Ilhas que se separam

Ilhas que se separam

Colaborador E-Dublin

6 meses atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

O vento faz a curva na ilha, ouvi dizer que é na Cork Street, mas já vi ventania pelas montanhas, pelos Cliffs e, até, em casa. Daquelas ventanias que espalham gente, separam rios e mares, daqueles ventos de sentimentos que escorrem e desencadeiam em uma ilha. Uma ilha que criamos, uma fortaleza em meio aos nossos desmontes.

Seriam os mares inseparáveis ou estariam sujeitos à intervenção de um rio?

O tempo em que numa ilha corre aos arredores e facilmente nos dispersa e nos influencia. Uma influência da água, talvez, essa água que tomamos da torneira que, quem sabe, tenha alguma composição química que transforma nossos hábitos, nossa transpiração, nossos ruídos estomacais. Talvez a água seja a fonte de tanta separação.

Uma água que nos abre horizontes, que nos inunda de coisas novas, uma água vasta e na maior parte do tempo gelada, que transborda aquele mundinho do qual saímos.

Ir morar em uma ilha é se deparar com essa inevitável transformação. Como se todos os mares rondassem nossa esfera e sob nossos pés uma terra constantemente ativa nos engolisse para o subterrâneo de nós mesmos.

Muitos relacionamentos ali desabam. Caem em algum ponto onde parte para e parte persegue o fluxo. Um decide ir, outro decide ficar e, mesmo que ambos decidam estar, os caminhos tomam proporções distintas, ou pelo vento da Cork ou pelo vento de outras ilhas.

Seria mensurável o quão rápido e ágil é o vento, que nos entorna tanta mudança brusca, tanta desconstrução de um mundo particular?

Mudamos de casa e tudo se muda. Ficam-se os dedos, os olhos, a mala, o paladar. Fica conosco, por incrível que pareça, nós mesmos. Entre uma das maiores transformações: essa suficiência que passamos a enxergar e talvez a maior complexidade disso tudo: a busca pelos que se encaixam nesse nosso novo mundo, porque ninguém quer seguir sozinho — um mundo precisa de companhia.

E mesmo que sozinhos venhamos a descobrir que é bom tomar sorvete no frio; que se descobre e se desbrava um país que se chama Latvia; que não queremos mais ir à igreja aos domingos ou que as confissões em inglês são mais objetivas. De repente descobrimos que gostamos de ouvir música folk e não mais aquelas músicas que ouvíamos juntos, e que tudo bem! Tudo bem um ir pro Fibber Magees enquanto outro quer ir pra Diceys. E que tudo bem não irmos juntos, que de vez em quando se separar é saudável, até porque muitas vezes é em estar isolado que descobrimos onde o vento passa.

Seria assim possível mensurar o limite de uma ilha à outra? Até que ponto um par entende a transformação do outro como indivíduo e passa a querer fazer parte daquele novo mundo?

Será que entendemos que passamos a ser quem por essência deveríamos ser e talvez não estivéssemos sendo por estar em um relacionamento que se moldou em uma outra realidade?

Quanto à realidade que desaba quando um novo mundo vêm à tona? Você ainda reconheceria a pessoa por quem se apaixonou e que por anos sabia tudo sobre ela? Ou em algum ponto percebe que somos uma extensão de terra parcialmente desbravado?

Quão complexa é essa decisão de ir morar numa ilha: deixar-se guiar pelo vento e com amor atravessar águas.

Foto Capa: © Alexander Ozerov | Dreamstime.com

Marluce Lima,

Poeta, escritora e metida a artista. Publicou seu primeiro livro de poesia na Ilha Esmeralda e sabe que foi só o começo de uma história. Escreve para o blog www.soumarlima.com

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

  • Sentir culpa também faz parte do intercâmbio

    Planeje seu Intercâmbio

    Sentir culpa também faz parte do intercâmbio

    Quando você decide fazer um intercâmbio, uma chuva de sentimentos invade seu...

    Colaborador E-Dublin

    2 meses atrás

    Sentir culpa também faz parte do intercâmbio
  • Correr atrás de sonho também dói

    Planeje seu Intercâmbio

    Correr atrás de sonho também dói

    Quando eu fiz 30 dias na Irlanda, eu chorei, eu chorei muito... Eu nem me...

    Colaborador E-Dublin

    3 meses atrás

    Correr atrás de sonho também dói

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar