Estágio no exterior sem falar inglês é possível? 

Estágio no exterior sem falar inglês é possível? 

Colaborador E-Dublin

1 ano atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

Formada em Gestão do Agronegócio pela Faculdade de Tecnologia de Ourinhos e com especialização em Agronegócio pela USP de Piracicaba.”, essa foi a frase que mais escrevi nos últimos dois anos em perfis de sites como LinkedIn e Catho, além de cover letters para candidatura a vagas de emprego no Brasil.

Formada há dois anos e sem nunca ter atuado na minha área, comecei a pensar sobre onde estava errando, pois a oportunidade que eu tanto esperava nunca chegava. Mas a resposta estava estampada na minha cara: faltava o inglês.

Sem o inglês as oportunidades de emprego no Brasil não acontecia. © Mohamad Faizal Ramli | Dreamstime.com

Sem o inglês, as oportunidades de emprego no Brasil não aconteciam. © Mohamad Faizal Ramli | Dreamstime

Por não ter o inglês fluente, perdi o emprego dos sonhos no Brasil e não conseguia me candidatar para nenhum processo seletivo de trainee, já que, hoje em dia, a fluência no idioma não é mais um diferencial e, sim, uma obrigatoriedade.

Então, decidi que era hora de mudar de ares e fazer um intercâmbio. Com isso, o destino escolhido foi a cidade de Dublin, na Irlanda, devido a diversos fatores, como: custos menores quando comparados a outros países, poder estudar e trabalhar, além do processo para tirar o visto ser bem mais simples.

Com o destino escolhido, comecei a pesquisar na internet se em Dublin havia alguma empresa do Agronegócio voltada para a área em que desejo atuar — “Bem-estar dos animais de produção”.

Encontrei o departamento de pesquisa de bem-estar animal na School Veterinary Medicine na University College Dublin, que desenvolve pesquisas e publica em revistas de veterinária.

Consegui estágio na Irlanda sem inglês. © Photopal604 | Dreamstime.com

Consegui estágio na Irlanda sem inglês. © Photopal604 | Dreamstime

Então, pensei: “Vou enviar um e-mail falando que estarei em Dublin por 8 meses fazendo um intercâmbio e se, por um acaso, existe a possibilidade de fazer um estágio no departamento, o máximo que vou ouvir é um não…”. E foi isso que fiz!

No e-mail, falei do meu interesse de atuar na área e deixei claro que NÃO sabia falar inglês e que estava indo para Dublin, justamente, para aprender a língua, além de querer conviver com pessoas e culturas diferentes.

Para minha surpresa, tive um retorno! Recebi um e-mail da pessoa responsável pelo departamento falando para enviar meus artigos e monografias sobre o bem-estar animal. Enviei e, um tempo depois, recebi um segundo e-mail com o contrato de estágio para assinar.

Com isso, há dois meses estou em Dublin e fazendo meu estágio, que consiste na pesquisa de dados e desenvolvimento de um artigo científico em inglês sobre o bem-estar animal, que será publicado em uma revista de veterinária da Irlanda.

Como eu estou conseguindo escrever um artigo científico em inglês? Só Deus sabe… kkk, brincadeira… Estou estudando muito e me esforçando pra caramba! A cada dia, percebo que estou melhorando, tudo está dando certo e o artigo está ficando muito bom.

Resolvi escrever esta matéria para incentivar outras pessoas e falar que não devemos ter medo de arriscar! Afinal, o máximo que podemos ouvir é um não!

Sobre a autora:
thumbnail_22851789_1347374468705263_5840606777013331204_nCíntia Aparecida Vaz do Amaral tem 26 anos, casada, especialista em agronegócio e mora em Dublin há 2 meses.

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Colaborador E-Dublin
Colaborador E-Dublin, Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

  • Correr atrás de sonho também dói

    Planeje seu Intercâmbio

    Correr atrás de sonho também dói

    Quando eu fiz 30 dias na Irlanda, eu chorei, eu chorei muito... Eu nem me...

    Colaborador E-Dublin

    16 horas atrás

    Correr atrás de sonho também dói
  • 10 coisas que você fatalmente aprenderá no intercâmbio

    Planeje seu Intercâmbio

    10 coisas que você fatalmente aprenderá no intercâmbio

    É, meu amigo intercambista. Não adianta achar que só de inglês é feito o...

    Carol Braziel

    2 dias atrás

    10 coisas que você fatalmente aprenderá no intercâmbio

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar