As oportunidades dos chamados “subempregos”

As oportunidades dos chamados “subempregos”

Andre Luis Cia

3 meses atrás

Quanto custa um intercâmbio?

Não vendemos pacotes e nem somos agência,
mas podemos te colocar em contato com elas.

Despir-se, literalmente, de qualquer tipo de vaidade em busca de um sonho maior.

Segundo levantamento da Association of Language Travel Organizations, mais de 1,5 milhão de pessoas viajam todos os anos para fazer intercâmbio pelo mundo, para destinos como Inglaterra, Irlanda, EUA, Austrália, Canadá e Espanha, dentre outros países. Porém, ao chegar ao novo destino, muitos estudantes necessitam trabalhar para custear as despesas.

Com isso, quase sempre recorrem a empregos totalmente diferentes do que estavam habituados ou distantes de sua formação profissional. É aí que entra em jogo o que muitos chamam de “subemprego”, que, se bem utilizado, pode se transformar em um grande aliado em vez de o vilão da história.

shutterstock_76166866

Subemprego é, na verdade, uma oportunidade de descobrir seus muitos talentos. Credito: Shutterstock

Entende-se por subemprego, o trabalho não qualificado, de remuneração baixa — ou emprego informal, sem vínculo ou garantia.

As ofertas mais comuns nesse setor de empregabilidade recaem justamente no segmento de serviços. Hotelaria, lazer (bares e restaurantes) e turismo são as áreas que mais empregam. Para os estudantes, é a oportunidade de interagir com pessoas de outras nacionalidades, além de praticarem part-time ou full-time o novo idioma. Em muitos casos, existe a chance de aprenderem até mais do que uma língua, já que a interação com pessoas de outros países nos trabalhos pode auxiliar, e muito, no aprendizado.

Na Irlanda, como não poderia deixar de ser, os tradicionais pubs são os responsáveis por grande parte dos empregos para os intercambistas. São neles que muitos brasileiros vão trabalhar pela primeira vez, seja como cleaner (setor de limpeza) ou kitchen porter (lavador de louças), por exemplo. Nesses dois casos específicos, o nível de inglês não é tão relevante, já que são trabalhos que não lidam diretamente com o público.

No entanto, ainda assim, o estudante terá a oportunidade de melhorar a fluência, interagindo com seus colegas de trabalho, que são, no geral, irlandeses e outros estrangeiros. Há, também, cargos nos quais os estudantes estão em contato direto com o idioma, como os bartenders e os garçons.

2d02aa46bcde8281724b1bfeeaccc6a1

“Pessoas de sucesso nunca atingem seus objetivos sozinhas”. Créditos: Shutterstock

Psicóloga há quase cinco anos, a paulistana Thaís Nogueira da Silva, de 28 anos, trabalhava em sua área no Brasil, mas estava insatisfeita com a falta de perspectiva. Ela sonhava em morar sozinha, ter sua independência, mas não conseguia sair da casa dos pais. Essa situação foi se arrastando até que decidiu fazer intercâmbio. “Eu vi ali uma possibilidade de mudar radicalmente minha vida. Mesmo amando o que fazia, eu precisava buscar coisas novas, e isso me trouxe para cá (Dublin)”.

Há quase um ano morando na Irlanda, Thaís se diz motivada a renovar o visto de estudante para mais oito meses, pois, mesmo atuando em trabalhos totalmente fora de sua área profissional — atualmente ela é promoter de um restaurante famoso da cidade, conciliando com outros dois trabalhos freelancers —, ela afirma que está muito mais feliz agora do que antes. “Aqui, tenho mais qualidade de vida do que tinha, além da oportunidade de viajar muito, coisa que era impossível de se fazer no Brasil. Hoje, já melhorei muito o meu inglês graças a esses trabalhos que tive”.

tais

Olha a Thaís lá no Lough Tay. Foto: Arquivo pessoal

No Brasil, o publicitário mato-grossense Osnei Gama, de 27 anos, trabalhava no departamento de marketing de um shopping center, mas diz que sentia uma necessidade grande de viver novos desafios. A ideia de viajar foi amadurecendo, até que ele decidiu fazer um intercâmbio. O plano inicial era ter ido para Londres, mas depois de ver alguns vídeos sobre a Irlanda, diz que mudou o destino, atraído por oportunidades que o país poderia lhe oferecer em menos tempo, além de poder de trabalhar com o visto de estudante.

Osnei em sua chegada em Dublin, há um ano. Foto: Arquivo pessoal

O primeiro emprego foi indicação de uma amiga para o cargo de assistente de vendas de uma loja — ficou lá por oito meses —, até outro amigo indicá-lo para o trabalho atual — atendimento ao cliente numa loja de produtos com preços mais acessíveis. “Consigo me manter muito bem com o meu salário. Amo a minha profissão — publicidade — e gostaria de trabalhar aqui na minha área, mas em momento algum desmereço a oportunidade que tive. Aqui, emprego é emprego, e não importa o que você faz. São graças aos subempregos que consegui a chance de conhecer outros países, pois amo viajar. Descobri que tenho essa alma cigana depois que cheguei à Irlanda e estou muito feliz”.

Andre Luis Cia
Andre Luis Cia, Jornalista com pós-graduação em Roteiro para TV e Cinema, é autor do livro Desejo de viver, que conta a história de luta, superação e de amor à vida de Eliete Gandolfi Cia, sua mãe, falecida em2015. Profissional com 18 anos de experiência na área de comunicação, incluindo a idealização, produção e escrita de duas séries de jornalismo internacional: sonho americano e sonho italiano, e atuação em diferentes veículos de mídia do Brasil, como redações de jornais impressos, assessorias de imprensa e TV, dentre outros.

Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar