Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Publicidade

Histórias do choro ao agradecimento

Publicidade E-Dublin postou em 04 nov 2014

Ainda me lembro como se fosse hoje…

Quando realizei meu segundo Intercâmbio aos 22 anos de idade, adivinhem onde vim parar?? Dublin, claro! Tudo que eu tinha no bolso eram 14 mil reais, nada mais que isso.

Comprei um curso de Inglês que me custou 8 mil reais, de passagem gastei 2.800 reais e me sobraram apenas  3.200 reais que na época deu para comprar €1.000 euros (até 2011 esta era a quantia exigida).

Sim… a louca aqui chegou em Dublin com €1.000 euros e sem nenhuma perspectiva de ajuda financeira! O que me restava, caso desse tudo errado, era ligar chorando avisando que precisava de dinheiro para trocar a passagem e voltar para casa…

Os mil euros acabaram em segundos, o primeiro aluguel e deposito €600.00 + €150.00 do visto + €50.00 do primeiro supermercado, me sobraram €200.00 euros para recomeçar uma vida nova sem falar quase nada do idioma.

Bom, nada de chorar sofrer ou pensar em desistir. Entrei em pânico várias vezes! Me recordo que na primeira semana abri a carteira e me deparei com a mesma vazia, com medo chorei uma noite inteira. Pois bem, pedi ajuda para minha colega de quarto polonesa, fizemos um currículo e imprimi 300 cópias. O CV era para ser babá, faxineira, fazer sanduiche, limpar chão, não importava pois precisava trabalhar ou iria morrer na praia depois de ter nadado por quilômetros.

Provavelmente entreguei currículo até na casa do Bono do U2 (rs), pois bati perna viu… E como acredito em universo e que tudo acontece de acordo com suas ações, com 28 dias de Irlanda conheci uma brasileira na rua e como eu sempre pedia emprego para todo santo que passasse na minha frente fiz o mesmo com ela, que trabalhava com exportação e eu era da área, então pedi uma ajuda, claro! Ela me olhou e disse: “ você não fala Inglês será muito difícil, porém uma menina francesa está indo embora, mas como eu te indicaria sem inglês?”.

Enfim, a convenci  a entregar meu CV de Comércio Exterior, minha real profissão. Adivinhem? O dono da empresa me ligou e agendou uma entrevista, que não sei até hoje como entendi. Aquela noite pedi um computador emprestado, pois nem isso eu tinha, estudei a noite inteira, não dormi. Fiquei no Google tradutor escrevendo frases feitas, escrevi todas em um papel, coloquei a melhor roupa que tinha e fui para minha entrevista!

O Irlandês ficou impressionado com tanta força de vontade, só pode ser isso, pois me comuniquei igual a um índio lendo as frases do papel. Então ele me ofereceu a oportunidade de fazer um teste por um mês.  Teste pago! Gente eu estava prestes a ganhar meus primeiros €€€.

Pois bem, treinamento que é bom nada e eles não tinham pena nenhuma que eu não falava Inglês. Fui contratada para exportar carros para Angola lindoooooooo, eles falavam Português, porém para os outros destinos as ligações eram todas em Inglês, pensem no inferno. Toda vez que o telefone tocava minha mão suava frio. “Ocean General how can I help you? Frase feita né? Ai o cliente fazia milhões de perguntas, claro que eu não entendia nenhuma, fui xingada de todos os nomes, a única coisa que eu entendia era fuck, fuck, fuck e desligavam na minha cara, mas eu continuava fingindo que estava falando para ninguém perceber nada, pois meu chefe sentava na minha frente.

Além do telefone tinha outro problema sério com um documento de embarque chamado BL Bill of Loading. Esta folha é um papel timbrado utilizado pelas empresas de comércio exterior que  não pode desperdiçar. Eu tinha uns 15 carimbos, cada navio utilizava um carimbo diferente e eu não podia errar e desperdiçar o papel. Nervosa no primeiro mês eu errava uns 20 por dia e não podia jogar o papel no lixo ou o “Boss” podia ver, eu  estava quase a ponto de começar a comer as folhas (rs). Dai comecei a enfiar as folhas na bolsa para jogar no lixo de casa, pois se eles vissem as folhas no lixo eu estaria frita, pois cada folha tem custo.

Depois de 1 mês, me acostumei com os carimbos e parei de errar, era a pressão da experiência acredito. Enfim, um mês passou, passei na experiência (na tortura para ser bem honesta) ganhei a vaga, e aqueles €150.00 que tinha na carteira multiplicaram-se e de pobre pobre, agora eu tinha recursos, um cargo em uma multinacional e na minha área!

Trabalhava de segunda a sexta-feira e pude sentir que tudo o que eu fiz valeu a pena. Viajava praticamente todas as sextas, conheci a Europa inteira e a felicidade não podia ser descrita em palavras. Nada foi fácil e sim conquistado com determinação e vontade de aprender e ser uma pessoa melhor. Sem limitações ou medo de descobrir o novo e ser feliz.

Em seis meses eu já falava Inglês, não perfeito, porém o suficiente para ser respeitada no trabalho e poder me defender também. Após esse período fui promovida e comecei a exportar alimentos, onde um dos produtos era a famosa Cerveja Guinness. Trabalhei cerca de um ano nessa empresa. Aprendi coisas que não teria aprendido jamais se não tivesse saído do Brasil e me arriscado nesta jornada. Acabei pedindo demissão, pois decidi me mudar para Londres,  já que morar na terra da rainha era um sonho antigo, mas Londres é uma outra longa história que contarei em outra ocasião.

Após está longa jornada de três anos fora do Brasil tive a oportunidade de morar na Irlanda, Inglaterra, Itália, Argentina e Chile. Fiz muitos amigos, conheci pessoas de várias nacionalidades, vários países, trabalhei para grandes multinacionais no Brasil e exterior. E depois de ter realizado tudo isso, decidi abandonar minha carreira no comex, criei a minha própria empresa a Vital Intercâmbios com matriz em Dublin na Irlanda onde moro e recebo clientes de uma forma personalizada.

Há dois anos ajudamos centenas de pessoas a realizarem os mesmos sonhos e objetivos.

O conhecimento é o único bem que ninguém pode tirar de você!

Minha história é a prova disso. Comece você também a mudar a história de sua vida.

Para informações sobre os programas de estudo no exterior:

Email: [email protected] / [email protected]
Facebook: https://www.facebook.com/juliana.vital.353
Website: www.vitalintercambios.com.br
Telefone: +353 89 4306958

Esse post é trazido a você pela Vital Intercâmbios. Texto de responsabilidade do anunciante.

Sobre o Autor


Posts patrocinados exibem informações escritas e fornecidas pelo próprio anunciante/agência. Os editores do E-Dublin não têm relação direta com os anunciantes e não influenciam na mensagem.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Publicidade

Mude sua Vida em 2018

3 dias atrás, por Publicidade E-Dublin
Dicas de Viagem

5 destinos para curtir neve na Europa

1 semana atrás, por Elizabeth Gonçalves
Publicidade

Seu intercâmbio na Irlanda de cara nova

2 semanas atrás, por Publicidade E-Dublin
Saúde

Hospitais irlandeses aumentam taxa de atendimento emergencial

2 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Essenciais

P60 e reembolso do imposto de renda na Irlanda

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Curiosidades

Trinity College: a Universidade mais antiga da Irlanda

3 semanas atrás, por Colaborador E-Dublin
Irlanda

Conheça Waterford, a cidade mais antiga da Irlanda

1 mês atrás, por Colaborador E-Dublin
Meu Intercâmbio

A saudade é algo que persiste no intercâmbio

1 mês atrás, por Colaborador E-Dublin
Cultura

Você já ouviu falar no Workaway?

1 mês atrás, por Elizabeth Gonçalves
E-Dublin TV

Meu primeiro Natal longe de casa – PCVV#154

1 mês atrás, por Tarcisio Junior