Intercâmbio, homossexualidade e autoaceitação

Intercâmbio, homossexualidade e autoaceitação

Rafael Leick

4 meses atrás

Quanto custa um intercâmbio?

Não vendemos pacotes e nem somos agência,
mas podemos te colocar em contato com elas.

Estudar fora é um sonho, ninguém duvida. Conhecer gente nova, outras culturas, vivenciar a vida local de um país diferente do nosso, indo muito além do turismo… Os motivos são inúmeros!

Mas, dependendo do país escolhido para o intercâmbio, existem motivos a mais para que esse sonho seja especial, principalmente se você fizer parte de um grupo representado por uma sopa de letrinhas: a comunidade LGBT+.

Espera aí… Tem diferença em fazer um intercâmbio sendo gay?

Intercâmbio sendo gay em Londres - Foto: Rafael Leick / Viaja Bi!

Intercâmbio em Londres. Foto: Rafael Leick / Viaja Bi!

Bom, eu vou contar minha história, como gay, e você tira suas próprias conclusões. A visão é de um homem gay cisgênero mas, em muitos pontos, a história se estende para lésbicas, bissexuais e, de forma ainda mais intensa, para pessoas trans.

Eu fiz meu intercâmbio há quase 10 anos, em 2009. No início das minhas pesquisas, considerei o Canadá como principal opção para realizar meu sonho de estudar fora.

Mas, como o país não permitia trabalhar e estudar ao mesmo tempo, Londres surgiu como uma alternativa interessantíssima porque, na época, estudantes podiam trabalhar 20 horas semanais.

Fiz esse intercâmbio sendo gay com meu ex-namorado, aos 24 anos (hoje tenho 32, mas aparento 18, beijos!). Já na busca pela melhor agência de intercâmbios, tentava entender se nos apresentaríamos como um casal ou como amigos viajando juntos.

Escolhemos, sem conversar claramente sobre isso, ficar num meio termo que, na época, consideramos saudável.

Intercâmbio sendo gay em Londres - Foto: Rafael Leick / Viaja Bi! 

Intercâmbio em Londres. Foto: Rafael Leick / Viaja Bi!

Em 2009, a situação no Brasil era muito diferente de agora, e tínhamos menos liberdade de mostrar quem nós éramos. Vale lembrar que, alguns anos antes, na Irlanda ainda era crime ser LGBT+. Então, dá pra ter uma noção de que o mundo era um tantinho diferente, né?

Enfim, chegamos a Londres. Meu intercâmbio sendo gay, depois de muito planejamento, tinha começado finalmente e, em uma das primeiras semanas, no metrô, vi um casal de rapazes encostados no canto da plataforma trocando carinhos e beijinhos (eu disse carinhos e beijinhos, não amassos e malhos).

Eu me lembro, como se fosse hoje, da minha reação de surpresa por nenhum dos inúmeros passantes na gigante estação de Westminster dar a mínima para a situação. Talvez porque isso se tratava de uma coisa normal. Mas ainda não era no Brasil.

E aí, meus amores, entra a grande diferença de se fazer um intercâmbio sendo gay (ou lésbica, bi, trans…) e sendo hétero. Além de tudo de mais maravilhoso que o intercâmbio já traz naturalmente, para um LGBT+, viver em uma cidade como Londres, Toronto ou Dublin, que são bem mais abertas à comunidade, é também um processo de autodescoberta e autoaceitação.

Intercâmbio sendo gay em Londres - Foto: Rafael Leick / Viaja Bi! 

Intercâmbio em Londres. Foto: Rafael Leick / Viaja Bi!

Muitas pessoas LGBT+ vivem dentro do armário em seu país de origem e, ao se depararem com uma realidade onde ser quem se é não é um problema, muda a vida. De verdade. Você aprende a se gostar como você é, a ver que não é errado ser quem você nasceu pra ser.

É tudo muito impactante, e cada pessoa reage de um jeito a essas diferenças culturais e sociais.

Alguns travam e demoram para processar a informação por completo, outros aproveitam o momento do intercâmbio para despirocar e fazer tudo o que não podem fazer em seu país. O que é o máximo! Mas é importante ficar atento aos limites para não fazer meleca, tá? #DicaDaTiaVeia

Enfim… E você? Acha que há diferença em fazer um intercâmbio sendo gay (LGBT+) e sendo hétero? Quais? Deixe seu comentário aí embaixo para iniciarmos a discussão, ok?

Quis trazer esse assunto para jogar uma luz sobre o tema no primeiro texto da coluna LGBT que os meus lindos do E-Dublin me convidaram para escrever aqui para vocês.

Isso significa que nos encontraremos nesse mesmo bat-local duas vezes por mês para discutir temas relacionados ao universo LGBT+. Vem comigo?

E entre uma coluna e outra, convido vocês a conhecerem o Viaja Bi!, que é meu blog de viagem para o público LGBT+, que também está no YouTubeInstagramFacebookTwitterPinterest e Spotify. Espero vocês lá e aqui. Nos vemos daqui a algumas semanas! ;)

Avatar
Rafael Leick, Publicitário paulistano, fez intercâmbio em Londres e lá começou a escrever sobre viagem. É criador do Viaja Bi!, primeiro e principal blog de viagens LGBT do Brasil. Trabalhou com órgãos de promoção turística da Argentina, Espanha, Reino Unido, entre outros, e empresas como AccorHotels. Ministrou palestras no Brasil e no Peru e foi Diretor de Turismo da Câmara LGBT do Brasil. E, claro, é pai do Lupin.

Imagens chamada via Dreamstime.com
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar