Roteiro de Intercâmbio na Irlanda por quem o viveu
18 minutos de leitura

Roteiro de Intercâmbio na Irlanda por quem o viveu

Rael Pimenta

2 semanas atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

Por que decidi fazer intercâmbio na Europa?

Fazer intercâmbio, estudar fora, morar em outro país. Esses eram assuntos recorrentes na minha roda de amigos desde a época da escola. Mas, para ser bem sincera, nunca me encheu os olhos. Eu tinha um plano muito bem traçado na minha cabeça e qualquer coisa que desviasse desse caminho não fazia sentido para mim. Eu queria terminar a faculdade de Jornalismo, conseguir um emprego na minha área e começar uma família. Mas isso mudou em agosto de 2017.

A loucura chamado intercâmbio.© Sawitree Pamee | Dreamstime.com

A loucura chamado intercâmbio.© Sawitree Pamee | Dreamstime.com

Durante uma viagem em família para Portugal estava eu recém formada, com 23 anos, encantada com a Europa, mas com o coração partido e nos últimos dias de estagiária na empresa que eu tanto gostava de trabalhar. Aí bateu aquela crise de ansiedade. Foi quando eu recebi um link no Whatsapp. “Feira de intercâmbio: estude e trabalhe na Irlanda”.

Minha colega de trabalho, que passava pela mesmíssima situação, me convidou e eu fui. Assim, sem pretensões. O que eu não esperava naquele momento era que 8 meses depois estaríamos de mãos dadas no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro embarcando juntas nessa loucura chamada intercâmbio.

Como decidir o destino e a escola para o meu intercâmbio?

Escolher o destino foi a mais fácil delas. A Irlanda me conquistou logo de cara por suas belezas naturais, também por conta da facilidade de conhecer outros países da Europa e, é claro, pela oportunidade de trabalhar.

A Irlanda me conquistou por suas belezas naturais. Foto: Howth Express

A Irlanda me conquistou por suas belezas naturais. Foto: Howth Express

Entramos em contato com inúmeras agências: pessoalmente, por e-mail, telefone, até Facetime. Pedimos indicação, ouvimos muitas pessoas e finalmente escolhemos uma agência que nos prometeu o suporte que precisávamos.

Para decidir a escola, o processo de pesquisa foi ainda maior. A agência nos ofereceu um leque de opções dividido em 3 categorias: em uma ponta estavam as escolas mais baratas e, portanto, com mais brasileiros na sala de aula; na outra ponta aquelas com pouquíssimos brasileiros (possivelmente nenhum) porém caríssimas; e no meio, aquelas escolas não tão baratas, nem tão caras e com um mix de nacionalidade significativo. “Vamos ficar nessa”.

Partimos então para uma pesquisa bem demorada onde entramos na página de Facebook de cada escola lendo todas as avaliações. Sim, uma por uma. Considero isso de extrema importância, afinal, é muito comum ouvir pessoas reclamando de agências e escolas aqui em Dublin. Mas a verdade é que a maioria não se deu o trabalho de pesquisar antes de assinar o contrato. Foram por impulso, ansiedade ou por confiarem no papo dos vendedores.

Minha dica é clara: pesquise muito para não se decepcionar depois. Você vai passar 25 semanas estudando nessa escola, faça seu tempo e seu dinheiro valer à pena. Se a sua prioridade é aprender inglês e se o seu budget permitir, eu recomendo optar por alguma dessas escolas custo-benefício. Uma escola muito barata pode sair cara para o seu aprendizado.

Com a escola escolhida e o orçamento em mãos, fechamos o nosso intercâmbio e fizemos as contas de quanto tempo precisaríamos para conseguir a documentação, pagar os boletos e juntar os 3 mil euros exigidos pela imigração da Irlanda. Chegamos à conclusão de que em 8 meses daria. Portanto abril seria o nosso mês.

Que documentação precisei para o intercâmbio?

O visto de estudante da Irlanda é tirado quando você chega ao país. o IRP (ou GNIB pros mais antigos). Boa parte da documentação necessária você já pode (e deve!) adiantar no Brasil para minimizar o estresse ao desembarcar na Ilha.

Documentação exigida para fazer intercâmbio na Irlanda.© Filipe Frazao | Dreamstime.com

Documentação exigida para fazer intercâmbio na Irlanda.© Filipe Frazao | Dreamstime.com

Você vai ouvir de muitos que o agendamento do GNIB é mais difícil que conseguir ingresso pro Rock in Rio. Vai ouvir história de pessoas que estão tentando marcar há meses e de gente que até pagou para outra pessoa agendar. Não caia nessa pilha. O segredo para o agendamento é entrar no site poucos minutos antes da hora em que a imigração libera os horários. Quando isso acontece? Por volta das 10 horas da manhã no horário de Dublin.

Todas as 3 vezes que eu agendei meu visto consegui de primeira e sem estresse. A minha dica é marcar o agendamento mais ou menos 6 semanas antes do embarque. Os appointments aparecem sempre para 8 semanas depois da data que você entra no site. “Ué, mas então devo marcar 2 meses antes de embarcar, não?”. A questão é que você precisa de um comprovante de residência para mostrar na imigração então essas 2 semaninhas aí são para você encontrar uma acomodação fixa.

Muita gente marca antes e se desespera para encontrar uma casa. Agora vamos lá. O que eu levei no dia do visto?

– Carta da escola (curso de 25 semanas): A escola já havia me mandado essa carta quando eu estava no Brasil, inclusive mostrei ela na imigração do aeroporto.

– Seguro governamental ou privado de uma empresa irlandesa: Eu adquiri um seguro por fora e super recomendo caso você seja uma pessoa extremamente alérgica e suscetível à viroses como eu. Até porque o sistema de saúde da Irlanda não é dos melhores, mas já já eu falo mais sobre esse assunto.

– Os famosos 3 mil euros: o governo irlandês exige que o estudante comprove o valor na imigração, uma forma de garantir que o cidadão terá como se manter pelos próximos 6 meses. Eu trouxe uma parte em espécie e outra em cartão internacional. Troquei o dinheiro por Postal Order, um tipo de cheque feito no Post Office já que a imigração não aceita dinheiro vivo. Foi bem fácil e rápido esse procedimento.

– Comprovante de residência: eu pedi uma carta para o meu landlord com uma conta de energia anexada.

– 300 euros: valor cobrado pelo registro do IRP e que deve ser pago somente em cartão. Lembrando que o visto de estudante de inglês dá direito a 2 meses de férias e pode ser renovado até 2 vezes.

O pós-embarque: O drama da residência estudantil e a acomodação definitiva

Eu costumo brincar dizendo que já conhecia Dublin antes mesmo de chegar. Isso porque eu passava horas e horas pesquisando relatos de ex-intercambistas e maratonando vídeos do E-dublin. Se identificou?

Escolas oferecem diferentes tipos de acomodação. Escolha a que melhor se adequa. Foto: Mauricio Jordan De Souza Coelho | Dreamstime

Escolas oferecem diferentes tipos de acomodação. Escolha a que melhor se adequa. Foto: Mauricio Jordan De Souza Coelho | Dreamstime

Porém, por mais preparado que você esteja, sempre vai haver um baque quando pisar em terras irlandesas pela primeira vez. Até hoje eu não esqueço a sensação de botar o pé para fora do avião, quase ser levada pelo vento (constante, diga-se de passagem) e pensar “tô ferrada”. Meu primeiro susto foi esse, mas não parou por aí.

Logo na chegada à residência estudantil me deparo com um quarto que parecia ter sido virado do avesso. Duas meninas extremamente pessimistas falando mal da cidade. O cofre que não abria, a máquina de lavar que não funcionava e a geladeira que não tinha mais espaço. Bem-vinda ao intercâmbio.

Hoje em dia eu penso que eu gostaria de ter tido a experiência da host family. As primeiras impressões são muito importantes. Após longas horas dentro de um avião, com o coração apertado e a cabeça a mil, tudo o que você menos precisa é que suas expectativas sejam abaladas. Uma pena que tenha sido assim comigo.

As outras duas mocinhas do quarto não paravam de reclamar “Você acha que está frio? Espere o inverno” “Ouvi dizer que está cheio de naná aqui nesse bairro, viu? Cuidado pra não levar ovada” “Vocês vão ficar 6 meses nesse lugar? Boa sorte!”. E isso me fazia repensar constantemente minha escolha “Será que eu fiz a coisa certa em apostar minhas fichas nesse lugar?” Isso também fez com que eu me tornasse membro do maior número de “Classificados Dublin” possível em pouquíssimas horas. Mas eu sabia que seria um grande desafio, afinal, encontrar uma acomodação bacana e com um aluguel justo na capital irlandesa é bem difícil, não vou mentir. Já vi e ouvi de tudo por aqui: casas com mais de 20 pessoas, 3 beliches em um quarto minúsculo, vaga de sofá-cama e por aí vai. O mercado imobiliário da cidade é basicamente alimentado pelo desespero do intercambista. E eu ainda tinha um agravante: não abria mão de morar junto com minha amiga.

No nosso terceiro dia de buscas incessantes encontramos uma casa com um valor um pouco acima do nosso budget, mas a ânsia de sair da residência estudantil era maior. Fechamos. Às vezes eu penso que se tivesse sido um pouquinho mais paciente eu poderia ter encontrado um lugar mais em conta ou até mesmo mais próximo do centro. A casa estava longe de ser perfeita, mas foi nela onde aprendi lições valiosíssimas sobre convivência, respeito e amizade que já fizeram meu intercâmbio ter valido à pena. E quer saber da maior? Eu moro nessa mesma casa até hoje, um ano e 4 meses depois.

A busca da acomodação pode ser angustiante, mas sem casa você não vai ficar. A dica é entrar nos grupos de Facebook e Whatsapp. Até perfil no Instagram já foi criado para ajudar os recém-chegados. A tecnologia está a nosso favor, mas o boca a boca ainda é uma ferramenta bastante útil. Deixe todo mundo na sua escola saber que você está procurando uma vaga definitiva. Já vi funcionar diversas vezes. Mais burocracia… Não tem como fugir. As primeiras semanas serão intensas, estressantes e cheias de coisas para fazer. Resolver trâmites de banco é chato no Brasil, imagina em outro país.

Como foi abrir uma conta no banco irlandês e apresentar o 3 mil euros?

Abrir uma conta num banco irlandês é mais que recomendado, é quase necessário, principalmente para quem quer trabalhar na Ilha. No meu caso, optei por uma agência que fazia uma ponte entre o cliente e o banco AIB, já que minha escola tinha convênio com eles. A grande diferença é que por aqui você precisa agendar para abrir sua conta. Feito isso, três semanas depois voltei para a agência da Capel Street com os documentos solicitados previamente pelo funcionário.

Abrir uma conta no banco é necessário principalmente para quem quer trabalhar na Irlanda..@pxhere.com

Abrir uma conta no banco é necessário principalmente para quem quer trabalhar na [email protected]

Eram eles:

– Carta da escola comprovando residência. (ATENÇÃO: muitas agências não estão mais aceitando cartas de escolas de inglês como forma de comprovar residência. Agora muitas exigem o IRP apenas) – Passaporte Simples, não é mesmo? A abertura da conta foi uma conversa super informal com o gerente onde ele pediu algumas informações pessoais e pediu para que eu criasse uma senha para o Internet Banking e para o cartão (que chegou em casa pelo correio poucos dias depois).

Para não ter dor de cabeça nesse processo tente sempre descobrir quais agências são mais vazias e menos rigorosas, caso sua escola não tenha convênio com nenhuma específica. Confira também se sua documentação está certinha para não perder tempo.

Como foram meus primeiros dias de aula em Dublin?

Mochila nas costas, capa de chuva, Google Maps na mão e testa franzida. Essas era eu tentando descobrir para onde ia no meu primeiro dia de aula. É impossível não se perder por aqui nos primeiros dias, já vou logo avisando. “É impressão minha ou essas ruas são todas iguais?”.

Desafios dos primeiros dias de aula em Dublin.© Monkey Business Images - Dreamstime.com

Desafios dos primeiros dias de aula em Dublin.© Monkey Business Images – Dreamstime.com

Cheguei na escola com antecedência, fiz logo o teste de nivelamento e fui caçar minha sala de aula. Como eu já fazia curso de inglês no Brasil há anos eu me sentia mais do que preparada. Aí que eu me enganei. As aulas de inglês do intercâmbio tem uma didática totalmente diferente do que eu já tinha visto. É muito mais focado no dia a dia, em estabelecer a comunicação de forma mais fluida. Ou seja: é falar, falar, falar! Depois de passar 3 horas com os olhos arregalados tentando não perder nada, eu fui direto falar para o professor que não me sentia no nível da turma. Ele pediu para que eu esperasse pelo menos uma semana antes de pedir para mudar e funcionou mesmo.

É normal você vai se sentir perdido, vai sair fumacinha da sua cabeça, mas logo você entra na tal “imersão” na língua. Um ponto um pouco negativo, na minha percepção, é fato de muita gente encarar a escola como uma obrigação para renovar o visto. A temida attendence.

A verdade é que muitas pessoas chegam aqui e mudam de prioridade. Eu digo por experiência própria. Trabalham horas incontáveis, muito mais do que o permitido pela lei, inclusive. O problema é quando atrapalha o andamento da aula para quem de fato está ali para aprender e tudo acaba perdendo o sentido. É sempre necessário tomar cuidado para não perder o equilíbrio que é fundamental principalmente quando estamos longe de casa.

Como avalii meus primeiros meses estudando na Irlanda?

Eu sempre digo que o tempo aqui passa de forma diferente. O primeiro mês é bem doido. Os primeiros 2 dias foram longos, infinitos, mas os outros 28 passaram voando.

Nos primeiros dias são tantas coisas para fazer que você nem vê o tempo passar.© Monkey Business Images | Dreamstime.com

Nos primeiros dias são tantas coisas para fazer que você nem vê o tempo passar.© Monkey Business Images | Dreamstime.com

É tanta coisa para fazer, para resolver, para ajustar e adaptar que quando você vê, já foi. Fora que tudo é novo, diferente, interessante mesmo que assustador. Você descobre que nem tudo são flores e que sair da tal zona de conforto é muito mais simples no papel. Encontrar o meu primeiro emprego, por exemplo, não foi tão fácil quanto eu imaginava. Ouvir uma sequência de “nãos” desmotiva e dá vontade de desistir. Outro baque inicial é sentir na pele que o estudante imigrante é visto como mão de obra barata e muitas vezes é explorado pelos empregadores. E a grande maioria se sujeita a essas condições ruins de trabalho, afinal, já falamos que aluguel por aqui não é nada barato.

Outro desafio que todo mundo acaba enfrentando nesse comecinho é a saudade. Por mais que a gente se mantenha ocupado desvendando esse novo mundo, é impossível não sentir falta de casa. No meu caso, eu acabei me acostumando depois de um tempo, afinal, nunca foi tão simples manter o contato na era do WhatsApp, Skype, FaceTime e afins. E a saudade do Brasil também foi fácil lidar. Bem mais fácil do que eu esperava.

Não estranhe se você estiver caminhando pela Parnell Street um dia se deparar com mais um restaurante brasileiro. Eu continuo me surpreendendo em ver como os “BRs” dominaram esse lugar, principalmente considerando o centro de Dublin. E por falar nesse assunto, há quem julgue isso como um ponto negativo. Eu não vou negar que o convívio com brasileiros influenciou a evolução do meu inglês, mas tenho plena consciência de que essa culpa é minha. No fim das contas, os brasileiros foram os que mais me ajudaram nessa caminhada. Não tem motivo para ter medo de brasileiro ou até evitar. O importante é buscar um equilíbrio e manter o foco no seu objetivo. E isso não tem receita, não tem porção mágica e nem segredo: é inteiramente responsabilidade própria.

Quanto eu gasto por mês na Irlanda

Os primeiros meses são sim os mais caros. E não, 3 mil euros não são suficientes para se manter em Dublin sem um emprego durante 6 meses. Somente com visto, aluguel e depósito (uma espécie de “calção” exigido pelos landlords quando você aluga uma vaga – geralmente do mesmo valor que o aluguel) eu já tive que desembolsar 1300 euros logo de cara. Os gastos iniciais também incluem o Leap Card (cartão de estudante), chip de celular, travesseiro, edredon, roupa de cama e outras coisinhas de casa e banho que você com certeza vai precisar.

Os primeiros meses são sim os mais caros.© George Gabriel Paraschiv | Dreamstime.com

Os primeiros meses são sim os mais caros.© George Gabriel Paraschiv | Dreamstime.com

Sobre alimentação é importante evitar cair na tentação de comer fora. “Ah, mas são só 10 eurinhos”. 10 euros rendem a beça no supermercado, coisa que a gente só aprende errando. Ah, e se você é festeiro (todo mundo é um pouco principalmente no início quando tudo ainda é  “férias”) prepare o bolso também, viu? Tomar 3 pints de cerveja pode custar entre 15 e 20 euros dependendo do pub. Quantas e quantas vezes eu saí passando o cartão e me arrependi no dia seguinte?

Sair para os pubs e festas, conhecer gente nova e se divertir é parte da experiência do intercâmbio e agrega muito. Porém tome cuidado para não usar isso como desculpa para gastar mais do que o necessário. Hoje em dia, depois de muito errar e gastar à toa por aí, os meus gastos mensais incluem:

– 20 euros de celular (internet ilimitada pelo período de 28 dias)

– 120 euros de transporte (30 euros por semana porque eu utilizo o Dart para ir para o trabalho, mas se você só for usar ônibus fica 20 por semana)

– Aproximadamente 60 euros em compras de supermercado (uma média de 15 euros por semana)

– 420 euros de aluguel (o preço das acomodações varia geralmente entre 300 e 550 euros, dependendo da localização. Os valores mais em conta geralmente são mais afastados do centro)

– Aproximadamente 15 euros de contas (energia, lixo e Wi-fi) Esses são os gastos fixos sem contar com lazer, roupas, necessidades básicas, emergências, e um mimo de vez em quando. Para ser sincera eu esperava que o custo de vida aqui seria mais barato. Quando comparado a outros países da Europa, o preço do aluguel, por exemplo, é considerado exorbitante. Mas o preço do plano de internet pra celular e os valores nas prateleiras de supermercado me surpreenderam positivamente. Sabendo onde e como comprar, você consegue economizar bastante.

Como foram meus primeiros 8 meses na Irlanda como intercambista?

Quando eu penso na minha trajetória até aqui eu vejo que tem um bocado de coisa que eu teria feito diferente. A começar pela mala. Eu comprei roupa térmica, roupa de frio, calça jeans, tênis… tudo no Brasil. Quando cheguei aqui e me deparei com a Penney’s bateu um baita arrependimento. A loja de departamento é conhecida pelos preços baixos e é a melhor amiga do intercambista. Hoje eu vejo o tanto que teria economizado em dinheiro e em espaço na bagagem.

Erros e acertos de um intercâmbio na Irlanda.© MNStudio | Dreamstime.com

Erros e acertos de um intercâmbio na Irlanda.© MNStudio | Dreamstime.com

Outro erro de principiante foi trazer uma farmácia inteira do Brasil. Boa parte dos remédios que eu trouxe comigo foram para o lixo um ano depois por ter passado da validade.

O sistema de saúde da Irlanda é um caos e foi algo que me decepcionou muito. Ouvi relatos de brasileiros e nativos que já passaram poucas e boas nas filas dos hospitais para ter um atendimento meia boca e ainda pagar centenas de euros por isso. Mas aprendi também que os farmacêuticos são bons aliados. Das poucas vezes que eu adoeci, passei antes na farmácia e os profissionais foram atenciosos e certeiros na medicação. Fica a dica.

Ainda sobre o assunto saúde, devo chamar atenção para um ponto que se destacou muito na primeira fase do meu intercâmbio: a alimentação. Quando eu cheguei e me deparei com uma infinidade de guloseimas com um preço super acessível, eu perdi o controle e ganhei 7kg em 2 meses. Isso é muito perigoso visto que o intercambista se encontra em um momento de ansiedade e vulnerabilidade nos primeiros dias e não custa muito para descontar tudo na comida. Construir uma rotina de refeições saudáveis e balanceadas é um desafio que eu enfrento até hoje. Os horários são apertados, a cozinha é compartilhada e a preguiça vai bater, não tem jeito. É importante se atentar a isso.

Outra coisa que aprendi na prática e faz uma diferença danada no fim do mês é: um caderninho de finanças. Nos início eu ia na EuroGiant e na Dealz pensando que tava tudo bem, afinal, “é só 1,50, poxa”. No final do mês eu não sabia como tinha gastado tanto. Um pouquinho ali e acolá vai virando uma verdadeira bola de neve com o passar dos dias. Parar para anotar cada comprinha fez com que eu pudesse visualizar melhor meus gastos e também meus hábitos.

Isso me fez ser mais consciente e responsável financeiramente. Resumo da ópera Mas e aí? Ainda tá valendo a pena o intercâmbio em Dublin? O que eu pude perceber ao longo do último ano é que muitas pessoas chegam aqui com expectativas altíssimas. Como se a imigração do aeroporto fosse um portal mágico para um mundo paralelo onde todos os problemas da vida fossem ser resolvidos e automaticamente sai falando inglês fluentemente como um nativo.

Eu cheguei de mansinho com a certeza de que voltaria no fim do curso, sem esperar um milagre, mas confiante. E acredito que esse foi um fator determinante para eu ter me surpreendido tanto com as maravilhas da Ilha e ter me adaptado tão facilmente a Dublin. Eu vim aberta para possibilidades e para me permitir. Não me frustrei nem me decepcionei simplesmente porque não criei um como de fadas e minha expectativas eram bem realistas. Eu só vim com dois objetivo: melhorar o meu inglês e ter uma experiência incrível. Consegui muito mais do que isso. Eu dei uma chance para esse país chuvoso ser o cenário dessa história e hoje eu não quero mais sair daqui.

Rael Pimenta
Rael Pimenta, Mineira, casada, mãe de dois meninos, jornalista por formação, empreendedora, amante de viagens e causos da vida real. Apaixonada pela Irlanda desde 2011, quando desembarcou na Ilha para um intercâmbio.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar