Quanto custa e como pagar por um intercâmbio
30 minutos de leitura

Quanto custa e como pagar por um intercâmbio

Rael Pimenta

2 semanas atrás

Quanto custa um intercâmbio?

Não vendemos pacotes e nem somos agência,
mas podemos te colocar em contato com elas.

Iniciar os preparativos para o sonho de embarcar em um intercâmbio na Irlanda começa pela pergunta básica: será que eu vou ter dinheiro para para pagar o intercâmbio?

Será que eu vou ter dinheiro para para pagar o intercâmbio?© Fantasista | Dreamstime.com

Será que eu vou ter dinheiro para para pagar o intercâmbio?© Fantasista | Dreamstime.com

Vivendo no Brasil é muito difícil saber quanto será preciso para pagar, além do pacote com curso de inglês, taxas e exigências governamentais, custos com saúde, alimentação e até a balada. Ter tudo isso na ponta do lápis pode ser determinante para escolher o destino certo para estudar.

Na Irlanda, – além da capital Dublin – Galway, Cork, Limerick, entre outras cidades são opções populares entre os brasileiros . É possível também se deixar encantar por outros países da Europa e até mesmo fora dela. Afinal, não há limites para o seu sonho de intercâmbio.

Destino decidido e orçamento pré-estabelecido, agora é preciso se planejar para guardar o dinheiro necessário que vai lhe sustentar até conseguir um emprego fora do país. Pode não ser fácil, mas não é impossível. Veja as nossas dicas:

Quanto tempo precisarei economizar para concretizar o sonho do intercâmbio?

O tempo para economizar para um intercâmbio é muito relativo. Essa conta deve ser feita a partir do montante de dinheiro que o pré-intercambista já possui e o tempo que levará para ele conseguir o restante.

Planejamento financeiro é muito importante para tornar o intercâmbio uma realidade: Fonte: Dreamstime

Planejamento financeiro é muito importante para tornar o intercâmbio uma realidade: Fonte: Dreamstime

O importante é planejar e propor uma meta a curto, médio e longo prazo. Isso pode ser feito por meio de uma tabela onde estão descritos a quantia de dinheiro possível de economizar por mês, a meta e o tempo escolhido para conquistá-la. Existem, inclusive, diversos aplicativos para smartphones justamente com essa finalidade.

Não adianta largar o emprego e seguir para um intercâmbio com impulsividade. É preciso saber que o intercâmbio é uma mudança brusca na vida e ter dinheiro é imprescindível nesse momento.

Cada um planeja de maneira diferente. O estudante Lucas, por exemplo, contou neste vídeo que precisou fazer trabalhos extras para conseguir juntar o montante necessário para estudar na Irlanda.

Quanto preciso hoje para fazer um intercâmbio na Irlanda?

Não dá para começar a planejar sem se ter uma ideia de valores concretos! Afinal, tendo a Irlanda como exemplo, qual seria o investimento necessário para 8 meses de intercâmbio?

Fazer intercâmbio na Irlanda por 8 meses custa em torno de R$ 15 mil. © Diana Ivanova | Dreamstime.com

Fazer intercâmbio na Irlanda por 8 meses custa em torno de R$ 15 mil. © Diana Ivanova | Dreamstime.com

A Irlanda é o terceiro país mais procurado pelos brasileiros para se fazer um intercâmbio. Um dos motivos é o custo-benefício. O  pacote de 6 meses de curso de inglês, mais dois meses de férias, custa em torno de R$ 15 mil, incluindo 20 horas semanais de aula e duas semanas de hospedagem. Porém, o estudante ainda terá que arcar com outros gastos como documentação, passagem aérea, custo de seguro saúde, além de 3 mil euros necessários na comprovação da imigração. Vale também acrescentar uns 500 euros a mais para adversidades que podem acontecer no primeiro mês no país.

Isso gera em torno de R$30 mil, mas depende muito da cotação do euro, época escolhida para viajar, qualidade da escola e escolha de agência. É interessante descobrir com quem já experimentou a vida de intercambista para saber se vale mesmo à pena.

Qual intercâmbio cabe no seu bolso?

O sonho do intercâmbio pode ser para qualquer país. Quer dizer, o país que cabe no seu bolso. Avaliar o montante necessário para estudar e também o lugar sonhado é uma balança essencial para que tudo flua bem e o destino não seja um peso grande no bolso e, no fim, uma decepção.

Quanto custa estudar na Irlanda.© Sezer Ozger | Dreamstime.com

Quanto custa estudar na Irlanda.© Sezer Ozger | Dreamstime.com

Sendo assim, é preciso escolher períodos de tempo que deseja estudar: 1 mês, três meses, oito meses? Quais as vantagens e desvantagens de cada um?

1 mês de intercâmbio

Um mês de intercâmbio de é perfeito para os que tem pouco tempo.© Candybox Images | Dreamstime.com

Um mês de intercâmbio de é perfeito para os que tem pouco tempo.© Candybox Images | Dreamstime.com

  • Opção se enquadra bem para aqueles com uma vida muito ocupada
  • Perfeito para quem quer aproveitar as férias para o intercâmbio
  • Nível de inglês relativamente bom é recomendável
  • Perfeito para quem quer conhecer novas culturas, aproveitar para praticar o idioma e interagir mais efetivamente com os locais

3 meses de intercâmbio

Três meses de intercâmbio garante um melhor rendimento.© Sasha Gritsiv | Dreamstime.com

Três meses de intercâmbio garante um melhor rendimento.© Sasha Gritsiv | Dreamstime.com

  • Garante um rendimento melhor sem desespero e com mais flexibilidade
  • Dá para considerar programas com atividades extras
  • Bom para aqueles que querem aprimorar o inglês com o intuito de ampliar as oportunidades
  • Muitos profissionais conseguem negociar com o chefe a ausência de 90 dias investindo num curso de línguas + alguma atividade ligada à sua área de atuação

Acima de 6 meses

Intercâmbio de 8 meses é um dos mais populares na Irlanda.© Ammentorp | Dreamstime.com

Intercâmbio de 8 meses é um dos mais populares na Irlanda.© Ammentorp | Dreamstime.com

  • Mais efetivo, por conta da grande vantagem do tempo
  • Indicado para todos os tipos de necessidades – desde quem tem o inglês muito básico àqueles que estão à procura de um aprimoramento em níveis mais avançados do idioma
  • Mais oportunidades de usufruir o aprendizado sem grande correria
  • Diferença de preços entre um programa de período menor e um de um ano não é grande
  • Intercâmbio de 8 meses é um dos mais populares na Irlanda
  • Tempo suficiente para a maioria das pessoas se sentir um local, além de aprender a língua
  • Aprendizado mais profundo

13 Estratégias para juntar dinheiro a curto prazo

São diversas estratégicas para juntar dinheiro.© Anyaberkut | Dreamstime.com

São diversas estratégicas para juntar dinheiro.© Anyaberkut | Dreamstime.com

  1. Rescisão contratual de anos de trabalho
  2. Venda de bens como carro ou apartamento
  3. Faça um mega bazar com coisas que você não usa, como móveis, roupas e aparelhos eletrônicos
  4. Investir em um fundo de investimento a longo prazo
  5. Usar economias para o investimento educacional
  6. Seguir rigorosamente seus gastos essenciais
  7. Aproveitar o lazer gratuito, como parques e shows ao ar livre
  8. Pesquisar sempre para comprar o necessário mais barato
  9. Transporte alternativo, como carros compartilhados e bicicleta
  10. Vida mais simples, deixe as coisas caras para depois
  11. Evite parcelamentos
  12. Estabeleça montantes de economia diários, mensais, semestrais
  13. Tente fazer um ganho extra

Vale a pena pegar empréstimo para fazer intercâmbio?

Algumas pessoas consideram apostar em um empréstimo para pagar o intercâmbio. Essa é uma boa ideia? Bom, no final essa decisão é sempre muito subjetiva, porém, é preciso cautela e muito estudo financeiro para saber se será possível pagar. Com juros muito altos nos bancos, o pagamento do empréstimo acaba saindo até quatro vezes mais do que o montante emprestado.
O empréstimo nem sempre é uma boa escolha devido os juros altos.© Igor Stevanovic | Dreamstime.com

O empréstimo nem sempre é uma boa escolha devido os juros altos.© Igor Stevanovic | Dreamstime.com

O estudante pode até pensar que pagará as parcelas com o trabalho durante o intercâmbio, mas, na maioria das vezes, com poucas horas semanais permitidas para o trabalho do intercambista, o salário só é suficiente para ele se manter vivendo no exterior. Se sobrar, é pouco, então é preciso pesar os pós e contras de um empréstimo grande!

Se o seu destino é a Irlanda, por exemplo, dificilmente você conseguirá pagar o empréstimo! Explicamos:

Um estudante brasileiro consegue trabalhar 20 horas semanais na Irlanda e, sendo assim, ganha menos de 800 euros em um mês de trabalho, que é a média de gastos com moradia, transporte, alimentação, entre outros itens básicos.

O salário mínimo na Irlanda, para quem recebe por hora trabalhada, é de €9,55/hora. O site E-Dublin pegou depoimentos de quem vive com esse salário. Thiago Dutra fez um levantamento dos gastos fixos que tem: €337,50 de aluguel, €25 por mês de energia (uma média que pode variar), €11 de Internet, €100 de supermercado e cerca de €80 em transporte. O total é de €553,50 só de contas fixas. “Ou seja, €147 restam para sair, viajar e demais despesas que possam surgir, tendo em vista que beber por aqui não é nada barato”.

Para Gabriel Inácio, é possível viver com essa verba, mas ele conta que o salário é só para o sustento dele na Irlanda. “Como trabalho aos finais de semana, eu já não saio mais como costumava sair antes, fato que fez meus gastos caírem consideravelmente. Meu aluguel é de € 375 por mês, mais € 8 de Internet e aproximadamente € 50 de luz a cada dois meses. Pago um aluguel caro, mas esse é o preço para viver em um lugar confortável e bem localizado.

Quais são as exigênciass em outros países?

Como já descrito aqui, o montante economizado para o intercâmbio é o principal para conseguir pensar em estudar fora do país. Assim, escolher o destino vai depender de quanto dinheiro foi possível guardar.

A lista de documentos é este extensa para fazer intercâmbio.© Ammentorp | Dreamstime.com

A lista de documentos é este extensa para fazer intercâmbio.© Ammentorp | Dreamstime.com

Entender como funciona a vida financeira de um intercambista no exterior depende de uma série de fatores como distância, valor da moeda local, custo de vida e valor dos cursos nas escolas de inglês, entre outros.

Um item essencial é saber se o país permite que o estudante trabalhe pelo menos algumas horas por semana. Isso é fundamental para conseguir se manter no país com um salário a mais do que foi economizado para usar no intercâmbio. Essa permissão vai depender, em cada país, o período de tempo de permanência e a quantidade de horas semanais de estudo. Também é possível trabalhar mais horas durante as férias escolares.

Canadá

Canadá é uma boa escolha para o intercâmbio.© Elena Elisseeva | Dreamstime.com

Canadá é uma boa escolha para o intercâmbio.© Elena Elisseeva | Dreamstime.com

O Canadá é uma opção que também cabe melhor no bolso. É que lá os estudos custam uma média de R$ 6 mil por quatro semanas e o dólar canadense é cotado em valor bem mais baixo que o americano e o euro, a R$ 3,17. Além disso, é possível trabalhar 20 horas semanais. A comprovação financeira exigida pelo governo é de 1.421 dólares canadenses por mês (R$ 4,5 mil).

Já um terceiro público possível de brasileiros é aquele que também já possui inglês e é profissional em uma das áreas que o país busca para dar visto de trabalho e até mesmo vistos permanentes para quem permanece no país. São mais de 300 profissões elegíveis para ter o visto de trabalho, que exige o inglês fluente, mas se ainda tiver o francês as chances são maiores.

Estados Unidos

O intercâmbio nos Estados Unidos é mais voltado para os adolescente que estão terminando os estudos.© Byelikova | Dreamstime.com

O intercâmbio nos Estados Unidos é mais voltado para os adolescente que estão terminando os estudos.© Byelikova | Dreamstime.com

O país é  mais voltado para estudantes de ensino médio. Segundo o site da agência de intercâmbios CI, existem oportunidades para escolas públicas e particulares e os pacotes são vendidos por semestre, que custa uma média de R$ 27 mil. Jovens de 15 a 18 anos podem estudar nos Estados Unidos e viver em casa de família ou residência estudantil. A exigência também é ter o inglês intermediário. Lembrando que os Estados Unidos têm difícil acesso a vistos.

Reino Unido

O Reino Unido é cada vez mais destinos dos brasileiros.© Erix2005 | Dreamstime.com

O Reino Unido é cada vez mais destinos dos brasileiros.© Erix2005 | Dreamstime.com

A terra da Rainha tem chamado cada vez mais a atenção como destinos de intercâmbio, principalmente para aprender inglês. São mais de 60 mil brasileiros vivendo no Reino Unido de acordo com o censo local.

Entre as cidades inovadoras do passado e presente, Londres é multicultural, sempre alinhada com as questões globais. Londres é uma das cidades mais procuradas pelos brasileiros para se viver. Sua veia cosmopolita e culturalmente ativa atrai intercambistas de todos os tipos. A cidade funciona 24 horas por dia e tem uma abertura enorme tanto na área de educação como turística. São mais de 30 mil brasileiros vivendo na capital inglesa.
Média do custo de vida em Londres: 800 euros mensais por pessoa.

Austrália

A Austrália é um destino bastante procurado devido o dólar australiano ser mais barato.© Boggy | Dreamstime.com

A Austrália é um destino bastante procurado devido o dólar australiano ser mais barato.© Boggy | Dreamstime.com

O custo de vida na Austrália não difere muito de outros países conhecidos pelo turismo, mas, com o dólar australiano sendo bem mais em conta que o euro e o dólar americano, o estudante brasileiro pode economizar bastante.
Segundo o site Austrália Brasil, que atua há 20 anos no mercado de intercâmbio, um estudante brasileiro vai gastar, em média, 250 dólares australianos (cerca de R$ 675 por semana ou R$ 2.700 ao mês) vivendo naquele país, entre moradia, transporte, alimentação, comunicação e outros custos. Não é à toa que quem está por lá parece não querer ir embora tão cedo.

Quanto eu preciso levar em dinheiro para o intercâmbio?

Na Irlanda, o governo estabelece 500 euros mensais para os estudantes que desembarcam no país. Para o pacote de 8 meses, o valor que deve ser apresentado em conta bancária, ou por meio de bank draft é 3 mil euros. Mas, quanto é o valor exigido mensalmente em outros países?

Veja o destino de seu intercâmbio, para saber qual valor precisa levar.© Barat Roland | Dreamstime.com

Veja o destino de seu intercâmbio, para saber qual valor precisa levar.© Barat Roland | Dreamstime.com

Irlanda – 500 euros/mês
Malta – 1.440 euros/mês
Austrália – 1.700 dólares australianos/mês
Nova Zelândia – 1.250 dólares neozelandeses/mês
África do Sul – 800 rands/mês
Canadá – 1.421 dólares canadenses/mês

12 formas práticas de economizar a longo prazo

Entre as dicas está se manter longe de gastos desnecessários como festas e viagens aos fins de semana e feriados, compras e excessivas de roupas e futilidades. É possível também juntar dinheiro com trabalhos extras, vaquinhas coletivas, ajuda da família, seja o que for, para conseguir o montante necessário.

As palavras de ordem são: planejamento e foco. E isso pode significar cortar os gastos na raiz, restringindo compras e fazendo uma poupança forçada. Ou seja, “fechar para balanço”. Esse tempo vai depender do investimento que você está disposto a fazer a curto, médio ou longo prazo.

  1. Compre apenas o que for realmente necessário
  2. Invista o 13 salário no intercâmbio
  3. Reduza os eventos sociais
  4. Aposte em um Pig Bank
  5. Consiga uma renda extra
  6. Não compre por impulso
  7. Limite as baladas de fim de semana
  8. Prefira praticar atividades gratuitas
  9. Diminua a ida aos restaurantes
  10. Procure serviços mais baratos (cabeleireiro, manicure, massagista)
  11. Pesquise sempre antes de fechar negócio
  12. Junte o que não usa mais e anuncie em sites de venda coletiva.

Juntar dinheiro em real ou comprar euros?

Em algum momento durante o pré-intercâmbio você vai precisar comprar a moeda local. E trocar dinheiro nacional por estrangeiro, na maioria das vezes é perder dinheiro. O valor da cotação, o imposto (IOF) e outros fatores são responsáveis pelo custo ainda maior de moedas como dólar e euro.

Juntar dinheiro na moeda estrangeira ou em Reais? © Elnur | Dreamstime.com

Juntar dinheiro na moeda estrangeira ou em Reais? © Elnur | Dreamstime.com

Muitos estudantes preferem juntar o montante necessário e depois trocar pela moeda. Porém, isso pode fazer você perder dinheiro, isso porque a cotação pode justamente estar mais alta quando você decidir que é o momento da troca.

Uma das formas de tentar amenizar o custo de uma moeda estrangeira é ficar atento às cotações, como um bom intercambista. Assim é possível comprar quando o real se valoriza ou quando a moeda necessária se desvaloriza.

Entender esse mecanismo econômico e ficar por dentro das operações, sabendo quando as oscilações acontecem, ajuda ainda mais o intercambista a valorizar seu dinheiro duramente economizado.

Tendo o dinheiro em reais em mãos, basta ligar todos os dias para as casas de câmbio (todas da sua cidade) e cotar em qual delas o euro está mais barato. Outra opção é usar sites de comparação de cotação.

Quais os custos com burocracias?

Antes de embarcar para o intercâmbio é preciso gastar com documentos e exigências necessárias para viajar. O primeiro deles é o passaporte. Para sair do país, todo mundo precisa de um. Ele vale por dez anos para maiores de 18 anos e só pode ser tirado por pessoas que não possuem problemas com a justiça. No Brasil, o custo do passaporte é de R$ 257,25 e leva cerca de uma semana para ficar pronto.

Para fazer o intercâmbio é preciso gastar com vários documentos.© Filipe Frazao | Dreamstime.com

Para fazer o intercâmbio é preciso gastar com vários documentos.© Filipe Frazao | Dreamstime.com

Documentos para o passaporte:

  • Estar quite com a Justiça Eleitoral
  • Título de Eleitor e comprovante de votação
  • No caso dos homens, deve ter ainda a comprovação de quitação do serviço militar obrigatório
  • Documento de identidade (RG)
  • CPF
  • Menores de idade precisam de autorização dos pais por escrito para viajar

Documentos não obrigatórios, mas necessários

Procuração

Outro gasto possível com documentação é com uma procuração.© Ilia Burdun | Dreamstime.com

Outro gasto possível com documentação é com uma procuração.© Ilia Burdun | Dreamstime.com

Outro gasto possível com documentação é com uma procuração. Muitas pessoas preferem deixar um companheiro ou parente responsável por sua vida no Brasil. Ou seja, deixa uma procuração, onde essa pessoa irá representá-lo em caso de algum tipo de problema em lugares como bancos, prefeituras e até mesmo com a Justiça. A pessoa que fica com a procuração tem poderes estabelecidos esclarecidos no documento. Para fazer, é preciso redigir o texto em cartório e o custo é de R$ 219,53.

Vacinas

Tem países, como a África do Sul, que exigem vacinas.© Todsaporn Bunmuen | Dreamstime.com

Tem países, como a África do Sul, que exigem vacinas.© Todsaporn Bunmuen | Dreamstime.com

Existem países, como a África do Sul, por exemplo, em que é preciso tomar vacina antes de viajar. Vacinas para hepatite, febre amarela, raiva, febre tifóide, meningite e poliomielite são as mais comuns. Você pode conferir a lista de países no site da Anvisa. Elas têm periodicidade e valores distintos, dependendo onde você escolher aplicá-las. A Irlanda não exige vacinas para quem vem do Brasil.

Custo médio de intercâmbio na Irlanda:

Custo médio de intercâmbio na Irlanda.© Conejota | Dreamstime.com

Custo médio de intercâmbio na Irlanda.© Conejota | Dreamstime.com

Passagem aérea: de R$ 2.500 a R$ 3.200
Pacote em agências (8 meses): R$ 15 mil
Comprovação de renda (8 meses): 3 mil euros (R$ 14,4 mil)
Seguro saúde: 500 euros (R$ 2.400)
Passaporte: R$ 257,25
Procuração: R$ 219,53

Custo de vida em Dublin

O custo de vida na Irlanda vai depender muito do local que você escolher para viver. A capital Dublin é o destino mais comum entre as centenas de brasileiros que moram no país atualmente e também o mais caro.

Você sabe quanto custa morar em Dublin? © Laurentiu Iordache | Dreamstime.com

Você sabe quanto custa morar em Dublin? © Laurentiu Iordache | Dreamstime.com

O custo de vida na Irlanda vai depender muito do local que você escolher para viver. A capital Dublin é o destino mais comum entre as centenas de brasileiros que moram no país atualmente e também o mais caro.

Vantagens de morar em Dublin

  • Entretenimento todos os dias
  • Facilidade em encontrar tudo o que precisa
  • Facilidade para viajar partindo do Aeroporto Internacional de Dublin
  • Mais oportunidades de emprego
  • Quantidade de diversas lojas diferentes para todos os gostos
  • Cidade cosmopolita
  • Facilidade em conhecer pessoas

Desvantagens de morar em Dublin

Desvantagens de morar em Dublin.© Michael Mantke | Dreamstime.com

Desvantagens de morar em Dublin.© Michael Mantke | Dreamstime.com

  • Crise imobiliária, dificuldade em encontrar moradia
  • Valor alto de aluguel
  • Competitividade em vagas de emprego
  • Custo de vida alto
  • Cidade mais perigosa e com nível mais elevado de assalto e violência

As contas não são muitas, mas existe uma média de gastos mensais básicos. Para se ter uma ideia, o custo de vida em Dublin é em média 50% mais caro que a capital São Paulo, com destaque para o transporte (84%), moradia (68%) e alimentação (48%).

Comparação entre Dublin e outras cidades da Irlanda (em porcentagem de gastos):

  • Cork: 20% mais barato
  • Limerick: 30% mais barato
  • Galway: 22% mais barato
  • Belfast: 40% mais barato

Moradia: Quanto custa um aluguel na Irlanda?

A moradia compartilhada, chega a custar 300 euros mensais.© Delstudio | Dreamstime.com

A moradia compartilhada, chega a custar 300 euros mensais.© Delstudio | Dreamstime.com

Uma moradia compartilhada, um pouco mais longe do centro, chega a custar 300 euros mensais mais as contas, que podem variar entre 30 e 40 euros, calculando energia elétrica e internet, por exemplo (com variações para mais ou para menos, dependendo de muitos fatores).

O valor também depende da quantidade de pessoas morando na mesma casa e dividindo um mesmo quarto. Um quarto individual (single) barato é muito difícil de encontrar, principalmente em áreas centrais. Ele pode custar entre 500 e 600 euros mensais. Já estúdios com sala e cozinha conjugadas para duas pessoas, por exemplo, pode chegar a 800 euros por mês cada.

Tem quem prefira passar todo o período do intercâmbio em casas de família. São famílias irlandesas ou de outras nacionalidades que vivem aqui. Elas disponibilizam um quarto para o intercambista, que vive na rotina da casa. Esse tipo de acomodação custa por volta de 200 euros por semana.

Valor de moradia em Dublin

Quarto compartilhado: 300 euros/mês

Quarto single: 500 euros/mês

Quarto double: 800/mês

Casa de família: 800 euros/mês

Alimentação: Quanto você vai gastar por mês?

Quanto custa a cesta básica em Dublin, Irlanda?© Eldar Nurkovic | Dreamstime.com

Quanto custa a cesta básica em Dublin, Irlanda? © Eldar Nurkovic | Dreamstime.com

Comer fora em Dublin não é tão barato . É possível, no entanto, encontrar bons restaurantes por até 10 euros (entrada mais prato principal). Redes de fast-food também têm promoções especiais, inclusive com opções para estudantes.

A compra mensal tem uma variável grande de preços, dependendo das marcas escolhidas e a quantidade necessária, mas a média é de 30 euros semanais. A dica é fazer compras semanais já que a maioria dos estudantes não tem muito espaço em casa para guardar mantimentos. Entre os mercados favoritos estão as redes Tesco, Aldi, Lidl e Polonez.

O custo básico dos itens varia em uma média dos valores abaixo:

Pão de forma: 2 euros
Ovos (12 unidades): 3 euros
Leite: 0,75 euro
Arroz: 1,50 euro
Feijão em lata: 0,75 euro
Manteiga: 0,50 euro
Margarina: 1,5 euro
Frango: 6 euros (kg)
Legumes: 1 euro (variados e congelados)
Suco: 2 euros (litro)
Macarrão: 2 euros
Molho de tomate: 0,75 euro

Transporte público é eficiente, mas caro, em Dublin

Transporte em Dublin é eficiente, mas pode pesar no bolso. © Fr3ank33 | Dreamstime.com

Transporte em Dublin é eficiente, mas pode pesar no bolso. © Fr3ank33 | Dreamstime.com

Geralmente, percorrer as ruas de Dublin não é um bicho de sete cabeças em trajetos a pé, mas dependendo do local do estudo, trabalho e moradia, será necessário gastar com transporte público.

Não é barato andar de ônibus (Dublin Bus) ou trens (Luas e Dart), mas existem pacotes semanais e mensais que são mais econômicos, ainda mais para estudantes. A cobrança é calculada por regiões percorridas da cidade, no caso do Luas, e de até outras cidades, com o Dart, além da quantidade de paradas ultrapassadas pelo Dublin Bus.

Outra opção, para trajetos médios, é utilizar o serviço Dublin Bikes, bem mais barata e bem comum entre estudantes e moradores. Seguindo algumas dicas, é possível pedalar com segurança por toda a cidade.

Os táxis não costumam ser tão caros em Dublin, mas depende de fatores como número de passageiros e tempo de espera. Na média, a tarifa de início custa 4 euros e são cobrados mais 1,14 euros por quilômetro rodado, além de 24 euros a hora o veículo parado. Uma viagem de 5km, por exemplo, custa em média 10 euros.

Preços do transporte público em Dublin:

Dublin Bus: 1,50 a 3,30 euros (ou 116 a 130 mensais)
Luas: 1,44 a 3,30 euros (ou 75 a 102 mensais)
Dart: 1,81 a 6 (ou 7 euros por dia ou 27 euros por semana para estudantes)
Dublin Bikes: 25 euros (por ano)

Entretenimento:

Dublin é uma cidade efervescente que respira arte. © Daniel M. Cisilino | Dreamstime.com

Dublin é uma cidade efervescente que respira arte. © Daniel M. Cisilino | Dreamstime.com

Dublin é uma cidade efervescente que respira arte, cultura e badalação. Ela é reconhecida como a cidade dos pubs onde existem atualmente 773, cerca de um a cada 1,7 mil habitantes. A má notícia é que não é tão barato se divertir em Dublin. O preço da pint (copo com 500 ml de cerveja), custa entre 5,50 a 7 euros, dependendo do lugar escolhido para beber. Os drinks ficam na faixa dos 10 euros.

Os grandes espetáculos em turnê pelo mundo passam pela capital irlandesa. Sendo assim, diversão é o que não falta. Os preços não são muito atrativos. Grandes shows em estádios como o Aviva e Croke Park têm valores de ingressos a partir de 70 a 80 euros. Musicais e peças teatrais podem ser vistas por cerca de 30 euros. Já pequenos shows em casas menores custam por volta de 15 a 20 euros o ingresso. Festivais de música também têm valores variados, na casa dos 80 euros por dia de evento em primeiro lote.

Há ainda muitos museus e galerias na cidade que são gratuitos, como Museu Nacional da Irlanda (que inclui Museu da História Natural, Arqueologia e Galeria Nacional), Museu de Arte Moderna e o Dublin City Gallery. Parques como Phoenix Park, Stephen’s Green e o Jardim Botânico também não cobram entrada.

Viagens locais

Há ônibus disponíveis para as principais cidades dos 32 condados da Irlanda.© Per Boge | Dreamstime.com

Há ônibus disponíveis para as principais cidades dos 32 condados da Irlanda.© Per Boge | Dreamstime.com

Dublin se situa em um ponto estratégico da ilha onde é possível viajar em pouco tempo para qualquer cidade irlandesa. Em menos de cinco horas, por exemplo, você pode ir até o extremo norte ou extremo sul. Em três horas você atravessa o país na ponta oeste da ilha.

Há ônibus disponíveis para as principais cidades dos 32 condados da Irlanda. Há também excursões por toda a Irlanda, saindo principalmente das escolas de inglês e agências de viagens espalhadas pela capital. Elas custam entre 25 e 50 euros, dependendo da distância e da duração do passeio. Os trens são outra opção, já que as ferrovias têm importância para o transporte irlandês.

Outra possibilidade é o aluguel de carro. Os brasileiros podem dirigir na Irlanda com a carteira de motorista do Brasil e o custo de um carro por dia é em torno de 40 euros mais despesas com seguro e combustível.

Viagens internacionais:

Voos baratos saindo de Dublin para países vizinhos.© Iuliia Lisitsyna | Dreamstime.com

Voos baratos saindo de Dublin para países vizinhos.© Iuliia Lisitsyna | Dreamstime.com

Dublin também é perfeita para viagens internacionais. Elas podem custar menos de 100 euros saindo do aeroporto internacional até destinos como Paris, Londres, Madrid, Barcelona, Roma, entre outras famosas cidades europeias. Os voos tradicionalmente mais baratos são os chamados “low cost” em companhias como a irlandesa Ryanair.

Morar no interior da Irlanda pode tornar seu intercâmbio mais barato

Vida mais pacata, tranquila e envolvendo mais a cultura e o dia a dia irlandês. Muitas vezes, o motivo de morar no interior da Irlanda é mesmo o dinheiro, já que é bem mais barato que a capital, mas existem outros, como a segurança, número menor de estrangeiros e menos brasileiros em salas de aula. Por isso, estudantes brasileiros também optam por viver no interior da ilha. Fora de Dublin, os principais destinos para intercambistas é Galway, Cork e Limerick.

Cork

O aluguel em Cork é 35% mais barato que em Dublin.© Madrugadaverde | Dreamstime.com

O aluguel em Cork é 35% mais barato que em Dublin.© Madrugadaverde | Dreamstime.com

Em Cork, por exemplo, no sul do país, é a terceira maior cidade da Irlanda e a segunda mais populosa. O aluguel lá é 35% mais barato que na capital. As contas da casa também são 7% mais baratas. Também são mais baixos os custos com supermercado (-10%) e transporte (-18%).

Galway

A efervescência cultura de Galway faz as pessoas escolherem a cidade para morar.© Helioscribe | Dreamstime.com

A efervescência cultura de Galway faz as pessoas escolherem a cidade para morar.© Helioscribe | Dreamstime.com

Galway também é uma ótima opção de cidade na Irlanda e são muitos os motivos para se viver lá, com efervescência cultural única no país. Mas quanto custa viver em Galway? A cidade, de 80 mil habitantes, quarta mais populosa, fica a oeste da ilha e oferece aluguel até 43% mais barato. Custos com alimentação, por lá, também são mais em conta em supermercados (-10%) e restaurantes (-14%).

Limerick

Limerick está na lista de uma das melhores cidades do interior irlandês para se viver.© Bratty1206 | Dreamstime.com

Limerick está na lista de uma das melhores cidades do interior irlandês para se viver.© Bratty1206 | Dreamstime.com

Assim como Cork e Galway, a cidade de Limerick também pode ser colocada na lista de uma das melhores do interior irlandês para se viver. Os preços para consumidores chegam a ser 10% menores que em Dublin, assim como o aluguel, que cai para a metade do valor na capital. A cidade fica no sul da ilha e é a terceira mais populosa, com quase 100 mil habitantes.

Como comprar euros para levar para a Irlanda?

Como já citamos, uma das preocupações recorrentes dos pré-intercambistas é como levar euro para seu intercâmbio. Os 500 euros mensais (ou 3 mil euros para pacotes de oito meses de intercâmbio) exigidos pela imigração como comprovação financeira podem ser levados de diversas formas. Esse valor é para garantir que um estudante não vai ficar sem dinheiro até arrumar um trabalho. É uma segurança exigida pelo governo, já que não há garantias de emprego, apesar da grande oferta.

Onde comprar euro para levar para o intercâmbio? © Sergey8736 | Dreamstime.com

Onde comprar euro para levar para o intercâmbio? © Sergey8736 | Dreamstime.com

Para levar esses euros, as formas mais comuns são em dinheiro vivo, travel money ou depósito em conta bancária. Existem valores e impostos diferentes para cada uma das formas. Levar em “cash” é mais barato, mas por outro lado pode ser mais perigoso e fácil de perder. O travel money pode ser um bom negócio como segunda opção, por exemplo.

Também é possível a transferência. Assim como você pode mandar euros em contas no Brasil, você consegue comprar euros, mas isso se você já tiver uma conta na Irlanda ou conhecer alguém que tenha.

Outros países em que o intercâmbio pode ser mais barato

Como explorado no início deste texto, o destino de intercâmbio precisa ser compatível com as economias financeiras do intercambista. Alguns países têm custo de vida mais baixo e estão sendo mais procurados pelos brasileiros na hora de fechar negócio.

Malta

O arquipélago tem sido reduto para brasileiros que querem estudar inglês.© Mirko Vitali | Dreamstime.com

O arquipélago tem sido reduto para brasileiros que querem estudar inglês.© Mirko Vitali | Dreamstime.com

O arquipélago tem sido reduto para brasileiros que querem estudar inglês, mas que seja mais barato. Ele ocupa a segunda colocação no ranking de países bons para estrangeiros.

O custo de um pacote de intercâmbio é em média 15 mil euros. O governo de Malta também exige que o estudante tenha um montante relativo a 48 euros por dia de intercâmbio caso não tenha pago a moradia ou 25 euros diários se comprovar que sua estadia está paga até o fim do curso.

Morar na cidade custa em média 400 euros para o aluguel de um quarto. Já um almoço básico sai por 12 euros. A má notícia é que o salário também é mais baixo. O mínimo é cerca de 747,50 euros para 40 horas semanais. Mas estudantes têm permissão de apenas 20 horas, o que acaba sendo uma renda ainda menor. Assim, o intercâmbio é mais viável para aqueles que já tenham suas reservas e não necessariamente precisam se sustentar.

Austrália

A Austrália é queridinha pelos brasileiros, devido o dólar australiano ser mais baixo.© Dave Bredeson | Dreamstime.com

A Austrália é queridinha pelos brasileiros, devido o dólar australiano ser mais baixo.© Dave Bredeson | Dreamstime.com

Já com o valor do euro subindo cada vez mais, outra saída é procurar países em que a moeda custa menos em reais. É o caso da Austrália, outra queridinha pelos brasileiros por ter seu dólar australiano em cotação bem abaixo que o americano ou a moeda europeia. Ele está sendo cotado na casa dos R$ 2,70.

Os pacotes de intercâmbio para o país giram em torno de R$ 20 mil para seis meses de estudo. A Austrália também exige comprovação de renda de 1.700 dólares australianos mensais (R$ 4,6 mil), que podem ser comprovados por meio de uma conta com o montante total do tempo de permanência, ou da renda de um apoiador, os pais, por exemplo.

Um estudante brasileiro também vai gastar, em média, 250 dólares australianos (cerca de R$ 675 por semana ou R$ 2.700 ao mês) vivendo naquele país, entre moradia, transporte, alimentação, comunicação e outros custos.

Nova Zelândia

O custo de um pacote de 6 meses na Nova Zelândia custa em média R$ 20 mil.

O custo de um pacote de 6 meses na Nova Zelândia custa em média R$ 20 mil.

Bem do lado está a Nova Zelândia, uma ilha tal qual a Irlanda e também com um valor menor em reais na compra do dólar neozelandês. Ele vale, assim como o australiano, por volta de R$ 2,70. O custo de um pacote de 6 meses custa em média R$ 20 mil.

Além disso, o estudante tem uma média de gasto de 250 dólares neozelandeses (R$ 625) semanais entre acomodação e alimentação. Existe também a comprovação de renda de 1.250 dólares neozelandeses por mês para viver lá, cerca de R$ 3.375, com as mesmas regras da Austrália.

África do Sul

África do Sul esta entre os países mais baratos para se fazer intercâmbio.© Hongqi Zhang (aka Michael Zhang) | Dreamstime.com

África do Sul esta entre os países mais baratos para se fazer intercâmbio.© Hongqi Zhang (aka Michael Zhang) | Dreamstime.com

Entre os países mais baratos para se fazer intercâmbio está a África do Sul. Lá, além da vantagem da moeda rand custar centavos de reais. O custo de vida é cerca de 800 rands por semana, por volta de 240 reais. Um curso de quatro semanas de inglês custa uma média de R$ 6.000.

No entanto, apenas pessoas com visto de trabalho podem trabalhar na África do Sul. Ou seja, estudantes estão proibidos. Assim, o destino acaba sendo buscado por quem quer estudar inglês por curto período, já que até 90 dias não é preciso visto para permanecer no país. O trabalho voluntário, porém, é muito comum entre os estudantes que escolhem o país para intercâmbio.

Quem deseja ficar mais de três meses precisa tirar o visto, que custa R$ 188, e apresentar comprovação financeira de 3.200 rands mensais (R$ 960).

Canadá

O Canadá é uma opção de intercâmbio que também cabe melhor no bolso.© Barbara Helgason | Dreamstime.com

O Canadá é uma opção de intercâmbio que também cabe melhor no bolso.© Barbara Helgason | Dreamstime.com

O Canadá é uma opção que também cabe melhor no bolso. É que lá os estudos custam uma média de R$ 6 mil por quatro semanas e o dólar canadense é cotado em valor bem mais baixo que o americano e o euro, a R$ 3,17. Além disso, é possível trabalhar 20 horas semanais. A comprovação financeira exigida pelo governo é de 1.421 dólares canadenses por mês (R$ 4,5 mil)

Como economizar durante o intercâmbio?

Passou pelo processo de economizar para o intercâmbio, conseguiu encontrar um lugar que cabe no seu bolso e seguiu viagem. Ainda não é hora de afrouxar o cinto. Seguir mantendo um ritmo econômico vai ajudar você a não ficar preocupado com o orçamento e seguir com o foco de estudar inglês.

É preciso economizar durante o intercâmbio para não passar apuros. © Andrii Zastrozhnov | Dreamstime.com

É preciso economizar durante o intercâmbio para não passar apuros. © Andrii Zastrozhnov | Dreamstime.com

Existem diversas dicas para economizar durante o intercâmbio, entre elas é usar o status de estudante para conseguir diversos descontos em transporte público e em compras. Lembre-se também de que alguns gastos tem mais prioridades que outros, como roupas de frio e comida, por exemplo.

Economize buscando por liquidações, em lojas de departamentos ou fora dos circuitos tradicionais. É muito importante manter a economia nos primeiros meses de intercâmbio, ou pelo menos até o primeiro emprego surgir.

Aprenda a escapar de ciladas e fazer o seu dinheiro render mais:

Faça seu dinheiro render com as economias.© Elena Gligorijevic | Dreamstime.com

Faça seu dinheiro render com as economias.© Elena Gligorijevic | Dreamstime.com

1. Utilize cartões de descontos para estudantes
2. Vá a diversos supermercados para comparar os preços e se acostumar com os valores
3. Sempre procure prateleiras de descontos nas lojas
4. Procure lojas de departamento.
5. Em trajetos possíveis, ande a pé ou de bicicleta
6. Espere um dia até tomar a decisão de comprar algo que acha desnecessário
7. Procure viajar em dias de semana
8. Cozinhe em casa
9. Frequente brechós
10. Pense sempre nas suas prioridades

Aprenda a escapar de ciladas e fazer o seu dinheiro render mais:

Como escapar das ciladas e economizar dinheiro.© Svetlanaguban | Dreamstime.com

Como escapar das ciladas e economizar dinheiro.© Svetlanaguban | Dreamstime.com1. Utilize cartões de descontos para estudantes
2. Vá a diversos supermercados para comparar os preços e se acostumar com os valores

3. Sempre procure prateleiras de descontos nas lojas
4. Procure lojas de departamento.
5. Em trajetos possíveis, ande a pé ou de bicicleta
6. Espere um dia até tomar a decisão de comprar algo que acha desnecessário
7. Procure viajar em dias de semana
8. Cozinhe em casa
9. Frequente brechós
10. Pense sempre nas suas prioridades

Rael Pimenta
Rael Pimenta, Mineira, casada, mãe de dois meninos, jornalista por formação, empreendedora, amante de viagens e causos da vida real. Apaixonada pela Irlanda desde 2011, quando desembarcou na Ilha para um intercâmbio.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar