Clientes reportam problemas com agência Popinschool

Clientes reportam problemas com agência Popinschool

Rubinho Vitti

2 semanas atrás

Durante a apuração do E-Dublin, em busca de mais informações sobre a problemática dos clientes da T2T, começamos a receber mensagens de outros brasileiros manifestando preocupação com a falta de acesso aos canais de comunicação e mídias sociais da agência Popinschool.

De acordo com futuros intercambistas e consultores da empresa, averiguamos que o escritório da Popinschool em Dublin está, de fato, fechado. Além disso, a agência, criada em 2015, apagou suas contas no Facebook e Instagram e o website oficial não está no ar. Até o momento, apenas o blog da agência ainda pode ser acessado.

Clientes relataram que não obtiveram respostas sobre os pacotes que fecharam e não sabem o que fazer. Alguns deles, inclusive, têm data de embarque marcada. Preocupados, alguns intercambistas entraram em contato diretamente com as escolas de inglês na Irlanda, nas quais estudariam, e constataram que não há matrículas efetuadas em seus nomes pela referida agência até o momento.

Desde o recebimento das primeiras mensagens mencionando a Popinschool, o E-Dublin entrou em contato com a agência, solicitando um esclarecimento, mas, até o momento, não obteve nenhum retorno da diretoria da agência.

Redes sociais e site oficial da Popinschool estão fora do ar. Apenas blog segue funcionando. Foto: Reprodução

Intercambista relata falta de aviso

Assim como no caso da T2T, futuros intercambistas relatam valores altos pagos para a Popinschool e a falta de contato com a agência, desde as especulações sobre uma provável falência.

O contador Douglas Mallmann, 24, fechou o intercâmbio no dia 6 de junho de 2019 para embarcar no ano que vem. O valor total é de R$ 8.298, e ele já tinha pago $ 3.000 como valor de entrada. No dia 25 de junho, ele ficou sabendo, através das redes sociais, que a Popinschool poderia ter fechado as portas. “Não tive nenhum tipo de aviso prévio por parte da Popinschool e, quando entrei em contato com a consultora que me vendeu o pacote, ela estava aos prantos, obviamente desesperada por ter deixado tantos clientes prejudicados”, disse.

Douglas afirmou ter enviado e-mail e mensagens por meio do WhatsApp, mas sem nenhum retorno. “No WhatsApp eles até visualizam, porém sem a decência de responder, nem que seja com uma mensagem automática”, afirmou. Apesar de não ter conseguido contato, Douglas ainda espera uma resolução e ser reembolsado pela agência.

Contatos não estão sendo respondidos

O autônomo Lucas Gaspar Pereira, de 20 anos, fechou o pacote de intercâmbio com a Popinschool em fevereiro deste ano para embarcar no dia 20 de julho. “Já estou com as passagens compradas, os euros comprados, tudo certinho. Só faltava o meu curso estar pago”, disse ele, que pagou quatro parcelas de R$ 2.367. “Com essa bomba, eu não vou pagar a última parcela, que seria agora no dia 27”, disse.

Lucas afirmou que soube, pelo próprio consultor, sobre os problemas da Popinschool e, depois disso, não conseguiu mais contato com a agência. “Pedi o cancelamento do meu contrato e não tive retorno do dono. O meu consultor simplesmente sumiu, não responde”, disse. Lucas afirmou que já fez um Boletim de Ocorrência e agora vai entrar com uma ação.

Aluno ficou sem matrícula na escola

O consultor André Bessa Uchôa, 36, fechou seu pacote com a Popinschool no dia 31 de maio para começar em 8 de julho. A ideia era ficar 25 semanas com mais 8 de férias. “Paguei à vista o valor de 4.606 euros”, disse. Ele morava em Lisboa e viajou para a Alemanha onde vive com a sua noiva. Ele também tinha comprado as passagens para Dublin. “Sem contar que eu pedi demissão do meu emprego em Lisboa”, disse. A ideia era aperfeiçoar o inglês e se mudar para a Alemanha.

André relatou que, depois do ocorrido com a T2T, ele questionou sua agente sobre a situação da Popinschool. “A agente me passou em áudio que minha matrícula estava efetivada, tudo certo, mas não me enviou qualquer comprovante. Pressionei, e ela disse que estava cobrando o setor responsável. Fiquei extremamente preocupado, liguei na escola com meu inglês que não é bom, mas consegui obter a informação de que todas as matrículas da Popin estavam congeladas, e minha matrícula não havia sido efetivada”, afirmou.

O que fazer numa situação dessas?

O E-Dublin conversou com as advogadas Daiana Emmendorfer e Ticiana Sargi, que deram dicas, orientações e sugestões sobre o que fazer em situações como essa, a fim de evitar prejuízos na hora de contratar uma agência de intercâmbio.

Segundo elas, são vários os passos a serem dados, como verificar o contrato assinado e tentar fazer um acordo antes de entrar com uma ação. Elas também orientam como evitar fechar contrato com agências que não estão bem financeiramente, como verificar CNPJ, checar quanto tempo essa empresa está no mercado, olhar reviews de clientes, falar com clientes que tenham usado o mesmo serviço etc.

Clientes da Popinschool que já estão na Irlanda podem pedir auxílio a alguns órgãos de proteção ao intercambista. São eles: ICOS, Education in Ireland e MEI.

E-Dublin comenta fechamento de agências

 

View this post on Instagram

 

Quem foi impactado pela T2T, estamos com duas iniciativas para tentar ajudá-los! Mais indo em breve.

A post shared by E-Dublin (@e_dublin) on

O E-Dublin se manifestou a respeito do fechamento de agências de intercâmbio como a Time2 Travel. Segundo a equipe do site, o recente caso da Popinschool é mais uma surpresa. Recentemente, a agência participou do evento E-Dublin XP como parceria comercial.

Enquanto veículo de comunicação, o E-Dublin está promovendo ações para auxiliar as vítimas da T2T. Conforme Eduardo Giansante, CEO do E-Dublin, comenta no vídeo acima, o site está buscando parcerias com seus anunciantes a fim de conseguir verbas para auxiliar os afetados. O Edu também ofereceu o curso Como Criar um Currículo Para Trabalhar no Exterior, gratuitamente. Para qualquer informação: [email protected].

O E-Dublin afirma ser importante que as pessoas se unam, reportem a órgãos oficiais e busquem advogados para auxílio jurídico. O site espera que todas as providências sejam tomadas o quanto antes com todas as pessoas afetadas por esse acontecimento.

Rubinho Vitti
Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar