Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Como alugar

Crise de acomodação na Irlanda piora e irlandeses vão às ruas

Rubinho Vitti postou em 07 dez 2018

Às vésperas do Natal, o clima em Dublin está longe de ser a de celebração. No último sábado, as ruas de Dublin foram tomadas por milhares de pessoas em forma de protesto contra a falta de moradia na Irlanda. A crise, que persiste há alguns anos, também afeta intercambistas, que lutam para conseguir encontrar uma vaga nas disputadas acomodações e casas de aluguel.

No entanto, a população irlandesa em geral também sofre com falta de casas disponíveis para alugar e comprar na ilha. O número de pessoas sem lar cresceu 20% em relação a 2017. Isso tem causado revolta e protestos dos irlandeses, que não conseguem encontrar casas para comprar ou alugar.

Foto: Pxhere

Inquilinos estão sendo despejados por proprietários que querem transformar suas casas em aluguel por temporada. Foto: Pxhere

O CSO (Central Statistics Office – centro de estatísticas da Irlanda) afirma que existem 110 mil pessoas buscando comprar uma casa na ilha. Porém, a quantidade de lares sendo construídos é bem menor.

O Departamento de Habitação da Irlanda diz que, entre 2015 e 2018, foram construídas cerca de 22 mil residências. Segundo o CSO, são apenas 450 novas casas sendo vendidas todos os meses e 15 mil propriedades mudaram de mãos em três anos. Em Dublin, foram só 5,5 mil compras e vendas realizadas em três anos.

Mas o que está acontecendo na Ilha Esmeralda? Por que faltam casas e sobram pessoas precisando de um lugar para viver?

Apesar de demanda, residências vagas superam 180 mil

Foto: Pxhere

São 140 mil casas e 43 mil apartamentos vagos na ilha, apesar de tanta gente procurando um lar. Foto: Pxhere

Mas apesar de ter muita gente interessada na compra de imóveis sem a possibilidade de encontrá-los, existe uma taxa significativa de imóveis vagos. O CSO mostra que são mais de 2 milhões de casas e apartamentos na ilha. Destes, 1,7 milhão são ocupados por pessoas residentes. As casas de férias são responsáveis por 62,2 mil unidades habitacionais. O restante são 140 mil casas vagas e 43 mil apartamentos vagos. Destes, 30 mil são em Dublin.

Aluguel temporário auxilia na crise

A possibilidade de alugar temporariamente uma casa ou apartamento pode ser um dos motivos para a crise imobiliária. Proprietários de imóveis estão pedindo suas casas de volta e despejando inquilinos para utilizar seu espaço como opção de vaga temporária para visitantes e turistas, que pagam por dia sua estadia por meio de sites como o Airbnb. Há alguns anos, existiam 1.329 vagas disponíveis em Dublin ecadastradas na plataforma, que promove este tipo de serviço. Hoje são 3.165.

Turistas e negócios fomentam aluguel temporário

É preciso entender e colocar essa situação em um cenário onde a Irlanda – e Dublin, majoritariamente – possui inúmeras multinacionais e as visitas profissionais são constantes. Além disso, o potencial turístico da ilha é enorme. Segundo o CSO, entre abril e junho de 2018, 1,5 milhão de pessoas visitaram a Irlanda, número 6% maior que em 2017. O turismo na Irlanda é avaliado em 8,7 bilhões de euros anuais.

Airbnb será regulamentado em 2019

Foto: Pxhere

Governo irlandês vai regulamentar Airbnb para evitar casas vagas na ilha. Foto: Pxhere

O governo irlandês, no entanto, aprovou uma nova regulamentação que entrará em vigor em junho de 2019. Com ela, os proprietários não terão mais permissão para alugar temporariamente uma segunda propriedade a longo prazo via Airbnb. Ele terá um limite anual de 90 dias para o aluguel de uma casa ou apartamento inteiros e só poderão alugar por 14 dias ou menos de cada vez.
Quando uma casa ou apartamento é a principal residência privada de uma pessoa, ela terá permissão para alugar um quarto, ou quartos, dentro de sua casa, sem restrição.

Valor de aluguel é pesadelo para inquilinos

Não bastasse o despejo de inquilinos, os que permanecem nas casas estão pagando preços absurdos de aluguel. O valor subiu muito e hoje a média é de 1.304 euros para viver em um apartamento modesto com dois quartos, cozinha, sala e banheiro. Já em Dublin, uma residência de mesmo porte custa, em média, 1.900 euros. Esses valores, segundo reportagem do jornal Irish Times, subiram 75% desde 2011 e 4,8% em relação ao ano passado.

A tradição de sair da casa dos pais para viver sozinho quando se vai à universidade tem ficado para depois. Muitos jovens irlandeses na casa dos 30 anos ainda permanecem vivendo com a família justamente por causa da crise imobiliária.

Já os estudantes brasileiros que chegam à Irlanda precisam lidar, além de gastos com escola, alimentação e transporte, com o valor do aluguel. Sendo assim, é comum encontrar casas “abarrotadas” de gente para dividir o aluguel em valores mais baixos.

Na capital, Dublin, em uma casa onde vivem oito pessoas, com um quarto sendo dividido por quatro, o valor chega a 300 euros cada um, sem contar as contas de energia e internet, por exemplo.

10 mil pessoas estão sem casa na Irlanda

Foto: Pxhere

São 10 mil pessoas sem-teto na Irlanda – só em Dublin foram 415 novas famílias sem moradia entre junho e setembro de 2018. Foto: Pxhere

Aluguel caro, falta de construção de novas casas, proprietários despejando inquilinos para tornar a residência em aluguel temporário… Tudo isso resulta, cada vez mais, em pessoas sem teto. Aproximadamente 10 mil pessoas são consideradas “homeless” (sem-teto) na Irlanda.

O número cresceu 20% em relação a 2017. Várias histórias destas famílias estão relacionadas a despejos repentinos, em que elas ficaram sem conseguir encontrar uma nova moradia com os mesmos valores pagos. Muitas delas agora esperam na lista de “casas sociais” e podem levar anos para serem realocadas.

Dublin é o ponto central do problema. Responsável por 10% da população da ilha, ela concentra o maior número de sem-teto. Foram 415 novas famílias que declararam não ter um teto para morar entre junho e setembro de 2018, segundo a organização Focus Ireland, que trabalha com sem-tetos.

Milhares vão às ruas em protesto contra falta de moradia

O protesto foi organizado pela The National Homeless & Housing Coalition e reuniu associações de toda a Irlanda. A data marca a morte de Jonathan Corrie, um morador de rua de 43 anos que, há quatro anos, foi o estopim para a luta de organizações para moradia a todos. Durante o ato, os manifestantes exigiam que o governo autorizasse e iniciasse a construção de novas casas, com cartazes e palavras de ordem.

Imagens via Pxhere
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Rubinho Vitti é jornalista de Piracicaba, SP. Vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Como alugar

A saga para encontrar uma acomodação em Dublin

2 semanas atrás, por Thaiz Beltrão
E-Dublin TV

Onde morar em Dublin? (Tipos de Acomodação)

1 mês atrás, por Tarcisio Junior
Crônicas da Ilha

Procura-se um lar

2 meses atrás, por Leandro Mota
Dublin

5 golpes comuns na Irlanda

3 meses atrás, por Duda Gruppi
E-Dublin

Especial Hostels – Dublin, Irlanda

5 meses atrás, por Ávany França
Dublin

Problemas com moradia na Irlanda preocupam setor de TI

5 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Dicas de Viagem

Viajar no verão europeu pode ser uma roubada

6 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Moradia

Morar com estrangeiro é sempre a melhor opção?

6 meses atrás, por Andre Luis Cia
Moradia

Chegou a hora de dizer adeus ao nosso Flat Roda Lâmpada

6 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
Como alugar

Existe melhor época para achar acomodação em Dublin?

6 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Como alugar

Aluguel na Irlanda: onde é mais barato?

7 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves