Como me tornei pesquisador na área de Educação Física na Europa

Como me tornei pesquisador na área de Educação Física na Europa

Colaborador E-Dublin

4 semanas atrás

Bolsas de doutorado na Europa. Saiba como aplicar e se tornar um pesquisador em várias áreas de pesquisa.

Outro dia, contei sobre a possibilidade de bolsas de doutorado na Europa. Hoje, quero compartilhar como eu consegui trabalho como pesquisador em minha área: a Educação Física.

Networking é fundamental para o sucesso profissional no exterior. Crédito Rawpixelimages | Dreamstime

Networking é fundamental para o sucesso profissional no exterior. Crédito: Rawpixelimages | Dreamstime

Eu sempre estive determinado a focar na direção do mercado profissional em minha área de atuação e, ainda no Brasil, foi correndo atrás que eu consegui minha vaga em um projeto. Como? Com muita pesquisa e foco!

Focado nas vagas para pesquisadores e bolsas em doutorado, procurei informações das empresas e departamentos em universidades envolvidos no projeto. Sabendo que cada parceiro do projeto fica responsável por selecionar as vagas específicas que vão trabalhar diretamente na empresa ou universidade, busquei identificar quem eram as pessoas que estavam liderando o processo em cada empresa e universidade.

Estudando o job description, ou seja, o que a vaga requeria, modifiquei meu LinkedIn para Inglês e completei todos os campos, até que meu perfil fosse bem-classificado. O próximo passo foi enviar convites para conexão no LinkendIn com os principais parceiros do projeto e comecei a interagir de forma inteligente, comentando assuntos pertinentes e demostrando meus conhecimentos sobre o tema do projeto.

Outra ferramenta muito importante, no meu caso, foi o Twitter. Eu segui todos os mesmos contatos do LinkedIn no Twitter e fiz interações também nessa rede social, sempre com o cuidado de não parecer um maníaco, apenas interações pontuais.

Sabia que ter o certificado de proficiência é fundamental. Então, em um mês, investi na preparação para o IELTS e consegui a nota necessária. Estava confiante de que, com esses passos, eu tinha me qualificado como um potencial candidato, mas estava errado.

Esteja preparado para os doloridos NÃOS

Normalmente, os projetos apresentam diversas vagas, e você pode aplicar para várias, desde que tenham alguma relação. Eu tinha optado por tentar duas das 16 vagas disponíveis. Fui chamado para três rodadas de entrevistas, mas, no final, não fui selecionado para nenhuma vaga no projeto.

Mesmo com a negativa nesse projeto, eu fiz um ótimo networking e fui convidado para um workshop relacionado ao tema do projeto, em Dublin, na UCD. Juntei os reais que tinha na conta, troquei por poucos euros que era o que dava e vim na coragem. Fiz questão de ser proativo no workshop, sempre apresentando as ideias do meu grupo de trabalho e demonstrando que, mesmo cometendo erros de inglês, poderia me comunicar e não tinha medo de falar em público.

Após esse workshop de 4 dias em Dublin, voltei ao Brasil e continuei com  interações pontuais tanto no LinkedIn quanto no Twitter, coisas que, antes, eu utilizava muito pouco. Não consegui a vaga que pretendia inicialmente, mas foi a partir do networking criado e fortalecido que passei a ter informações diretamente das minhas conexões, envolvidas no projeto.

Foi esse mesmo networking que me levou a ser aceito para uma vaga em um projeto liderado por praticamente as mesmas pessoas, um ano mais tarde. Então, não desista na primeira investida, fortaleça seu networking, batalhe para demonstrar que você apresenta os skills que a vaga exige, pois outras vagas surgirão, e uma hora todo o seu investimento será recompensado.

Atualmente, sou pesquisador no projeto chamado CATCH, Cancer: Activating Technology for Connected Health, focado em melhorar a qualidade de vida de sobreviventes do câncer por meio da tecnologia. Dentro do projeto, meu trabalho é direcionar a parte de promoção de atividade física. Também criei uma Associação de Pacientes com propósito de oferecer programas de exercícios específicos para pacientes com câncer, o VidaON www.vidaon.es, além de organizar sessões em eventos acadêmicos na área de informática, com o tema Tech4Cancer. Em outubro, por exemplo, estarei na Grécia.

Precisando de orçamento para o seu intercâmbio? Comece por aqui!

Gabriel Signorelli ,

Atualmente mora em Sevilha, Espanha, é profissional de Educação Física, com metrado em Ciências do Exercício e do Esporte. Doutorando na UCD, Dublin, em Saúde Pública, trabalha com novas tecnologias para promoção de atividade física em pacientes com câncer. LinkedIn | Instagram

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar