Guia: Espanha como destino de intercâmbio para brasileiros

Guia: Espanha como destino de intercâmbio para brasileiros

Rubinho Vitti

3 semanas atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

A Espanha é um dos destinos mais procurados pelos brasileiros para intercâmbio. Muitos encontram no país uma forma de estudar ou aperfeiçoar o espanhol. Já outros preferem fazer graduação ou pós-graduação para, no futuro, conseguir um visto de trabalho. Recentemente, esse país abriu ainda mais suas portas para estrangeiros. Há vários tipos de permissões para estudantes, desde cursos rápidos de três ou seis meses, até vistos de um ano com possibilidade de renovações ilimitadas, que permitem o estudante trabalhar por um período de horas semanais determinado.

Quais tipos de vistos de estudante na Espanha?

Existem diversos tipos de vistos possíveis para brasileiros na Irlanda. © Júlio Riccó | Dreamstime.com

Existem diversos tipos de vistos possíveis para brasileiros na Espanha. © Júlio Riccó | Dreamstime.com

Um visto de estudante da Espanha é necessário para quem procura cursos com duração maior que três meses. Existem diferentes tipos de vistos de estudante de espanhol que são válidos por diferentes períodos de tempo. Os estudantes precisam se inscrever em uma embaixada ou consulado espanhol e fornecer uma série de documentos para solicitar o visto. É necessário ser aceito em um curso antes da inscrição.

Licença de Estudante por menos de 3 meses (90 dias)

Estudantes de países qualificados para a entrada sem visto de até 90 dias podem fazer um curso sem obter um visto de estudante. No caso dos brasileiros, é preciso solicitar um visto para a área Schengen, que permite a permanência por três meses, o mesmo visto que ele teria que requerer se quisesse turistar por quaisquer países da área durante esse tempo.

Visto de estudante de curta duração por um período entre 3 e 6 meses

O visto de estudante de curta duração permite que os alunos façam um curso que dura, no máximo, 180 dias. A aplicação é menos complicada que a de cursos mais longos, pois é necessário um número inferior de documentos. O visto de estudante de curta duração não pode ser estendido em nenhuma circunstância. Os alunos podem fazer cursos de espanhol com esse tipo de visto e qualquer curso oferecido por faculdades e universidades.

Visto de estudante de longo prazo (mais de 6 meses)

Os vistos de estudante de longa duração permitem que os alunos façam cursos com duração superior a seis meses. Nesse caso, os alunos também precisam solicitar um cartão de residência estudantil em um escritório de imigração dentro de um mês após a chegada na Espanha. Para esse tipo de visto, o pedido envolve mais documentação do que os vistos de curto prazo. Entre os atestados solicitados estão médico e criminal.

O pedido de visto precisa ser enviado entre dois e três meses antes de viajar para a Espanha, para permitir tempo suficiente para o processamento do visto.

Documentos necessários para solicitar um visto de estudante

  • 2 formulários de solicitação de visto Schengen preenchidos
  • Passaporte (válido até o final da sua estadia)
  • Documento de identidade
  • Identificação do aluno
  • 2 fotos recentes de passaporte (uma para cada formulário de inscrição)
  • Carta de aceitação do provedor do curso
  • Plano de saúde pago
  • Prova de fundos suficientes para cobrir a estadia (extratos bancários)

Estudantes com vistos de longo prazo podem trabalhar

Espanha é um dos países mais procurados por brasileiros para fazer intercâmbio. Foto: Pxhere

O visto de estudante da Espanha permite que os estudantes trabalhem em período parcial ou temporário durante o curso. A quantidade de horas não pode exceder 20 horas por semana, e o trabalho não deve interferir nos estudos dos candidatos.

Para que um portador de visto de estudante consiga um emprego, o empregador deve obter uma permissão de trabalho do Ministério das Relações Exteriores. O contrato de trabalho não pode exceder a duração do visto de estudo.

Dicas essenciais para o visto de estudante na Espanha

Quem está no Brasil e pretende fazer o intercâmbio na Espanha deve aplicar para o visto ainda no Brasil. O ideal é que a aplicação seja feita dois meses antes de embarcar.

Se, por acaso, o intercambista está na Irlanda e pretende mudar para a Espanha, é preciso que ele esteja com o IRP (Irish Resident Permit) válido e faça a aplicação dois meses antes da viagem. A pessoa precisa entrar na Espanha com o IRP válido, pois a Embaixada da Espanha em Dublin não deixa o intercambista pegar o visto espanhol se o IRP estiver vencido

Requerimentos para o visto de estudante

O candidato a um visto de estudante na Espanha precisa de um certificado de inscrição no centro de estudos, registro que certifica que ele foi aceito e está em dia com a instituição educacional que escolheu. Isso vale para cursos de idiomas, graduação, mestrado e outros que sejam válidos e autorizados pelo governo.

Assim como na Irlanda, o intercambista precisa provar que tem renda suficiente para viver no país. O valor é de € 7.000 por ano. A comprovação deve ser um extrato de conta bancária ou documento de responsabilidade financeira dos pais comprovada com renda obtida no país de origem.

Também é preciso apresentar um atestado de saúde, provando não ter nenhum tipo de doença contagiosa. Outros documentos são certificado de antecedentes criminais e seguro médico privado com cobertura válida em toda a Europa.

Extensão ilimitada para estudantes

A renovação do visto de estudante na Espanha é ilimitada. Foto: Wirojsid | Dreamstime.com

Uma das vantagens do intercâmbio na Espanha é ter a possibilidade de renovar o visto de estudante quantas vezes quiser, diferente da Irlanda, onde a renovação pode acontecer apenas duas vezes. Apesar de simples, a renovação exige a apresentação da comprovação de renda novamente.

Ela pode ser solicitada na Espanha, apresentando documentos que comprovam você ter concluído os estudos do primeiro visto ou estar para concluir. Também é necessário fornecer novamente a inscrição para a continuidade do curso ou de um novo curso que vai cursar, já aprovado pela instituição de ensino.

Autorização de trabalho

Tendo um visto de estudante para cursos com mais de seis meses, o intercambista pode trabalhar na Espanha por, no máximo, 20 horas semanais. Mas não basta ter o visto de estudante para que seja possível trabalhar. É preciso uma autorização de trabalho

A empresa contratante do aluno deverá iniciar o procedimento legal, fornecendo documento sobre a oferta de emprego à qual o aluno se candidatou, além de provar que este atua há, pelo menos, um ano na Espanha, com comprovações sociais e pagamento de taxas. O processo de aprovação pode levar dois meses e o pedido deve ser feito seis meses antes do vencimento do visto de estudante.

Autorização de residência após três anos

Se o cidadão não europeu ficou três anos estudando e trabalhando na Espanha, ele tem o direito de pedir uma autorização de residência. É uma permissão de trabalho e residência regulares na Espanha, graças à renovação do visto de estudante duas vezes.

Com a autorização de residência, o cidadão não europeu pode, após dois anos, entrar com o processo de cidadania espanhola. Isso porque a Espanha tem uma parceria com países países ibero-americanos, grupo do qual o Brasil faz parte, que permite brasileiros requererem o passaporte espanhol. Resumidamente, estudando durante três anos, conseguindo a residência por mais dois anos, totalizando cinco anos no país, o intercambista pode se tornar cidadão espanhol.

Tipos de trabalho para intercambistas na Espanha

Área de hotéis e restaurantes é a principal para contratar brasileiros que fazem intercâmbio na Espanha. Foto: PXhere

Como já dissemos, o intercambista, assim como na Irlanda, pode trabalhar 20 horas diárias. Ou seja, meio período. Com isso, encontrar um emprego na Espanha é muito parecido com o tipo de emprego que se encontra na Irlanda, basicamente nas áreas de hotelaria e gastronomia (restaurantes, bares, etc.). Ou seja, housekeeper, garçom, babá, atendimento ao cliente, entre outras funções estão entre as mais populares para intercambistas na Espanha.

O salário na Espanha é mais baixo que na Irlanda, mas o custo de vida também. A média é por volta de 6 euros a hora trabalhada, mas pode chegar até 10 euros. Basicamente, um intercambista pode chegar a gastar 800 euros por mês em gastos com aluguel, contas, transporte e alimentação. Mais abaixo, teremos exemplos de intercambistas que mudaram da Irlanda para a Espanha e contaram a diferença do custo de vida.

Em qual cidade estudar?

Há uma quantidade enorme de cidades maravilhosas para se viver na Espanha. Algumas são grandes metrópoles, outras têm um ar mais provinciano. Por isso, vale o gosto das pessoas no tipo de localidade que mais agrada. As principais cidades escolhidas por intercambistas para estudar e viver são Barcelona, Madri, Valência, Granada, Salamanca, Málaga e Sevilha.

Barcelona

Barcelona é uma das cidades favoritas entre brasileiros para estudar e viver. Foto: Pxhere

Uma das principais — senão a principal — cidades turísticas da Espanha, Barcelona é impecável quando o assunto é turismo. Sua arquitetura é única e é impossível não se apaixonar ao visitar a Igreja Sagrada Família ou caminhar pelo bairro gótico. Além disso, Barcelona é uma cidade praiana com vistas maravilhosas. São 4,2 km de costa com o sol quente a maior parte do ano

Localizada na costa nordeste do Mediterrâneo da Espanha continental, Barcelona é a capital da Catalunha, uma região do norte da Espanha que tem sua própria cultura, tradições e personalidade. Por isso, o idioma é diferente, o catalão. Isso pode ser prejudicial para o intercambista que queira aprender o espanhol, que, apesar de parecido, tem uma estrutura diferente.

Mas a predominância da língua catalã faz parte da resistência cultural da tradição catalã em Barcelona. Poucas cidades europeias podem oferecer tal diversidade. Basta ver que grandes artistas escolheram Barcelona para criar seus ninhos culturais, como Picasso e Miró. São dezenas de museus e galerias de arte espalhados por toda a cidade.

Barcelona é o lar de obras-primas de muitos grandes arquitetos. O mais famoso é Antoni Gaudí. Uma de suas obras mais conhecidas é a basílica La Sagrada Família.

Na gastronomia, os frutos do mar que o Mediterrâneo oferecem estão por toda a parte. Além dos famosos tapas, oferecidos em bares e restaurantes.

Custo de vida em Barcelona

De acordo com o site Numbeo, que faz comparação de custos de vida entre países, uma pessoa sozinha deve gastar mensalmente cerca de 650 euros para viver em Barcelona, sem contar o aluguel. O custo de vida em Barcelona é 25,34% menor que em Dublin, capital irlandesa. Já na cidade espanhola é, em média, 50% menor que em Dublin.

Madri

Madri se assemelha a São Paulo como metrópole para se viver na Espanha. Foto: Pxhere

Madri é uma grande cidade. Apesar de não ter praia, como Barcelona, sua arquitetura e seu tamanho dão a ela o status de uma metrópole artística e rica. Suas galerias de arte apresentam obras de Picasso, Dalí e Miró, além de ela ser casa para grandes museus como Museu do Prado, o Reina Sofía e o Thyssen-Bornemisza.

A cidade também é uma das capitais culinárias da Europa. Nesse quesito, é possível encontrar toda a gastronomia espanhola, principalmente tapas, caminhando por suas ruas. Além disso, a culinária mundial está presentes em centenas de restaurantes. E, além dos locais para comer, a metrópole é rica em bares e pubs, fazendo de sua noite uma das mais agitadas de toda a Espanha.

Custo de vida em Madri

Segundo o Numbeo, o custo mensal individual em Madri é de 645 euros, sem contar o aluguel. Em comparação com Dublin, viver em Madri é 25% mais barato. Já o custo de moradia chega a ser 47% menor.

Valência

Cidade com extenso litoral e vida cultural interessante, Valência é opção mais tranquila para quem quer fazer intercâmbio na Espanha. Foto: Pxhere

Ao leste da Espanha, a região de Valência é muito rica, principalmente no quesito turismo. Com muitas praias ao redor da cidade principal de mesmo nome, ela é considerada capital da cultura e da ciência. A extensa costa leste de Valência é um paraíso, com sol sempre presente.

Valência é uma das maiores cidades da Espanha, mas tem um ar de cidade pequena. Tanto que é possível caminhar em vez de pegar transporte público para percorrer a cidade. O ciclismo também é muito praticado pelo clima agradável e a cidade plana.

No guia turístico, a Cidade das Artes e das Ciências é um dos pontos principais da cidade. O cartão-postal, digamos assim, por sua beleza monumental e os eventos que ocorrem por lá.

A cidade é o berço da paella. Por isso, é possível experimentar o prato espanhol nas mais diferentes variedades com um preço justo.

Custo de vida em Valência

Por ser fora do eixo Barcelona-Milão, Valência nos traz uma tabela de custo de vida um pouco mais baixa na Espanha. Individualmente, o custo é de pouco mais que 560 euros por mês, sem contar o aluguel. No geral, segundo o Numbeo, Valência é 34,64% mais barata que Dublin, com aluguel até 65,27% menor que a capital irlandesa.

Brasileiros na Espanha

Hoje, são mais de 100 mil brasileiros vivendo na Espanha, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística do país.

Embaixada da Espanha no Brasil

Existem 12 consulados espanhóis no Brasil, além da principal embaixada em Brasília, a capital. Os cidadãos brasileiros podem solicitar vistos espanhóis em qualquer um desses escritórios. Os candidatos podem enviar a documentação relevante na embaixada ou em qualquer consulado.

A isenção de visto ETIAS será introduzida em 2021. Para poder entrar na Espanha, os brasileiros precisarão obtê-los on-line, preenchendo o formulário de inscrição e pagando uma taxa.

Brasileiro conta experiência em mudar da Irlanda para a Espanha

Alessandro Fernandes trocou Dublin por Madri após ter terminado as renovações de visto na Irlanda. Foto: Acervo pessoal

O consultor de intercâmbio Alessandro Fernandes, de 39 anos, ficou dois anos estudando na Irlanda e não tinha mais possibilidade de renovação para aulas de inglês. Como não queria fazer uma faculdade ou mestrado, preferiu se aventurar em outro país, no caso, a Espanha. “Madrid, para mim, é muito parecida com São Paulo, e eu estava com saudade de São Paulo. Enxerguei uma oportunidade de morar na Europa vivendo com o mesmo ritmo que eu tinha na capital paulista”, disse.

Ele também citou o clima em Madrid como uma das principais diferenças com a Irlanda. “Eu nunca tinha experimentado uma temperatura tão alta como experimentei em Madri. Talvez no Rio de Janeiro, mas é diferente porque não tem praia. Então, é como se estivesse em São Paulo experimentando a temperatura do Rio de Janeiro. No verão, chegou a fazer 41°C”, ressaltou. Entre os pontos positivos de tanto calor estão as piscinas públicas. “São incríveis e muito baratas e acessíveis para todo mundo. Enfim, uma infinidade de coisas que eu não tinha aproveitado na Irlanda, e ainda continuaria na Europa”, ressaltou.

“Na Espanha, o dia sempre tem sol, o que é diferente da Irlanda, com aqueles dias sempre cinzas e mais curtos.”

A moradia é outra questão que atraiu Alessandro. Ele alugou um apartamento pequeno, morando sozinho, mas que era o preço do aluguel de apenas um quarto em Dublin. “Eu morava no centro, a 10 minutos do Marco Central da cidade. Fazia tudo a pé”, disse.

Alessandro indica a Espanha para pessoas que não se adaptaram ao clima da Irlanda e com o ritmo da cidade. “Na Espanha, faz frio no inverno, que é tão rigoroso como da Irlanda. Mas o dia sempre tem sol, o que é diferente da Irlanda, com aqueles dias sempre cinzas e mais curtos”, disse.

No ponto negativo, Alessandro fala sobre economia. “A Espanha sofreu muito com a crise de 2008, a crise da Europa, e ainda está se recuperando. A taxa de desemprego é por volta de 10 a 12%, dependendo da parte da Espanha, mas não falta emprego para aquelas áreas nas quais os estudantes trabalham. Como é um país que recebe muitos turistas, eles demandam muita mão de obra para restaurantes e hotéis, na parte de entretenimento.”

Outra comparação com a Irlanda é que a Espanha não é uma ilha, ou seja, há um acesso mais fácil a outros países. “É possível viajar de forma muito barata, até mesmo de ônibus ou de trem.”

Youtuber que mudou para a Espanha quer voltar para a Irlanda

Apaixonado por Dublin, Lucas Marques — também conhecido como “Pobre na Irlanda”, nome do seu canal na internet — precisou optar por uma saída quando a possibilidade de permanecer na ilha como estudante de idiomas acabou. Como a única opção seria fazer um curso universitário, o que não estava nos planos de Lucas, a saída para permanecer morando na Europa foi mudar para a Espanha, em Madri, onde iniciou um curso de espanhol.

“Vendo a oportunidade na Espanha em conseguir residência (depois de três anos) e cidadania (depois de cinco anos), isso me encheu os olhos. Pensei em vencer no país e depois me mudar para onde eu quisesse na Europa”, disse Lucas, explicando seus planos.

A mudança, no entanto, não foi fácil. “A diferença é gritante”, comenta. Para ele, o clima é bem diferente, com céu limpo, tempo quente e inverno ameno. “Você consegue sentir o sol”, explica, dizendo esse ser um dos pontos positivos.

“Morando em Madri, descobri que sou mais apaixonado por Dublin do que eu já era.”

Entre os pontos negativos, ele diz que o país é “muito burocrático e demorado”. “A cidade é muito grande, usa-se metrô para tudo. Para se ter noção, minha escola fica a uma hora de metrô da minha casa, tenho que fazer quatro baldeações”, afirma. Outra diferença para ele está no salário, que é mais baixo, mas condiz com o custo de vida.

Sobre o salário para estudante, trabalhando 20 horas semanais, ele afirma que a média é de 500 euros mensais. “Em relação ao aluguel, por exemplo, eu pago 270 euros mensais em um quarto single”, diz. Comparando, por exemplo, um quarto em Dublin ultrapassa os 500 euros, mas com média salarial para estudantes de 800 euros mensais.

A experiência de Lucas na Espanha não o agradou. “Morando em Madri, descobri que sou mais apaixonado por Dublin do que eu já era”, disse, ressaltando que, na Irlanda, o salário é bom, além de haver a língua inglesa e a oportunidade de viajar, que é mais fácil pela localização.

Veja também

Quanto custa e como pagar por um intercâmbio

Rubinho Vitti
Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar