que não gosto, sapatos apertados e maquiagem, que é, na verdade, uma máscara social. Por mim, ficava de bermuda, camiseta e chinelo o dia todo.

Ok, me dava uns presentinhos de vez em quando, afinal, depois de trabalhar tanto, eu mereço, né? Um iPad, um smartphone, um bom queijo. Me dei também um bom apartamento, financiado em trocentos mil anos. E vamos realimentando o ciclo, pois agora é trabalhar para pagar este apartamento.

No Cambodia as imagens de Budas espalhadas por todos os lugares. Arquivo Pessoal

No Cambodia as imagens de Budas espalhadas por todos os lugares. Arquivo Pessoal

Mas o que sempre me deu tesão mesmo era a viagem das férias. Acho que no fundo eu trabalhava 11 meses só para poder viajar aqueles 20 dias das férias. Ah, como eu me sentia livre e presente fora da rotina louca que eu levava. E também era um prêmio de consolação por ter me envolvido tão cedo no mundo corporativo e deixado de realizar um sonho de juventude: passar uma longa temporada viajando.

Sempre tive essa vontade, mas a vida acontece e para mim aconteceu de forma boa. Bons empregos, promoções, bons salários. Acabei nunca cumprindo essa vontade, então matava um pouquinho dela nesses poucos dias de folga.

Quinta da Regaleira, em Sintra. Foto captada durante a passagem da Gabi por Portugal!

Quinta da Regaleira, em Sintra. Foto captada durante a passagem da Gabi por Portugal!

Em uma destas férias, fui para Machu Picchu e, por mais clichê que isso possa parecer, tive um insight durante uma caminhada. Quem quer que já tenha sentido algo assim sabe o quanto é difícil colocar em palavras o que é. Assim, só posso dizer que lá, na dureza daquela caminhada, me senti integral com o mundo e com o universo. Minha alma estava inteira em mim. Eu estava ali, cem por cento ali. E me dei conta que não precisava de mais nada, nem de iPod, iPad, carro… nada disto. Eu precisava era de mim, da minha alma morando em mim.

Zambia_Victoria Falls_Trail_Livingstone bridge

Victoria Falls na Namíbia! Arquivo Pessoal

Entre esta viagem e a decisão de finalmente largar o mundo sem sentido em que vivia, foram 2 anos. Finalmente tomei coragem e, aos 41 anos, pedi demissão de uma boa empresa, onde tinha um bom cargo e salário para, finalmente, colocar em prática o sonho da juventude: viajar.

Um misto de sentimentos em meu ser. Ao mesmo tempo em que senti uma liberdade e alívio profundo, um medo enorme me invadiu. E agora? Não tenho mais emprego, nem a garantia da CLT, nem benefícios, nem plano de saúde, nem nada. E tudo isto para torrar uma vida de economias em uma viagem? Nesta idade? Tá louca?

Entre muitos trabalhos voluntários durante a viagem Gabi se aventura como pintora na cidade de Borgarnes, ao norte de Reykjavik. Arquivo pessoal

Entre muitos trabalhos voluntários que fez durante a viagem, Gabi se aventurou como pintora artística na cidade de Borgarnes, ao norte de Reykjavik. Arquivo pessoal

Meus amigos e família achavam que sim. Eu também achava, mas, lá no fundo, uma vozinha afirmava que não, que eu não estava louca, que estava fazendo a coisa certa.

Com uma infinidade de possibilidades de viagens, acabei optando por rodar o mundo voluntariando ao invés de ficar mais tempo em um só lugar. Assim podia conhecer os países mais profundamente, além de retribuir um pouco ao universo tudo aquilo que dele recebi.

Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal

Descobri uma passagem da Star Alliance que se chama Around the World, e assim comecei a montar meu roteiro. Foram dias de muito trabalho e pesquisa, buscando ONGs para voluntariar, mandando e-mails, planejando. E fazendo contas, muitas contas.

Conforme o dia ia se aproximando, o medo aumentava. Tantas dúvidas na cabeça: será que os trabalhos serão legais? Será que vão gostar de mim? Será que vou fazer amigos? Será que aguento passar este tempo todo viajando? Será que meu relacionamento aguenta esta separação? Será que tudo isto tudo vale mesmo a pena? Será?

A cabeça cheia de dúvidas, o coração com uma certeza: Vai!

E assim saí em viagem, deixando família, amigos e um relacionamento de 13 anos, para poder conhecer mais deste mundão e de mim mesma.

De braços abertos para a vida. Deserto da Namíbia. Arquivo Pessoal

Gabriela de braços abertos para a vida no Deserto da Namíbia. Arquivo Pessoal

Na viagem descobri muito de mim e conheci muita gente interessante, de verdade. Todos mais jovens que eu. Mas descobri, também, que a idade é um detalhe quando a alma fala a mesma língua. Descobri uma certa flexibilidade e resiliência que não sabia que tinha, descobri tantas coisas que daria assunto para outra postagem. Mas, acima de tudo, descobri que nunca havia sido tão feliz na minha vida.

Islândia por Gabriela Moreno!

Islândia por Gabriela Moreno!

Claro que neste tempo todo tive altos e baixos, dias bons e dias não tão bons. Mas mesmo os dias não tão bons foram muito bons. Em nenhum momento me arrependi da decisão. Pelo contrário, cada dia reforça ainda mais a certeza que fiz o que era pra ter sido feito.

Não sei o que será de mim quando eu voltar, que tipo de emprego ou forma de me sustentar encontrarei. Não sei nem onde vou morar. Mas sei que tudo vai dar certo e se alinhará de alguma forma. Aprendi isto, também: a me preocupar menos e confiar mais na vida. E eu confio, e muito.

Arquivo Pessoal

Arquivo Pessoal

Dizem que se conselho fosse bom a gente não dava, vendia. Mas vou dar um mesmo assim: siga seu coração, seu sonho. Não importa o quão louco ou desbaratinado ele pareça. Siga-o! Não existe no mundo felicidade maior do que este sentimento de realização e plenitude quando a gente faz o que nossa alma quer.

Você não precisa de carro, iPod, iPad, vale-refeição, Mac ou TV 3D para ser feliz. Tudo isto traz uma alegria apenas temporária. Você só precisa de você, da sua alma morando em você.

Por anda a sua?

Sobre a autora:

gabi perfilGabriela Moreno é uma brasileira de quase 42 anos, que largou tudo para correr atrás de um sonho. Para acompanhar o ano sabático de Gabriela, basta visitar o blog Viagem Coragem.

Sobre o Autor


Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio

Recentes e populares

Meu Intercâmbio

5 formas de boicotar o seu intercâmbio

3 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
E-Dublin TV

Fomos pra Barcelona

4 meses atrás, por Edu Giansante
Bebidas

Onde encontrar as cervejas mais baratas da Europa?

11 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Crônicas

O intercâmbio e a descoberta de si mesmo

11 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
Destinos de Intercâmbio

Blogueiros pelo mundo: Londres, Inglaterra

12 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
Conte Sua Historia

15, Tyrconnell Road – Inchicore

1 ano atrás, por Colaborador E-Dublin
Destinos de Intercâmbio

Já considerou estudar em Singapura?

1 ano atrás, por Colaborador E-Dublin
Dicas de Viagem

Já pensou em conhecer Tóquio?

1 ano atrás, por Publicidade E-Dublin
Cultura

10 comportamentos de um mochileiro

1 ano atrás, por Carol Braziel