Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
TI na Irlanda

Brasileiro, sem passaporte europeu e à caça de um trabalho em TI na Irlanda

Colaborador E-Dublin postou em 02 mai 2017

A nossa coluna TI na Irlanda traz mais um colunista, mas dessa vez ele não vem contar sobre como é trabalhar na Irlanda, pois ainda não chegou lá. Na verdade, Valdir Júnior te convida a embarcar com ele na busca incansável por um trabalho profissional, com direito a work permit em sua área de atuação, Redes e Infraestrutura. Apesar de recém-chegado na Irlanda, o processo de busca por uma vaga em tecnologia no mercado internacional começou há alguns meses. Mas, quem vai contar cada detalhe e como ele veio parar na Ilha Esmeralda é o próprio. 

Valdir decidiu apostar no mercado exterior. Foto: Shutterstock

Valdir decidiu apostar no mercado de tecnologia no exterior. Foto: Shutterstock

Quem e o Valdir Júnior?

Me chamo Valdir Júnior, sou brasileiro e não tenho passaporte europeu. Tenho 29 anos, sou natural de São Paulo, casado e pai de um lindo menino chamado Luiz Gustavo. Desde sempre, meus olhos brilhavam quando se falava em viver no exterior, fato que se intensificou ainda mais com a chegada do meu filho. Como pai, eu almejo o melhor para minha família e a oportunidade de viver em um país com melhor qualidade de vida, proporcionar uma boa educação para o meu filho, assim como a fluência em outras línguas, passaram a motivar ainda mais o meu desejo de investir no mercado internacional.

Foi com esse pressuposto que comecei a minha saga por uma oportunidade profissional no exterior, no setor de tecnologia. Vou compartilhar com vocês como tem sido essa busca e como eu vim parar na Irlanda.

Foto: Pixabay

Foto: Pixabay

O meu currículo

Tenho formação em tecnologia – mais especificadamente na área de Redes e Infraestrutura. São mais de 9 anos de experiência, além de ter agregado nesse caminho alguns certificados e treinamentos oficiais, tais como Cisco, Microsoft, Fortigate, VMWare e Citrix. Passei por diversas empresas, desde de pequeno porte até companhias com mais de 20 unidades. Comecei como técnico de informática e alcancei o cargo de Senior Infrastructrure Engineer, liderando outros profissionais.

Como a área de tecnologia é privilegiada com linguagem universal, com comandos, sistemas e procedimentos, assim como treinamentos, provas, certificações e termos comuns, todos os TAC (Technical Assistance Center) que eu precisava eram em inglês, então o contato com o idioma não era uma preocupação minha.

Com a experiência e o inglês técnico na ponta da língua, me animei a investir no envio de currículo para empresas nos Estados Unidos e Canadá, minhas grandes apostas. Do Brasil, já escutava bastante sobre a carência de profissionais nesses países, o que me impulsionou mais ainda a investir no sonho de viver e trabalhar em outro país.

Mas, como nem tudo é tão simples como lemos nos promissores noticiários, me deparei com duas situações importantes:

A primeira e positiva, a de que é verdade, existem muitas oportunidades no setor de tecnologia e chegar às entrevistas não parece algo tão meticuloso. Já nas minhas primeiras investidas obtive respostas surpreendentes.

Mas, a segunda, muito menos animadora, além da entrevista, como profissionais estrangeiros temos que lidar com a burocracia, e foi justamente ela que ofuscou a minha chance de  imigrar de mala e cuia para os países de minha escolha.

Foi a dificuldade de atender todas as exigências burocráticas dos Estados Unidos e Canadá que me impulsionou a olhar para a Irlanda. Mas, esse capítulo da minha saga pela conquista do meu primeiro emprego no exterior, eu contarei no próximo texto. Aliás a Irlanda, não fazia parte dos meus planos, até eu perceber que, assim como os Estados Unidos e o Canadá, a Ilha Esmeralda também tem interesse por profissionais com meu perfil, porém com níveis de burocracia bem mais plausíveis.

Sobre o Autor:
13Valdir Júnior está na Irlanda desde março de 2017, e como muitos brasileiros da área de tecnologia desembarcou na Irlanda em busca do visto de trabalho e da oportunidade de estrear uma carreira internacional. Como anda o processo, quantas entrevistas ele já conseguiu e por que a escolha pela Irlanda, são informações que ele vai compartilhar neste espaço com você. Acompanhe nos próximos textos a saga do Valdir e a quantos passos ele está de conquistar o seu primeiro emprego profissional na Europa.

Revisado por Tarcísio Junior
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

E-Dublin TV

Trabalho de arquitetura na Irlanda

5 dias atrás, por Edu Giansante
E-Dublin TV

Engenharia Civil na Irlanda

1 mês atrás, por Edu Giansante
E-Dublin TV

Arquitetura de Software na Irlanda

2 meses atrás, por Edu Giansante
Publicidade

Conquiste uma experiência internacional na Irlanda

2 meses atrás, por Publicidade E-Dublin
Trabalho

5 sites para procurar vagas de marketing na Irlanda

3 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Produtividade

5 plataformas online úteis para o seu intercâmbio

3 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Moradia

O lado obscuro do setor de TI na Irlanda

5 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves