Cias. low cost: quando a bagagem custa mais que a passagem

Cias. low cost: quando a bagagem custa mais que a passagem

Rubinho Vitti

4 meses atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

As companhias aéreas Ryanair, EasyJet e Flybe estão entre as que cobram mais pela bagagem do que pela própria passagem do viajante. A sondagem feita pelo jornal inglês Mail on Sunday mostrou que os custos adicionais para levar algo além da bagagem de mão não são revelados até o final do processo de reserva.

As 20 maiores companhias aéreas do mundo tiveram um aumento de 110% na receita com taxas de bagagem, entre 2014 e 2018. Foto: Pxhere

Depois que os viajantes encontrarem um voo de retorno, eles são questionados se desejam “aceitar” e pagar mais por malas extras. Mas uma investigação descobriu que a carga adicional de bagagem disparou, já que as companhias aéreas parecem usá-la como forma de aumentar a renda.

O jornal descobriu cinco companhias aéreas diferentes que transportam passageiros para a Europa, que podem cobrar mais do que o bilhete por malas extras: Ryanair, EasyJet, Flybe, Level Airlines e Vueling.

Entre os exemplos, está um voo de Londres Stansted para Copenhague com a Ryanair. O valor da passagem é de £ 29,98, enquanto a bagagem extra custa £ 50.

O jornal mostra que as 20 maiores companhias aéreas do mundo tiveram um aumento de 110% na receita com taxas de bagagem, entre 2014 e 2018. As empresas aéreas supostamente receberam 22,2 bilhões de libras em taxas no ano passado.

Rubinho Vitti
Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar