Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Dicas de Viagem

Cia aérea low cost Norwegian Air chegará ao Brasil em breve

postou em 09 ago 2018

Cia aérea low cost Norwegian Air chegará ao Brasil em breve

aeroplane-air-air-travel-723240

Foto: Pixlr

A notícia anda circulando pela mídia brasileira e, segundo o próprio site da Agência Nacional de Aviação Civil — ANAC, com nota publicada no Diário Oficial, a empresa inglesa e terceira maior no setor de companhias aéreas de baixo custo recebeu autorização para operar no Brasil, com voos internacionais.

A Norwegian Air opera no mesmo modelo da Ryanair e Easyjet, com voos regulares no Reino Unido e na Irlanda do Norte. No Brasil, tudo indica que a cia começará a operar no início de 2019, com voos de Londres a São Paulo e Londres ao Rio de Janeiro.

E a boa notícia é que a Norwegian não é a única cia de baixo custo de olho no mercado brasileiro. Especula-se que outras empresas já negociam com a ANAC acesso ao espaço aéreo brasileiro com o mesmo fim: disponibilizar tráfego aéreo com valores acessíveis, como já acontece largamente na Europa e em alguns países da América Latina, como a Argentina.

A proposta das cias de baixo custo é proporcionar passagens acessíveis. Porém, no Brasil, a prática ainda não é uma realidade. Com valores altos de passagens aéreas quando comparados ao mercado europeu, impostos exorbitantes e pouca concorrência — atualmente os voos comerciais no Brasil são controlados por apenas quatro empresas aéreas —, o formato low cost não tem espaço por aqui.

Outros fatores são determinantes. Principalmente na Europa, as pequenas distâncias entre os países constituem fator facilitador para as passagens mais em conta. Além disso, há uma ausência de aeroportos regionais suficientes no Brasil, e o uso de aeroportos alternativos é outra característica importante para a quebra de custos das cias aéreas.

Os utilizadores da Ryanair bem sabem que, apesar das passagens baratinhas, quase sempre exige-se um deslocamento maior para se chegar às capitais europeias atendidas pela cia irlandesa.

Contudo, apesar dos aspectos limitantes, existe luz no fim do túnel. Embora ainda existam barreiras que impedem a atuação de companhias aéreas estrangeiras no Brasil, a ANAC tem feito algumas mudanças.

Em 2016, por exemplo, a resolução 400 eliminou a obrigatoriedade da franquia de bagagem, permitindo, assim, que as empresas optem por cobrar ou não pela bagagem despachada. A resolução é importante, pois a restrição da bagagem é um dos principais aspectos das cias de baixo custo.

Isso também está relacionado aos alimentos servidos durante os voos. No caso das low costs, a cobrança pelo consumo durante os voos é um aspecto que barateia o valor final das passagens aéreas.

Sobre o Autor


Uma vida sem desafios não foi desenhada para essa baiana de Salvador. Jornalista por profissão, já passou por editorias de moda, gastronomia, história e turismo. Amante das viagens, coleciona mais de 80 destinos no passaporte. Quer saber mais? Corre porque até você terminar de ler esse perfil já terei alguma novidade.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares