Como levar dinheiro para a Irlanda

Como levar dinheiro para a Irlanda

Elizabeth Gonçalves

1 ano atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

3 mil euros é o valor exigido pelo governo irlandês. Foto: Shutterstock

3 mil euros é o valor exigido pelo governo irlandês. Foto: Shutterstock

Durante o seu planejamento de intercâmbio na Irlanda, você provavelmente se deparou com uma informação essencial: a necessidade de comprovação financeira para custear as suas despesas no país.

Segundo a regra estabelecida pelo INIS (Irish Naturalisation and Imigration Service), estudantes estrangeiros que vão permanecer no país por um período igual ou superior a seis meses devem comprovar na imigração a renda mínima de 3 mil euros. Já no caso de quem planeja estudar na Irlanda por um período entre 3 e 5 meses, é exigida a comprovação de 500 euros por mês de estadia em solo irlandês.

Como realizar o sonho do intercâmbio exige um grande investimento financeiro, durante o planejamento uma das principais dúvidas dos estudantes é sobre qual o melhor jeito de se levar dinheiro para a Irlanda. É justamente por isso que hoje vamos abordar as principais maneiras de levar dinheiro para o exterior e as vantagens e desvantagens de cada uma delas. Assim, você vai encontrar a que melhor se adéqua ao seu perfil e necessidades.

Dinheiro em espécie

Foto: Shutterstock

Trazer dinheiro em espécie pode representar economia. Foto: Shutterstock

Para quem está pensando em economizar, essa é a opção mais em conta para se trazer dinheiro para o exterior, já que possui taxa de IOF mais baixa, limitada a 1,1%.

Por outro lado, essa opção pode não ser a mais segura, já que, apesar da Irlanda ser um país relativamente seguro, nunca se pode descartar a possibilidade de roubos ou furtos. Além disso, carregar uma alta quantia de dinheiro em espécie nem sempre é muito prático, afinal você terá uma preocupação extra para não perder o dinheiro.

Também é importante destacar que será necessário declarar o dinheiro na Receita Federal brasileira, pois existe um limite de R$ 10 mil, ou equivalente em moeda estrangeira, que podem ser levados do país sem a necessidade do documento. Para isso, é necessário preencher a Declaração Eletrônica de Porte de Valores (DPV) disponível na internet e apresentá-la no aeroporto no dia do embarque.

Travel Money

Reprodução: Visa

Reprodução: Visa Travel Money

Outra opção bem popular entre os intercambistas é o Travel Money, que nada mais é do que um cartão de débito pré-pago, aceito em praticamente todos os estabelecimentos do mundo e com o qual também é possível realizar saques em bancos e caixas eletrônicos no exterior.

Entre as vantagens, está o fato de que a taxa de câmbio é fixa no dia da compra ou recarga do cartão. Ele também poder ser recarregado pela internet a qualquer momento e em caso de perda ou roubo, é possível bloqueá-lo e solicitar um novo em seguida.

O ponto negativo é que desde o final de 2013, a tarifa IOF sobre os cartões pré-pagos subiu de 0,38% para 6,38%, o que eleva, e muito, seu custo. Também vale ficar atento que há cobranças de taxas na realização dos saques – o valor pode variar de acordo com a operadora, mas geralmente gira em torno de 2,50 euros por transação.

Saque da conta corrente no Brasil

Usar a conta do Brasil pode ser um opção bem cara. Foto: Shutterstock

Usar a conta do Brasil pode ser um opção bem cara. Foto: Shutterstock

Em setembro de 2016, a imigração irlandesa passou a aceitar como comprovante financeiro o extrato bancário de sua conta corrente em banco estrangeiro, desde que este documento tenha menos de um mês e esteja acompanhado do cartão de débito da conta em questão.

Assim, você pode continuar utilizando o saldo da sua conta corrente brasileira na Irlanda. Mas, apesar de parecer bem prática, essa opção pode ser uma enrascada, já que cada transação realizada está sujeita aos 6,38% de IOF, além das taxas praticadas pelo seu banco no Brasil, que geralmente costumam ser bem elevadas quando se trata de transações no exterior.

Se você optar por esse método, também é importante se lembrar de autorizar o uso do seu cartão no exterior diretamente com o seu banco com pelo menos uma semana de antecedência da sua viagem.

O que dizem os estudantes

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

“À princípio, planejei trazer o dinheiro via VTM, principalmente considerando a praticidade dessa escolha, já que eu poderia recarregá-lo com Euros esporadicamente e também por ser muito mais seguro. Porém, quando chequei que, devido ao IOF de 6,38%, essa opção seria muito mais cara, acabei desistindo de investir no cartão e passei a comprar dinheiro em espécie. Como fechei meu intercâmbio com 1 ano e meio de antecedência, tive bastante tempo para planejar tudo com calma e trocar a moeda aos poucos. No final, acho que a minha escolha foi financeiramente gratificante. Mesmo assim, fiquei muito preocupado com o montante de dinheiro que tive que carregar durante o meu trajeto. Se a diferença de IOF não fosse tão grande, certamente esta não seria a minha opção”. – Lucas Sant’anna

“Mesmo levando em consideração a elevada taxa de IOF, optei pela segurança e decidi trazer os 3 mil euros no VTM. Também trouxe cerca de 800 euros em espécie, mas apenas para me manter nas primeiras semanas de intercâmbio enquanto dava andamento aos procedimentos para adquirir o visto de estudante. Claro que poderia ter economizado muito mais se tivesse optado por trazer todo o dinheiro em espécie, mas mesmo assim acredito que o VTM foi a melhor escolha, já que pude sacar o dinheiro nos caixas eletrônicos de Dublin e também recarregar o cartão com facilidade em caso de emergências”. – Juliana Mercês

Revisado por Tarcísio Junior
Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Elizabeth Gonçalves
Elizabeth Gonçalves, Jornalista viciada em cinema, música e literatura. Paulistana, se apaixonou por Dublin, onde mora há cinco anos e sonha em fazer uma viagem de volta ao mundo.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

  • Correr atrás de sonho também dói

    Planeje seu Intercâmbio

    Correr atrás de sonho também dói

    Quando eu fiz 30 dias na Irlanda, eu chorei, eu chorei muito... Eu nem me...

    Colaborador E-Dublin

    18 horas atrás

    Correr atrás de sonho também dói
  • 10 coisas que você fatalmente aprenderá no intercâmbio

    Planeje seu Intercâmbio

    10 coisas que você fatalmente aprenderá no intercâmbio

    É, meu amigo intercambista. Não adianta achar que só de inglês é feito o...

    Carol Braziel

    2 dias atrás

    10 coisas que você fatalmente aprenderá no intercâmbio

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar