Discriminação, agressão verbal ou corporal na Irlanda

Discriminação, agressão verbal ou corporal na Irlanda

Ávany França

5 meses atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

dreamstime_s_40709948

Cuidado com insultos, na Irlanda você pode ser preso.© Marcin Maslowski | Dreamstime

Outro dia uma amiga minha mordeu outra brasileira. Pois é, as fofas saíram no tapa, com direito a puxões de cabelo, socos, gritarias e aqueles palavrões cheios de …unda.

Na ocasião, uma das brasileiras foi até a Garda e registrou a ocorrência. Uma hora depois, lá estava o policial batendo na porta da minha amiga. Ai você pode pensar, nossa, mas tudo isso por conta de uma briga de comadres? Na Irlanda, qualquer tipo de agressão é coisa séria e, se a pessoa ofendida levar o caso adiante, uma simples mordida pode te colocar no banco dos réus.

Drama? Quisera fosse. Na lei irlandesa, qualquer tipo de ofensa, verbal ou corporal, é motivo para julgamento e consequentemente prisão. Sem falar que, quando um tipo de ocorrência dessas é registrada, você poderá ter problemas futuros, ao querer entrar no país, ou mesmo, em países membros da UE.

Por sorte, a vítima não quis levar o caso adiante e registrar queixa oficial, mas o policial foi claro com a minha amiga. Se o caso fosse levado a frente, ela certamente seria convidada a deixar o país depois do processo, e com grande possibilidade, dependendo da gravidade da agressão, não teria permissão para entrar na Europa por um bom tempo.

dreamstime_s_95416420

Problemas com injúria, agressão podem resultar em deportação.© Muhammad Annurmal | Dreamstime

Já o José Arruda, de 32 anos não teve tanta sorte assim. Ele, que já tinha morado na Irlanda por alguns anos ilegalmente, tentou sair e voltar como estudante. Fez tudo direitinho. Mas foi deportado. O motivo? Não foi o histórico de ilegalidade, pois nem existia, mas um registro de uma confusão de trânsito, que ele nem se lembrava. Mas que continuava no registro da Garda, a polícia irlandesa.

Mas esse rigor é só para estrangeiros? Não. É para todos. Uma história que teve bastante repercussão na mídia, foi a de uma mãe irlandesa estressada que deu uns tapas no filho de três anos num ponto do Luas. Por quase uma semana leitores indignados escreveram para vários jornais irlandeses, lembrando a mãe infeliz, que ela poderia ser presa, mesmo se tratando de seu próprio filho.

Um outro irlandês, foi parar na corte irlandesa por insultar um motorista do Dublin Bus, que pediu que ele apagasse o cigarro. Mesmo estando ele errado, ainda se achou no direito de insultar o motorista por sua nacionalidade. “P***i bastard”. Foi o suficiente. O caso acabou na justiça e o irlandês condenado a três meses de prisão.

Nesse caso, o irlandês foi enquadrado na lei irlandesa sobre discriminação, descrita como o tratamento de uma pessoa de maneira menos favorável que outra pessoa é, foi, ou seria tratada em situação comparável nas categorias: gênero, estado civil, situação familiar, idade, raça, religião, deficiência física/metal, membro da comunidade (nômades) e orientação sexual.

Aliás, quando fiquei sabendo que até 1993 ser homossexual na Irlanda era considerado ofensa grave e crime fiquei imaginando como era a vida dos gays por aqui. Afinal, se Oscar Wilde em 1889 teve que cumprir dois anos de prisão, por ser gay, imagina! Graças ao bom Deus, a Irlanda deu um salto nesse sentido, com a aprovação do casamento gay há alguns anos.

Sabe aquele costume brasileiro de mesmo que sem maldade, nomear pessoa pela região? Tipo, “e ai paulista”, “alemão”, “fala sergipano”, ou mesmo, baianada. Pois é, evite. Não vá sair por ai, fazendo esse tipo de referências, pois, o que pode ser apenas uma brincadeira, pode virar um problemão.

Se você for insultado, taxado de imigrante, vítima de brincadeirinhas de mal gosto, lembre-se: aqui essa história de discriminação é levada a sério. Colha provas, testemunhas e vá atrás de seus direitos.Para saber mais sobre as leis que protegem o cidadão europeu clique nos links abaixo.

Irish Human Rights Commission

Access Ireland

The Equaity Tribunal

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Avatar
Ávany França, Jornalista por profissão, já passou por editorias de moda, gastronomia, história e turismo. Uma vida sem desafios não foi desenhada para essa baiana de Salvador. Amante das viagens, coleciona mais de 80 destinos no passaporte. Quer saber mais? Corre porque até você terminar de ler esse perfil já terei alguma novidade.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar