Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Destinos de Intercâmbio

10 países que estão de braços abertos para imigrantes

Deby Pimentel postou em 31 out 2017

O mundo está envelhecendo. De acordo com um relatório emitido pelas Organizações das Nações Unidas (ONU), a população mundial está ficando mais velha e a jovem está diminuindo. Enquanto, de um lado, isso significa que a expectativa de vida mudou, por outro, os casais estão tendo menos filhos – estima-se que já são 80 os países abaixo da taxa de reposição demográfica, de 2,1 bebês por mulher.

E esses motivos são vários, como a crise mundial, custo de vida elevado e uma mudança relevante no modo de vida das pessoas. Essa equação começa a pesar sobretudo em países da Europa e no Japão, a maioria entre os 10 mais velhos, pois os gastos do governo aumentam desproporcionalmente, como saúde pública e previdência, para citar os principais.

Ranking

2015

2030 (estimativa)

1. Japão 1. Japão
2. Alemanha 2. Itália
3. Martinica 3. Portugal
4. Itália 4. Espanha
5. Portugal 5. Grécia
6. Grécia 6. China
7. Bulgária 7. Alemanha
8. Áustria 8. Áreas não especificadas
9. China 9. Eslovênia
10. Espanha 10. Coréia do Norte

 

Assim, alguns países já têm repensado suas políticas de imigração a fim de movimentar a economia e, pensando num futuro com aumento populacional, estimulando o intercâmbio cultural e a imigração.

A Irlanda, por exemplo, embora não apareça entre os top 10 do relatório,  tem mantido os números estáveis. Atualmente a média é de dois filhos por casal e estima-se que esse número seguirá esse padrão por mais duas décadas. Mesmo diante deste cenário, está entre os países que já têm modificado suas políticas para os imigrantes.

 População alemã está envelhecendo. Crédito: Sjors737 | Dreamstime

População alemã está envelhecendo. Crédito: Sjors737 | Dreamstime

De portas abertas

Dentre os países citados, a Alemanha é um com muitas opções de bolsas. Por lá, é possível encontrar muitos cursos em inglês em nível de graduação e pós e, claro, falar alemão aumentará ainda mais suas chances. Além disso, o governo autoriza estudantes a permanecerem no país por até 18 meses enquanto buscam por uma colocação. Há, também, um departamento exclusivo para a absorção de mão de obra de estrangeiros repleta de vagas. Saiba mais sobre os vistos e exigências no site.

Nós já falamos sobre alguns motivos bacanas para você estudar mandarim. Vale saber que a China também está de olho em profissionais estrangeiros, principalmente para o setor de tecnologia. Ano passado, um empresário bilionário chinês, Robin Li, presidente do site Baidu, declarou sua vontade em absorver a mão de obra estrangeira após a divulgação das novas políticas do governo Trump em relação aos engenheiros do Vale do Silício.

Isso porque, de acordo com um estudo da Joint Venture Silicon Valley, cerca de 2/3 das pessoas que trabalham neste setor naquela região não são americanos. De outro lado, o desenvolvimento tecnológico chinês deu-se com mão de obra local, porém formada no exterior, e agora o governo quer estimular o intercâmbio profissional. Assim, vale a pena pesquisar as oportunidades, como a da SCHWARZMAN SCHOLARS que, no geral, são destinadas aos fluentes em inglês.

A China também está de olho em profissionais estrangeiros. Crédito: Umbertoleporini | Dreamstime

A China também está de olho em profissionais estrangeiros. Crédito: Umbertoleporini | Dreamstime

Atualmente, a Espanha não tem apresentado uma economia favorável, porém, está entre os 10 melhores países para o imigrante trabalhar, segundo o índice MIPEX, produzido em parceria entre o British Council e a organização europeia para políticas de imigração Migration Policy Group, que levou em consideração pontos como mobilidade no mercado de trabalho, possibilidade de reunir a família, residência de longo prazo, políticas contra discriminação, participação política, acesso à nacionalidade e educação. Não é tão fácil conquistar o visto de trabalho, porém para os estudantes, há muitas opções de bolsas, entre elas, a Fundación Carolina.

Los Hermanos

O Uruguai permite que os brasileiros vivam no país por dois anos. Crédito: Estudiomaia | Dreamstime

Embora não esteja entre os top 10 da ONU, o Uruguai, como membro do Mercosul, permite que os brasileiros vivam no país por dois anos sem a obrigatoriedade de comprovar renda, ou seja, dois anos para se estabilizar, conseguir um emprego ou abrir uma empresa. É possível trabalhar e estudar por lá de forma temporária ou permanente. O país também incentiva a abertura de empresas por parte de estrangeiros, num processo que não é muito burocrático.

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Jornalista com MBA em Marketing e Empreendedorismo, Débora Pimentel é uma paulistana apaixonada por fotografia, gastronomia e tecnologia. Uma virginiana que adora novas culturas e desafios. Acredita que a informação é sempre a melhor maneira de transformar sonhos em possibilidades.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio

Recentes e populares

E-Dublin TV

Fomos pra Barcelona

3 meses atrás, por Edu Giansante
Cursos de Inglês

Intercâmbio depois dos 50 anos

4 meses atrás, por Deby Pimentel
Ensino Superior

Os desafios de estudar em uma universidade europeia

4 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves