Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Papo de Chef

Chef brasileiro internacional conta sua experiência na Irlanda

Lays Gomes postou em 04 abr 2018

Uma das maiores dúvidas de todo intercambista a caminha na Irlanda, é sobre como sair em busca da primeira oportunidade de emprego – e no caso dos chefs de cozinha não é diferente. Muitos ficam perdidos entre sites, jornais ou a boa e velha opção de ir de porta em porta nos restaurantes.

A boa notícia é que, dado a crescente demanda no setor, o governo irlandês está a procura de mais de 7 mil profissionais para cobrir a carência no mercado.

Uma chance para os cozinheiros brasileiros que já estão ou pensando em vir para a Irlanda.

A matéria de hoje contará com as dicas preciosas do chef Amauri Kimura, sua trajetória e o que ele recomenda para quem pensa em investir nessa área em solo irlandês. Com pouco inglês, um sorriso no rosto e disposição para fazer qualquer tipo de trabalho, o chef brasileiro nos contou um pouco de sua história e também sobre como foi conseguir as primeiras oportunidades na ilha.

amauri1

Chef internacional vira intercambista na Irlanda e conta um pouco da sua experiência na Ilha Verde. Foto: Arquivo Pessoal

Amauri morou treze anos no Japão, onde se formou em gastronomia e também exerceu a profissão. Além disso, também trabalhou na Indonésia, na Malásia e no Brasil. Na Irlanda, o chef chegou como estudante de inglês, mas o principal objetivo sempre foi a busca por oportunidades e novos conhecimentos, sejam eles em relação à língua ou profissionalmente.

“A minha primeira oportunidade na Irlanda surgiu com apenas dois dias no país. Porém, como muitos outros intercambistas, a dificuldade em encontrar acomodação acabou atrasando o meu processo de trabalho e eu só consegui começar a trabalhar três semanas mais tarde. Comecei fazendo jantares japoneses em residências locais e logo depois comecei como Chef em um restaurante na Middle Street.

Para mim, o que funcionou na hora de procurar emprego foi a entrega de currículos de porta em porta. Mas fica a dica! É muito importante tentar conversar diretamente com o Head Chef, e não somente deixar o currículo com alguém e ir embora, pois é somente interagindo com ele e contando um pouco da sua trajetória que você aumentará largamente as suas chances. Isso porque, no final, será ele quem entregará seu currículo ao administrador do local e também o responsável pela seleção.”

Esteja preparado para o mercado!

Não adianta chegar na Irlanda e achar que com um curso técnico em gastronomia você vai conseguir ter sucesso na área.

É preciso adquirir muita experiência, pois um bom chef deve saber instruir corretamente todos os que trabalham junto dele, a fim de não escravizar ninguém, como, por exemplo, os “kitchen porter”, que devem ser orientados sobre como lavar e organizar a cozinha de modo que o chef tenha tudo à mão com agilidade e praticidade.

Amauri também ressalta que diferentemente de outros países, na Irlanda o chef é responsável por fazer tudo – esde as compras ao o controle de estoque e pré-preparo. Então, esteja pronto para todos estes serviços caso queira vestir a Doma irlandesa. Literalmente, o chef está presente em todas as funções da cozinha, não apenas observando e orientando, mas colocando a mão na massa, tendo até mesmo que lavar algum utensílio, caso precise com urgência e o kitchen porter esteja muito ocupado.

Aliás, quem vier trabalhar na Irlanda terá que contar com uma pressão extra. Como por aqui ganha-se por hora, muitas vezes os donos dos restaurantes ficam em cima para que o serviço seja feito no menor tempo possível.

“Se a pessoa quer realmente trabalhar com cozinha, terá que correr atrás, pois não é fácil. É preciso estar disposto a aguentar a pressão, os chefes mal humorados e estar disposto a fazer qualquer serviço na cozinha.”

Ele também aconselha para aqueles que vem sem uma boa base no idioma, que se dediquem e estejam preparados para estudar de manhã até a noite durante os três primeiros meses e só depois procurar um emprego, pois acredita que assim a pessoa terá uma colocação muito melhor e seu inglês evoluirá muito mais rápido.

“Nesse pequeno período trabalhei em dois restaurantes chineses e quatro irlandeses, com sea food em geral”.

Haja criatividade pra ser tradicional! Foto: Shutterstock

Haja criatividade pra ser tradicional! Foto: Shutterstock

Criatividade vs Realidade

Outra dificuldade aqui na Irlanda foi a latente necessidade que tenho de elaborar cardápios novos. Acredite, isso não costuma ser muito aceito nas cozinhas irlandesas. Os irlandeses são tradicionais quando o assunto é comida e não gostam de muitas mudanças. Vemos como um ótimo exemplo disso a batata, que é muito consumida aqui, porém sem muitas variações.

Para finalizar, deixo uma dica muito pessoal, mas importante que aprendi com meu avô: “Eu prometi levar sua avó para conhecer o mundo e cá ficamos, só trabalhando duro. Agora estou morrendo sem ter feito nada. Trabalhe sempre duro mas nunca se esqueça que a vida passa muito rápido. É preciso aproveitar cada momento”.

Boa sorte a todos!

logo

Para saber mais sobre as aventuras culinárias da Lays basta segui-la no Facebook e YouTube.

Revisado por Tarcísio Junior
Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Nossa colunista gastronômica é uma mineira de 22 anos que sempre soube como correr atrás de seus objetivos. Apaixonada por viagem e gastronomia, ela tem muita energia e determinação para chegar onde quer. Cozinhar para os outros sempre foi uma inspiração e uma forma de demonstrar amor. Formada em Gastronomia, ela busca aprimorar suas habilidades e enriquecer seu conhecimento em cada canto do mundo que conseguir visitar.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Mercado

E quando um hobby vira profissão durante o intercâmbio?

1 mês atrás, por Colaborador E-Dublin
Trabalho

Uma menina de 20 a caminho de ser chef na Irlanda

9 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
Trabalho

Vale investir na área de gastronomia na Irlanda?

10 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Mercado

Gosta de cozinhar? Confira cursos de gastronomia na Irlanda

10 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Trabalho

Como passei de Kitchen Porter a Chef

10 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves