Como é o trabalho de entregador na Irlanda?

Como é o trabalho de entregador na Irlanda?

Colaborador E-Dublin

2 semanas atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

Faça chuva ou faça sol, frio ou calor, lá estão eles trabalhando. A vida de um entregador na Irlanda não costuma ser muito fácil. Para quem não sabe, a maioria deles é e brasileiros, que optam por trabalhar de delivery na Irlanda como uma forma de complementar a renda no país.

Com uma bicicleta ou moto e uma conta em uma empresa de entregas é possível trabalhar buscando comida nos restaurantes e entregando na casa dos clientes. Geralmente, quem faz esse serviço trabalha sozinho e precisa estar regularizado na ilha para não ter maiores problemas.

O E-Dublin conversou com que trabalha na área para entender melhor como funciona este tipo de emprego e mostra neste artigo tudo sobre como ser entregador na Irlanda. Confira!

Leia também: Trabalhar na Irlanda: regras, vistos e profissões para brasileiros

Quais empresas de delivery estão disponíveis para ser entregador na Irlanda?

O trabalho de entregador na Irlanda pode ser bem puxado e exige esforço físico e cuidados extras. Foto: Kai Pilger/Unsplash

Uma das profissões mais populares entre intercambistas é ser entregador na Irlanda. Para quem usa bicicleta, as principais empresas de delivery são Deliveroo, UberEats e JustEat.

Trabalhar com delivery requer força de vontade e disposição. Apesar de ser um trabalho considerado “simples”, falta segurança, é cansativo e desafiador principalmente pela quantidade de horas que o entregador precisa fazer para obter uma boa remuneração. Por outro lado, ele tem liberdade de fazer seus próprios horários e estabelecer suas metas diárias de trabalho.

Quem conta essa rotina é um perfil no Instagram chamado Pedalando na Irlanda, uma ótima fonte de pesquisa para quem deseja começar na profissão, traz dicas de segurança, acessórios, entre outras informações.

Agora, de um modo geral, vamos falar um pouco sobre as principais empresas de delivery na Irlanda:

Deliveroo

Deliveroo é a principal empresa de entrega de alimentos on-line na Irlanda. Além da ilha, ela opera em mais duzentas localidades como Reino Unido, Holanda, França, Bélgica, entre outros. Em dezembro de 2017, um estudo da consultoria macroeconômica Capital Economics revelou que a Deliveroo ajudou a criar 7.200 empregos em todo o setor de restaurantes desde que foi lançado em 2013.

Uber Eats

Uber Eats é uma plataforma de entrega de refeições e alimentos on-line, que fazia originalmente parte do serviço de motorista do Uber, mas que depois se tornou um aplicativo. O serviço faz parceria com restaurantes locais, em cidades selecionadas em todo o mundo. É muito utilizado pelos brasileiros que desejam trabalhar com delivery.

Just Eat

Just Eat é um serviço de entrega e pedido de comida on-line britânico (anteriormente dinamarquês), que atua como um intermediário entre os clientes e pontos de venda independentes de alimentos para viagem. Segundo seu site, a empresa opera em 13 países da Europa, Ásia, Oceania e Américas.
Número de entregadores na Irlanda cresceu com a pandemia

Covid-19: aumento no número de entregas na Irlanda

Com a pandemia da Covid-19, o número de entregas na Irlanda cresceu consideravelmente. A empresa de entrega de mantimentos on-line de Dublin, a Buymie, que trabalha com as principais redes de supermercado do país – o Lidl e o Tesco –, logo nas primeiras semanas de isolamento, aumentou em 300% suas entregas diárias, segundo o executivo-chefe e cofundador da startup, Devan Hughes.

A demanda pelos serviços da empresa cresceu à medida que as restrições de saúde pública sobre o movimento levaram os clientes a recorrer a serviços de entrega on-line para se proteger da Covid-19.

A Deliveroo assinou com mais de 600 novos restaurantes desde janeiro deste ano, e por causa da pandemia, mais lojas forneceram serviços de entrega. Em números, a empresa informou que 64% das novas inscrições foram em Dublin, 11% em Cork; enquanto Galway e Limerick viram um aumento de 6% e 4% respectivamente.

Como se registrar como entregador na Irlanda?

Cada empresa tem suas próprias regras e políticas de trabalho para delivery na Irlanda. Abaixo, vamos mostrar o passo a passo para registro das que mencionamos nesta matéria. Vale ressaltar que todas as informações foram extraídas dos sites das empresas.

Deliveroo

  • Acesse o site do Deliveroo para o cadastro. Depois de escolher a cidade que serão feitas as entregas, o candidato deve preencher o formulário, incluindo seu nome, detalhes de contato, tipo de veículo (bicicleta, scooter ou carro), data de nascimento, código postal e seu direito de fornecer serviços.
  • A empresa exige passaporte europeu ou visto (Stamp 4), comprovante de residência, conta bancária irlandesa e o número do PPS – Public Service Number (similar aos CPF brasileiro).
  • Vantagens: acesso a equipamentos como porta-telefones, roupas de proteção, capacetes e luzes; liberdade para trabalhar conforme sua disponibilidade; planejamento com antecedência das entregas; e parceria com seguradora para apólices específicas para os entregadores.
  • Cidades: Dublin, Limerick, Cork e Galway.

Uber Eats

  • Acesse o site do Uber Eats para preencher o cadastro. Para fazer a inscrição, o entregador precisa ter pelo menos 18 anos, passaporte europeu ou visto (Stamp 4), ter carteira de motorista e o veículo para fazer as entregas.
  • Para motocicleta, scooter e carro precisa ter o seguro do veículo (incluindo a cobertura para entrega de alimentos).
  • Vantagens: flexibilidade de entregas, por hora, qualquer dia da semana; o entregador poderá receber pagamentos no mesmo dia com o Instant Pay.
  • Cidades: Dublin, Limerick, Cork e Galway.

Just Eat

  • Acesse o site do Just Eat para assinatura. O candidato precisa preencher seus dados no site e deve ter pelo menos 18 anos, carteira de motorista e bicicleta ou veículo registrado.
  • É preciso ter permissão para trabalhar legalmente na Irlanda, número do PPS e conta bancária irlandesa.
  • Vantagens: controle na programação das entregas; pagamento no final de cada semana.
  • Cidades: não informado no site.

Como é o trabalho de entregador na Irlanda?

Para ser entregador na Irlanda é preciso disposição e força de vontade. Foto: Patrick Connor Klopf/Unsplash

Não basta ter uma conta no aplicativo. O entregador vai precisar investir em equipamentos básicos para começar as entregas, como a bicicleta, celular, capacete, entre outros acessórios. Falando nos materiais de trabalho, as próprias empresas vendem em seus sites uniformes, bolsa térmica personalizada, entre outros acessórios, para facilitar e identificar os “drivers”.

Segundo informações do Pedalando na Irlanda, é fundamental que os entregadores utilizem equipamentos de segurança, lanternas dianteiras e traseiras que são obrigatórias. Além de evitar multa, o entregador trabalhará com mais segurança. O perfil ainda recomenda andar com um kit de manutenção básica para pelo menos poder trocar os pneus em casos de urgência.

No aplicativo Deliveroo, por exemplo, os horários de trabalho começam às 8h da manhã e podem chegar até às 2h da madrugada.

As melhores épocas para trabalhar nos aplicativos são no inverno e nos dias de chuva e frio, que costumam ter muitos pedidos por hora e um pequeno aumento na remuneração, que pretende incentivar os entregares a saírem pelas ruas. Mas não é fácil trabalhar com essas condições, viu?

É muito comum os entregadores ganharem “tips”, que podem variar muito de um dia para o outro. Os clientes sabem exatamente a sua localização, porém muitos não acompanham o trajeto da entrega, dificultando ainda mais o trabalho dos entregadores.

No perfil, você pode encontrar mais informações nos destaques sobre como funcionam os aplicativos, recomendações de bikes, entre outras dicas que facilitam o dia a dia dos entregadores na Irlanda.

Como os pedidos chegam para os drivers?

O entregador na Irlanda costuma usar bicicleta, mas é possível fazer deliveries com moto e carro. Foto: Lucian Alexe/Unsplash

A maioria dos entregadores na Irlanda começam a sua jornada de trabalho na hora do almoço. A dinâmica funciona da seguinte forma: o restaurante recebe o pedido, simultaneamente o driver recebe a ordem, vai até o restaurante buscar a mercadoria e faz a entrega. Tudo isso através do aplicativo que é integrado com o Google Maps.

A prioridade da entrega é para o driver com carro, depois moto, bicicleta elétrica e por último a bike normal. A preferência é sempre de quem consegue entregar mais rápido! Não é uma rotina, mas um entregador com moto, por exemplo, consegue fazer mais dinheiro, uma média de 100 euros por dia, dependendo da época do ano.

Não tenho passaporte europeu, como posso trabalhar com entregas?

As empresas de delivery na Irlanda exigem documentação que prova a disponibilidade do estrangeiro trabalhar no país. Foto: Ross Sneddon/Unsplash

Antes de falarmos sobre este assunto, você precisa entender como funciona a dinâmica do cadastro. Geralmente, essas empresas fazem contratos de prestação de serviço (self-employed), no qual o autônomo fica responsável por conduzir o seu “próprio negócio”. Quem tem o visto Stamp 2, por exemplo, não pode ser autônomo na Irlanda.

Por este motivo, hoje, o pré-requisito principal para cadastro nesses aplicativos é o passaporte europeu, Stamp 4, visto de trabalho ou outra permissão para ser autônomo, o que não acontece com estudantes de idiomas. Mas nem sempre foi assim, pois antes os estrangeiros conseguiam trabalhar com entregas.

Vamos dar o exemplo do Uber Eats. Quando a empresa começou a fazer os primeiros cadastros na Irlanda, qualquer pessoa conseguia se inscrever como entregador na plataforma (antes o candidato só precisava de um documento com foto). Porém, o Uber Eats começou a cancelar os contratos ativos desses estrangeiros para se enquadrar às leis do país.

Posso alugar uma conta de uma terceira pessoa?

É muito comum entregadores brasileiros que não possuem conta em uma empresa de delivery “alugar” de alguém o cadastro. Os preços do aluguel giram em torno de 50 e 100 euros por semana. Mas isso não quer dizer que é legal.

A prática não é permitida pelas empresas e nem pelo governo irlandês, conforme explicamos acima. Quem quebrar as regras pode ter a conta cancelada no aplicativo de entrega ou ainda ter outras penalidades por infringir leis trabalhistas na Irlanda.

Dificuldades em trabalhar como entregador na Irlanda

Existem diversos aplicativos para ser entregador na Irlanda, como Deliveroo, Uber Eats e Just Eat. Foto: Unsplash

É preciso entender a realidade como ela é. Existem milhares de depoimentos nas redes sociais de hostilidade contra os trabalhadores de delivery na Irlanda. Os brasileiros muitas vezes são vítimas de violência e ataques nas cidades e, a cada ano que passa, cresce o número de relatos envolvendo adolescentes que atacam os estrangeiros por preconceito.

As empresas dizem estar cientes dos acontecimentos, mas na prática fazem pouco caso para garantir a segurança de quem trabalha nas ruas. Mesmo com as constantes reivindicações, a Deliveroo, por exemplo, chegou reduzir o pagamento mínimo por entrega de €4,30 para €2,90.

A empresa frequentemente faz mudanças no sistema que tornam o trabalho mais difícil e pressionam os trabalhadores para fazer entregas cada vez mais rápidas. Em um fórum do Reddit, um usuário conta que foi punido por não ser rápido o suficiente, pois parava no sinal vermelho.

Além da violência e das agressões físicas e verbais, os entregadores precisam lidar com os perigos no trânsito, condições climáticas e cansaço físico, já que muitos deles precisam pedalar por horas sem ao menos ter uma bicicleta elétrica.

Caso Thiago Côrtes: brasileiro foi atropelado enquanto fazia uma entrega em Dublin

Entregador na Irlanda, Thiago Cortês morreu após ser atropelado enquanto trabalhava em Dublin. Foto: Acervo pessoal

Em agosto deste ano, um brasileiro morreu após um acidente no North Wall Quay, em Dublin. Thiago Cortes, de 28 anos, do Rio de Janeiro, foi atropelado enquanto pedalava, fazendo entregas para o aplicativo Deliveroo. O motorista fugiu, não prestou socorro e Thiago acabou morrendo no hospital.

Como contamos aqui no E-Dublin, a Garda encontrou o carro abandonado perto do local, mas o motorista não foi encontrado. Logo em seguida, a polícia interrogou um adolescente que é suspeito de ser o motorista do carro que atropelou e matou Thiago.

O adolescente, menor de idade, foi considerado suspeito do crime depois que seu nome foi revelado durante contatos entre a Garda e membros da comunidade local. Além dele, mais outros três jovens são suspeitos, todos pertencentes à mesma comunidade do subúrbio de Dublin. Até o fechamento desta matéria, ninguém foi preso.

A comunidade brasileira na Irlanda foi às ruas para protestar e prestar homenagens a Thiago. O movimento foi organizado por grupos de WhatsApp e Facebook, capitaneados por entregadores e pela Associação de Escolas de Inglês. Mais de mil pessoas marcharam pela cidade e cobraram justiça.

O corpo de Thiago Cortes foi cremado e as cinzas espalhadas em um parque que ele gostava na cidade irlandesa. Na internet, uma vaquinha on-line foi criada para ajudar a família do brasileiro.

Como é a experiência em ser entregador na Irlanda?

A vida de um entregador na Irlanda pode não ser muito difícil, com trabalho árduo e perigo pelas ruas. Foto: Unsplash

Para responder como é a experiência em ser entregador na Irlanda, o E-Dublin conversou com dois brasileiros que atuam nas ruas de Dublin. Eles mostram como é o dia a dia deles na ilha.

O paranaense Benjamin Escudero, de 38 anos, começou a trabalhar como entregador pois foi a opção mais fácil que encontrou assim que chegou na Irlanda. Hoje, mesmo com seu emprego part-time, ainda continua trabalhando com delivery. Segundo ele, o lockdown ajudou bastante os entregadores na Irlanda.

“Todo dinheiro que fizer como delivery você o recebe limpo sem precisar pagar impostos. Além disso, você trabalha no seu tempo livre e faz o seu próprio horário de trabalho. Na hora do almoço, por exemplo, eu costumo tirar cerca de 70 euros por dia. Mas depende muito das condições climáticas e época do ano. Já tem dias que não consigo tirar nem 5 euros, pois tenho poucas entregas”.

De acordo com Benjamin, durante o inverno, as entregas aumentam e o entregador consegue ganhar mais do que um salário mínimo. “Ganhamos por entrega e não por hora. Eu investi em equipamentos para o meu conforto, principalmente nos dias de frio e chuva. Trabalho no mínimo 10 horas e no máximo 12 horas por dia. Essa profissão dá muito dinheiro aqui na ilha, mas você precisa ter disciplina para trabalhar. Investir em equipamentos para trabalhar aumenta seus lucros também, como comprar uma bicicleta elétrica, por exemplo”, ressaltou.

Leonardo Santos, de 38 anos, que também trabalha como delivery na Irlanda, disse que estar preparado para as condições climáticas é fundamental para a profissão.

“A gente precisa estar bem agasalhado, pois aqui venta muito e chove bastante. O delivery te oferece uma blusa corta vento e você precisa comprar uma calça impermeável para não se molhar. Você realmente precisa fazer esse investimento, pois passa muitas horas na rua. Tudo isso para conseguir trabalhar e não ficar doente. São nessas condições que você costuma ganhar mais dinheiro já que diminui a quantidade de drivers”, destacou o brasiliense.

A segurança é um ponto que deixa os entregadores em alerta. Mesmo assim, os drivers continuam suas entregas, tomando todos os cuidados necessários e atentos as áreas de entrega críticas.

“Alguns adolescentes jogam ovos e pedras e ameaçam os entregadores. É um medo constante, mas precisamos trabalhar. Tem alguns lugares que a gente evita no centro de Dublin, pois existe um alto índice de violência. Mesmo sendo considerada uma cidade segura, tem um alto índice de roubo de bicicletas. Como faço o meu horário, a outra parte do meu tempo dedico aos estudos. Estou estudando para tentar algo na área de tecnologia da informação. Graças ao meu trabalho, consigo pagar minhas contas e tenho tempo para me organizar para o que o quero”, finalizou Leonardo.

 

 

Veja também

Como é o Regime Trabalhista na Irlanda?

KARINA MOURA,

formada em Jornalismo e Relações Internacionais. Produtora de conteúdo digital e consultora de comunicação e marketing, atuou por muito tempo em projetos B2B, com atendimento e relacionamento ao cliente. Apaixonada por pessoas e causas que promovam a troca de experiências entre elas, hoje se prepara para o seu primeiro intercâmbio em Dublin, na Irlanda.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar