Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
TI na Irlanda

A ida para a Irlanda, as entrevistas de emprego em TI e as dificuldades

Colaborador E-Dublin postou em 17 mai 2017

No último texto, contei um pouco dos entraves que descobri ao tentar aplicar para vagas nos Estados Unidos e Canadá, minha descoberta sobre a Irlanda e o mercado também promissor para profissionais da minha área.

Após as experiências frustrantes da América do Norte, enquanto procurava emprego nas empresas da Irlanda, por questões burocráticas, decidi usar a estratégia de omitir meu endereço e telefone no currículo – para contato, deixava apenas meu e-mail.

Logo nas primeiras semanas, comecei a receber muitos contatos de recrutadores e agências interessados no meu currículo. A estratégia foi importante para ter pelo menos a possibilidades de interagir com esses canais, pois por e-mail, muitos deles me convidavam para um bate-papo informal.

Porém, apesar de melhorar o acesso a novos canais de recrutamento e ter a possibilidade de “vender o meu peixe”, nessas conversas passaram a surgir os velhos entraves que eu já conhecia – e muito bem!

“Você ainda está no Brasil? Possui passaporte europeu?” – Pois é, se antes o problema era ser estrangeiro nos Estados Unidos, agora passei a encarar a dura realidade dos não-europeus que almejam uma carreira na Europa e a concorrência natural com os 27 países que compõem a União Europeia – e que, claro, possuem prioridade.

E as entrevistas por Skype que tanto falam?

As entrevistas por Skype não são tão comuns. Foto: Daniel Draghici | Dreamstime.com

As entrevistas por Skype não são tão comuns. Foto: Daniel Draghici | Dreamstime.com

Li muitos depoimentos de brasileiros na Irlanda que dizem ter conseguido fazer entrevistas por Skype. Não sei se foi por falta de sorte, mas comigo isso não aconteceu. Quando os recrutadores solicitavam meus contatos telefônicos e percebiam que eu ainda estava no Brasil, o que mais ouvia era: “Ah, tudo bem, quando estiver na Irlanda entre em contato comigo novamente para conversarmos”. Eu até insistia, dando a opção do Skype, mas não rolava.

Eu, que já vinha há alguns meses prospectando no Brasil e sem sucesso, observei que a falta do passaporte europeu certamente seria um entrave, mas o fato de estar no Brasil havia se tornado um problema ainda maior – eu cheguei a ser contatado por até três recrutadores em um só dia, mas nada fluía.

Foi neste momento que eu decidi que se eu continuasse tentando do Brasil, dificilmente conseguiria a oportunidade profissional que eu tanto almejo.

O que mudou com a minha chegada à Irlanda?

Entrevistas presenciais são importantes. Foto: Yukchong Kwan | Dreamstime.com

Entrevistas presenciais são importantes. Foto: Yukchong Kwan | Dreamstime.com

Bom, o passaporte europeu eu não tinha como conseguir, mas uma passagem aérea para a Irlanda era um passo que eu conseguiria dar. E assim, logo que defini a data do embarque, passei a contatar todos os recrutadores que haviam se interessado pelo meu perfil.

Apesar de ter sido uma decisão difícil, já que teria que deixar minha família e meu filho no Brasil, percebi que, para mim, essa foi uma decisão acertada, pois minhas qualificações se encaixavam com a demanda do país.

A maioria dos recrutadores com quem eu havia trocado e-mails nos últimos dois meses ainda tinham interesse no meu perfil e agendaram entrevistas em Dublin já para os meus primeiros dias na cidade. E foi assim que eu embarquei para a Irlanda com seis entrevistas agendadas!

Meu “LinkedIn Irlandês” e o aumento no número de entrevistas

Um perfil atualizado no LinkedIn é importante! Foto: Marcel De Grijs | Dreamstime.com

Um perfil atualizado no LinkedIn é importante! Foto: Marcel De Grijs | Dreamstime.com

Já instalado em Dublin e seguindo a rotina de um estudante de línguas, já que entrei com o visto padrão de estudante (Stamp 2), atualizei meu perfil no LinkedIn, dessa vez sem medo de inserir telefone e endereço, entrave que eu já havia resolvido.

A diferença foi grande. Eu, que enquanto do Brasil não havia investido em agências e sites de empregos, passei a ser consultado por vários deles. Nas primeiras semanas em Dublin, já consegui agendar algumas entrevistas. Isso sem falar nas ligações que recebia e não prosseguia, por eu não ter a cidadania europeia.

A busca por um sponsor

Nem toda empresa estará disposta em investir no visto de trabalho. Foto: Bakhtiar Zein | Dreamstime.com

Nem toda empresa estará disposta em investir no visto de trabalho. Foto: Bakhtiar Zein | Dreamstime.com

Com pouco mais de um mês na Irlanda, posso dizer que superei o entrave das entrevistas por Skype que não rolavam e consegui ter muito mais acesso às vagas, já que tenho sido consultado por muitos canais.

Aliás, passei a investir  com mais afinco nas agências de empregos, pois são delas que surgem o maior volume de convites para entrevistas. Porém, apesar de ter realizado várias entrevistas e em quase todas elas ter sido muito bem sucedido (mesmo muitas vezes com certa dificuldade de entender o sotaque irlandês), o tão desejado emprego ainda não aconteceu. Mas, por que?

Emprego tem, e muito. Porém, a maior dificuldade é encontrar um emprego com o que eles chamam de “sponsor”, ou seja, uma empresa que aceite investir no Work Permit (visto de trabalho) para você. Esse é um processo que custa caro para a empresa e para eles decidirem bancar isso, o profissional precisa valer a pena.

Apesar de ter o perfil que o mercado irlandês tem buscado e de ter passado pelas diversas fases do processo de contratação, quando a coisa vai afunilando, sempre tem outros concorrentes com o tal do passaporte europeu, e é claro que a empresa dificilmente vai querer investir 1500 euros em um Work Permit, quando tem outras opções “for free”.

Paciência, foco e fé

Paciência, foco e fé são palavras chave! Foto: Dirima | Dreamstime.com

Paciência, foco e fé são palavras chave! Foto: Dirima | Dreamstime.com

Para falar a verdade, essas três palavras se tornaram o meu lema aqui na Irlanda. Tenho os skills que o mercado irlandês procura, tenho experiência e, além disso, tenho me saído bem nas entrevistas e também avançado nas etapas do processo seletivo. Sei que o meu primeiro emprego vai surgir cedo ou tarde.

Aliás, esse é outro fator que você, assim como eu, terá que encarar por aqui. O processo seletivo demora muito. A primeira entrevista que fiz em Dublin, por exemplo, só obtive o retorno dizendo que eu estava na segunda fase depois de um mês. Conversando com outros profissionais da área, descobrir casos em que o processo total durou mais de quatro meses!

O segredo é realmente ter muito foco para não desanimar, apostar na fé e que tudo dará certo e, ainda mais importante, ter muita paciência!

No próximo texto, vou contar um pouco sobre como tem sido as entrevistas e as fases seguintes nas empresas em que ainda estou no pariu para a vaga.

Sobre o Autor:
13Valdir Júnior está na Irlanda desde março de 2017, e como muitos brasileiros da área de tecnologia desembarcou na Irlanda em busca do visto de trabalho e da oportunidade de estrear uma carreira internacional. Como anda o processo, quantas entrevistas ele já conseguiu e por que a escolha pela Irlanda, são informações que ele vai compartilhar neste espaço com você. Acompanhe nos próximos textos a saga do Valdir e a quantos passos ele está de conquistar o seu primeiro emprego profissional na Europa.

Revisado por Tarcísio Junior
Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio

Recentes e populares

Trabalho

É possível trabalhar com enfermagem na Irlanda?

24 horas atrás, por Elizabeth Gonçalves
E-Dublin TV

Engenharia Elétrica na Irlanda

6 dias atrás, por Edu Giansante
Trabalho

5 sites para procurar vagas de marketing na Irlanda

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Trabalho

Você conhece os contratos de trabalho vigentes na Irlanda?

4 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Trabalho

Engenheiros também têm chances na Irlanda

1 mês atrás, por Deby Pimentel
Trabalho

Como é procurar emprego na sua área na Irlanda?

1 mês atrás, por Colaborador E-Dublin
Conte Sua Historia

Meu primeiro emprego na vida foi na Irlanda

2 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
E-Dublin TV

Trabalho de bartender na Irlanda

2 meses atrás, por Edu Giansante
Trabalho

5 sites para procurar emprego na área de saúde

2 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Trabalho

Entenda como funcionam os direitos trabalhistas na Irlanda

3 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Moradia

O lado obscuro do setor de TI na Irlanda

3 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves