Dodgeball: como a ‘queimada’ brasileira é conhecida no exterior

Dodgeball: como a ‘queimada’ brasileira é conhecida no exterior

Rubinho Vitti

3 semanas atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

Um jogo em que os jogadores tentam acertar os oponentes dentro de um círculo com uma bola. Pareceu familiar? Pois essa é a definição do Dodgeball, um esporte praticado no mundo todo, mas que, no Brasil, é mais conhecido como “queimada”.

Se no Brasil a “queimada” é bem popular entre estudantes e o jogo profissional ainda engatinha, na Europa e nos Estados Unidos, o Dodgeball já é profissional há algum tempo. Ou seja, existem campeonatos locais, regionais e o mundial, que acontece sempre em terras estadunidenses.

A popularidade do game é tamanha que virou até tema de uma comédia estrelada por Ben Stiller.

As regras do Dodgeball são muito parecidas com a clássica queimada. A gente explica tudinho para você como funciona. Dá só uma olhada!

Como funciona o Dodgeball?

Regras do Dodgeball são praticamente as mesmas da ‘queimada’ brasileira. Foto: Wan San Yip/Unsplash

Existem três formas básicas de jogar Dodgeball:

  • uma equipe contra outra equipe;
  • um jogador contra todos os outros jogadores;
  • cada um por si.

Uma versão popular é quando os jogadores formam um círculo de cerca de 9 metros de diâmetro e arremessam a bola, tentando acertar um único jogador dentro do círculo. Se um deles for atingido, ele estará fora do jogo. Mas, se o jogador conseguir pegar a bola, aquele que a arremessou é quem sai.

O jogo continua até que todos os jogadores, exceto um, sejam atingidos. Igualzinho à queimada, não é mesmo?

Na versão cada um por si, um jogador que é o lançador tenta acertar os outros jogadores e qualquer um que for atingido está fora do jogo. Aquele que pegar a bola lançada contra ele se torna o lançador. O último jogador a resistir à prova vence.

Leia também: Conheça os principais esportes praticados na Irlanda

Como surgiu o esporte?

Não se sabe ao certo quando surgiu o Dodgeball, mas um antigo esporte grego tinha as regras muito parecidas com essas citadas. Ele chamava “ostrakinda” e era jogado com conchas.

Outro jogo parecido era praticado na Inglaterra do século 16, com o nome “court dodge”. “Dodge”, aliás, significa “esquivar”, o que dá razão ao nome do jogo, já que os jogadores precisam se esquivar das bolas para poder continuar jogando.

Quais são as principais regras do Dodgeball?

Filme Dodgeball, com Ben Stiller, tornou o esporte mais famoso em todo o mundo. Foto: Divulgação.

Segundo a Associação Internacional de Dodgeball, existem regras básicas que devem ser conhecidas para poder jogar. Vamos reproduzi-las aqui.

  1. A quadra típica do Dodgeball tem o tamanho de uma pequena quadra de vôlei, com uma linha central e 2 linhas laterais.
  2. Durante o jogo, existem 4 árbitros, dos quais 2 estão posicionados no final da linha central. Os árbitros iniciam o jogo e contam o tempo de posse de bola.
  3. Você está fora se : a) pisar sobre uma linha lateral ou central; b) uma bola arremessada atinge seu corpo; e c) você joga a bola e ela é pega por um oponente.
  4. Uma bola lançada só pode atingir 1 jogador. Bolas lançadas que atingem o solo, a parede, outras bolas ou outros objetos antes de atingir o oponente são consideradas bolas mortas e não valem.
  5. Você só pode segurar uma bola por 10 segundos antes de arremessá-la.
  6. Se o jogo chegar a 1 jogador de cada lado, eles terão 10 segundos para acertar o oponente.

Irlanda tem forte ligação com o esporte

Irlanda tem, pelo menos, cinco times de Dodgeball que integram associação irlandesa do esporte. Foto: Pixabay

Além de muito popular nos Estados Unidos — sede, inclusive, de um campeonato mundial —, outros países também são apaixonados pelo esporte e o levam muito a sério. Afinal, Dodgeball não é mais apenas um jogo de adolescentes na escola.

A Copa Europeia reúne craques que se destacam com seus times. Entre os mais conhecidos estão os representantes da Inglaterra e País de Gales além, é claro, da Irlanda.

A Associação Irlandesa de Dodgeball foi criada em 2011, ou seja, completa dez anos em 2021. A Irish Dodgeball Association (IDBA) se dedica ao desenvolvimento do esporte na República da Irlanda. Ela participa da Federação Mundial de Dodgeball e da Federação Europeia de Dodgeball.

São, pelo menos, cinco clubes que integram a associação na Irlanda:

  • Dublin Dodgeball Club
  • Galway Dodgeball Club
  • Dodgeball Club — Trinity College Dublin
  • UCC Dodgeball Club
  • Waterford Dodgeball Club

O Waterford foi o primeiro clube de Dodgeball na Irlanda. Praticamente todos eles aceitam novos participantes e integram estrangeiros no seu rol de jogadores.

Quais os próximos campeonatos?

Com a pandemia da Covid-19 ainda forte em todo o mundo, nem dá para pensar muito em campeonatos esportivos. Porém, existe uma agenda que poderá ser atualizada conforme a situação se regularize.

Dublin Open 2021 & Parafoamal Activity 2021 são os dois eventos mais aguardados do esporte na Irlanda. De acordo com a associação, novidades serão postadas no site oficial assim que as agendas dos campeonatos forem atualizadas.

Reunindo times de todo o continente, o European Championships 2021 está atualmente marcado para acontecer em Drachten, na Holanda. O time nacional da Irlanda fará parte do campeonato nas três divisões: masculino, feminino e misto.

A nona edição do Dodgeball World Championships deve acontecer em 2022, reunindo os 40 times mais bem ranqueados de todo o mundo para competir entre eles.

Brasileiros no time irlandês de Dodgeball? Temos!

Brasileiros contam como foi jogar Dodgeball na Irlanda. Foto: Acervo Pessoal

Dois brasileiros se destacaram nas quadras da Irlanda e representaram o time irlandês na Copa Europeia de Dodgeball 2015, que aconteceu em Paris, na França. Adriano Vilar, representante do time masculino, e Tatiane Aragão, que integra a seleção feminina irlandesa, falaram ao E-Dublin sobre como foi a experiência em atuar no time de Dodgeball na Irlanda.

Como você descobriu o Dodgeball na Irlanda?

Vilar – Foi por meio da internet. Digitei para saber mais sobre queimada e, daí, lembrei que em inglês se chama Dodgeball. Quando eu busquei no Google, apareceu a página do clube de Dublin. Entrei em contato com eles fui recebido de braços abertos.

Tatiane – Descobri com o Vilar. Vi um post dele no Facebook falando que tinha ido a um treino e tinha adorado. Logo em seguida, comentei no post e combinei de ir ao próximo treinamento com ele.

Já praticava esse esporte no Brasil?

Vilar – Sim, jogo queimada desde os 8 anos de idade. Foi paixão pelo esporte como amor à primeira vista.

Tatiane – Jogava queimada quando criança, mas desde os 13 anos não tive mais contato com o esporte.

O Dodgeball é popular entre os irlandeses?

Vilar – Sim, existem clubes em Dublin, Galway, Kilkenny, Waterford, Irlanda do Norte e muitos outros lugares.

Tatiane – Na Irlanda, a queimada vem crescendo bastante nos últimos anos, mas em países como Inglaterra ela já é bem popular há muito mais tempo.

Como surgiu a oportunidade de participar do campeonato?

Vilar – Na verdade, eu sempre quis jogar no nível competitivo, mas, no Brasil, nunca houve algo desse tamanho. Então, quando surgiram os testes para a copa de Manchester, eu me habilitei, porém não fui selecionado. Eles me deram o feedback do porquê eu não ter sido escolhido. Daí eu trabalhei em cima do feedback deles. Quando começaram os testes para a copa europeia de Paris, eu coloquei em prática todas as sugestões e, no final do último trial, fui selecionado. Pense na felicidade de representar um país que adotou você? Nossa, estou nas nuvens!

Tatiane – Sou uma pessoa competitiva, e integrar a equipe da Irlanda é a melhor forma de participar das maiores competições. Só lembrando que não participa quem quer, tem vários trials durante o ano, e só os melhores são escolhidos.

Recomenda o esporte para outros brasileiros?

Vilar – Lógico que sim! Praticar esporte é bom pra mente, pro corpo, ajuda a trabalhar em grupo. Além do mais, você faz amigos pra sempre!

Tatiane – Recomendo muito, é um esporte em que os brasileiros têm uma evolução muito rápida, porque nós somos competitivos e gostamos de jogar na cara.

Entrevista por Elizabeth Gonçalves

Rubinho Vitti
Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar