Fim de semana teve protestos antirracistas na Irlanda

Fim de semana teve protestos antirracistas na Irlanda

Rubinho Vitti

6 meses atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

O sábado na Irlanda foi de protestos antirracistas. Diversas cidades da ilha fizeram manifestações para mostrar indignação com o caso da morte de George Floyd, em Minneapolis, nos Estados Unidos, além de protestar contra o racismo na própria Irlanda. Foram registrados protestos em Galway, Limerick, Dublin, além de Belfast, na Irlanda do Norte.

Manifestantes deixaram cartazes no portão da Embaixada dos Estados Unidos na Irlanda. Foto: Emille Rosa (@emille)

Em Dublin, centenas de pessoas se reuniram nas proximidades da Embaixada dos Estados Unidos, no bairro Ballsbridge. A organização pediu apenas que pessoas que morassem a 5km de distância do prédio fosse ao manifesto. Isso porque, até domingo, 7 de junho, esse era o distanciamento máximo possível para que pessoas se distanciassem de suas residências, conforme as medidas de lockdown.

Segundo participantes, durante o protesto também não houve aglomeração. A Garda acompanhou o protesto para conscientizar as pessoas sobre o distanciamento.

Leia também: ‘Black Lives Matter’: centenas vão às ruas de Dublin em protesto

Cartazes refletindo sobre o racismo, com dizeres contra o presidente americano Donald Trump e também lembrando a morte da vereadora carioca Marielle Franco, se espalharam pela multidão durante o protesto.

Vereadora carioca Marielle Franco foi lembrada durante protesto em Dublin. Foto: Emille Rosa (@emille)

O brasileiro Danilo Nunes, 32, participou do protesto em Dublin. “O protesto foi bem incrível, teve duas horas de duração e bastante gente, bem mais do que eu esperava. Por ser o mês do orgulho/pride tinham muitos cartazes combinando os dois movimentos, BLM e LGBTQI+”, disse.

Danilo ressaltou a fala de uma manifestante. “Ela falou no microfone da importância de incluir todas as vidas negras no movimento, especialmente a de pessoas transexuais, que são assassinadas de forma brutal no mundo todo, principalmente nos EUA e Brasil.”

Durante protesto, Danilo Nunes uniu a luta racial com a causa LGBTQI+. Foto: Acervo pessoal

Bruna Alves, 18 de anos, disse que o protesto foi bem significativo “porque é a primeira vez que está tendo um strike mundial e todo mundo está gritando, lutando e entendendo um pouco mais como é ser negro vivendo nessa sociedade”. “Me senti incrível e ao mesmo tempo com raiva. Definitivamente dói bastante em 2020 ainda estarmos ali, lutando e gritando que nossas vidas importam.”

Rubinho Vitti
Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar