Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Política

8 maneiras de identificar e combater as “fake news” em época de eleição

Rubinho Vitti postou em 15 out 2018

O Brasil entrou no segundo turno das eleições presidenciais no último dia 7 e segue em campanha até o próximo 28 de outubro, quando será decidido se Fernando Haddad, do Partido dos Trabalhadores (PT), ou Jair Bolsonaro, do Partido Social Liberal (PSL), será o próximo presidente da República Federativa do Brasil.

Após o primeiro turno, a polarização dos brasileiros se acentuou e a internet está sendo palco de um entrave entre eleitores de ambos os lados. E no meio de tudo isso entram as notícias falsas, as chamadas “fake news”, utilizadas por eleitores para tentar convencer, com mentiras, o eleitor do lado oposto.

É possível, porém, conseguir identificar uma notícia falsa. O E-Dublin mostra alguns passos para analisar uma informação recebida e confirmar sua veracidade antes de compartilhar para amigos e familiares.

1- Avalie se a informação parece ser falsa

Foto: Pixel2013 /Pixabay

Muitas vezes o formato da notícia já tem indícios de ser “fake news” logo de cara. Foto: Pixel2013 /Pixabay

Geralmente as informações falsas vêm com “cara” de falsas e é simples perceber que estamos lidando com uma “fake news”. Manchetes chamativas, fotos apelativas e a gravidade da informação. Exemplo.: “Candidato Fulano afirma que vai doar seu salário para os pobres”. Oras, não é todo dia que vemos uma notícia dessa. É de se desconfiar, não é mesmo? Antes de acharmos uma maravilha (ou um absurdo) devemos pensar um pouco: mas será que é verdade?

Outras vezes, o criador de uma notícia falsa pode manipular algumas palavras para deixar a notícia difícil de ser identificada como falsa. Aí é preciso um senso maior de apuração. Mas em geral a regra é: seja crítico e sempre desconfie.

2- Ao receber uma informação, cheque a fonte

O primeiro passo do combate à “fake news” é a checagem da fonte. Recebemos informações vindas de diversos sites, redes sociais e afins durante todo o nosso dia. Mas de onde será que estas informações vêm? O processo pode ser bem simples. Se veio de algum website, acesse-o e confira seu conteúdo.

Muitas vezes as notícias vêm de blogs onde não há provas (fontes, entrevistas, dados concretos de institutos de pesquisa, etc), apenas textos comentando fatos sem comprovação. Nesse caso, é muito provável que a notícia seja falsa. Esses blogs também possuem sempre uma vertente ideológica forte (esquerda, direita, religioso, ateu, reacionário, liberal, etc) e usam de má fé para impor suas opiniões com informações inverídicas.

3- Verifique a veracidade dos perfis de redes sociais

Fake news nas redes sociais

Perfis falsos de redes sociais são usados para postar e compartilhar “fake news”. Foto: Pixelkult/Pixabay

Tais informações também podem surgir aleatoriamente em perfis de redes sociais como Facebook ou Twitter. Neste caso, verifique a conta de onde o conteúdo foi originalmente compartilhado. É de uma pessoa reconhecida (político, artista, influencer)? Se sim, possui a verificação (check) da conta, que comprova a autenticidade daquele perfil? Se não é pessoa pública, possui amigos em comum? O perfil possui fotos da pessoa e postagem que levam a crer que ela seja real e não um perfil fake? E outra: nunca aceite solicitação de estranhos, eles podem estar usando seu perfil como amigo para não parecer falso.

Lembrando que opinião não é fato. Então tome cuidado quando coloca como fonte a opinião de alguém, seja ela quem for. Se opinião não é fato, agressão e mentira não é opinião, mas calúnia e difamação. Lembre-se sempre disso!

4- Procure a informação recebida em veículos de comunicação reconhecidos

Como desmascarar fake news

Informações publicadas na mídia tradicional são sempre checadas com fontes diversas. Foto: Andrys/Pixabay

Voltemos ao exemplo citado acima: “Candidato X afirma que vai doar seu salário para os pobres”. Essa é uma notícia de importância nacional, portanto, deve estar sendo veiculada em grandes veículos do Brasil. Afinal, todos teriam interesse em mostrar que um candidato à presidência estaria fazendo o bondoso gesto de oferecer seu salário aos pobres. Portanto, procure saber se essa informação foi publicada na grande imprensa (Folha de SP, G1, Estadão, Correio Braziliense, O Globo, etc).

O leitor pode pensar: “mas a grande mídia não noticia tudo”. Tudo bem, existem ótimas opções de mídia independente no Brasil, que optam pelo profissionalismo e o jornalismo levado a sério, com fontes e checagem de fatos. Exemplos: Centro de Mídia Independente, Nexo, Jornalistas Livres, Mídia Ninja, entre outras.

5- Vídeos, fotos e gráficos também podem ser “fake”

Assim como as informações textuais, vídeos e fotos podem ser alterados para tentar convencer alguém sobre uma ideia, assim como denegrir a imagem de um adversário. Por isso, é importante ficar atento. Na mais breve dúvida sobre a veracidade, desconfie e procure encontrar um vídeo completo. Por exemplo, não se contente com um trecho de uma entrevista onde alguma personalidade diz algo impressionante. Busque a entrevista completa e ouça na íntegra o que a pessoa disse ou quis dizer.

No caso de fotos, é possível encontrar a versão verdadeira de uma foto editada. Uma dica é usar o Google Imagens, buscando fotos semelhantes àquela recebida para encontrar a original. O processo é simples e rápido.

6- Procure não se informar pelo WhatsApp

Foto: Tero Vesalainen/Pixabay

WhatsApp tem sido identificado como o maior propulsor das “fake news” no Brasil. Foto: Tero Vesalainen/Pixabay

O WhatsApp é um dos aplicativos mais populares entre os brasileiros. Segundo a Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua de 2016, do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas), 94,5% dos brasileiros com acesso a internet têm como hábito utilizar o WhatsApp como principal ferramenta online. Outra pesquisa – Monitor do Debate Político no Meio Digital, da USP (Universidade de São Paulo) – mostrou que 51% das pessoas recebem informações em grupos de família no WhatsApp, 32%, em grupos de amigos, 9% em grupos de colegas de trabalho e 9% em grupos ou mensagens diretas. E são essas as informações servem de fonte de notícia para muita gente.

O WhatsApp se tornou um veículo de disseminação rápida de notícias falsas, por atingir diretamente o leitor com uma mensagem instantânea. Por isso, é preciso evitar utilizar o aplicativo como fonte “cega” de notícias.

7- Sites de verificação de “fake news”

Com o aumento no número de “fake news” pela internet, muitos sites começaram a aparecer como verificadores de informações. Esses sites trabalham com jornalistas e comunicadores que buscam as fontes do boato espalhado e mostram a comprovação do resultado ou não. Os próprios veículos se viram obrigados a criar espaços exclusivos para informar seus leitores da veracidade de notícias recebidas via redes sociais.

Até mesmo o Facebook lançou uma cartilha para identificar notícias falsas e tem intensificado o trabalho de remoção de páginas que fomentem esse tipo de ação. O movimento é internacional e já existe uma rede mundial de checagem de fatos, a International Fact-Checking Network (IFCN).

8- Sites brasileiros de checagem de notícias vinculadas ao IFCN:

https://piaui.folha.uol.com.br/lupa/

https://g1.globo.com/fato-ou-fake/

https://politica.estadao.com.br/blogs/estadao-verifica/

https://aosfatos.org/

https://www.boatos.org/

http://www.e-farsas.com

Não compartilhe o que não tem certeza

Não compartilhe fake news

As “Fake News” podem decidir uma eleição, disseminando falsas informações. Foto: José Cruz/Agência Brasil

Ao perceber minimamente que uma informação não é verídica, não compartilhe. Muitas vezes temos aquela ansiedade de multiplicar uma novidade, encaminhando para amigos e parentes via WhatsApp ou Facebook aquela manchete sensacionalista. Informar algo errado é dar voz a pessoas que agem com má fé para argumentar suas ideias de forma mentirosa. Não seja cúmplice disso.

Quando identificar as “fake news”, impeça sua disseminação. O combate à “fake news” é um dos mais importantes da atualidade. Elas podem eleger políticos, acabar com reputações e até matar. Isso sim deve ser compartilhado!

Sobre o Autor


Rubinho Vitti é jornalista de Piracicaba, SP. Vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Posts recentes

Economia

Onde apriveitar o Black Friday na Irlanda

3 dias atrás, por Elizabeth Gonçalves
Alimentação

Dá para evitar o efeito sanfona no intercâmbio?

3 dias atrás, por Colaborador E-Dublin
Cultura

A Irlanda é um destino para gays?

5 dias atrás, por Rubinho Vitti
Destinos de Intercâmbio

Quer estudar de graça na Europa?

1 semana atrás, por Carol Braziel
Como alugar

7 aplicativos essenciais para quem vive em Dublin

1 semana atrás, por Elizabeth Gonçalves
English

Brasil tem baixo nível de proficiência em inglês

2 semanas atrás, por Deby Pimentel
Documentos

PPS: Será que você precisará de um?

2 semanas atrás, por Carol Braziel
Irlanda

Transporte público: diferenças entre Brasil e Irlanda

2 semanas atrás, por Colaborador E-Dublin
E-Dublin TV

Onde morar em Dublin? (Tipos de Acomodação)

2 semanas atrás, por Tarcisio Junior
Ensino Superior

A Irlanda não é só curso de inglês

2 semanas atrás, por Edu Giansante
Ensino Superior

Como se candidatar a uma universidade em Portugal

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Agenda Cultural

13 eventos para você curtir em Dublin em novembro

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Destaques

Quais são os tipos de Vistos na Irlanda?

3 semanas atrás, por Colaborador E-Dublin
Clima

Prós e contras de se chegar na Irlanda no inverno

3 semanas atrás, por Carol Braziel