Morar na Inglaterra: saiba tudo sobre como viver no país em 2021

Morar na Inglaterra: saiba tudo sobre como viver no país em 2021

Ana Carolina Brunelli

3 meses atrás

Seguro Viagem

Sabia que é obrigatório ter um seguro viagem para ir pra Europa?

O desejo de sair do país habita o coração de muitos brasileiros, não é mesmo? Na maior parte dos casos, a Europa ainda se posiciona como um dos destinos mais sonhados para se viver. Mas e quem sonha em morar na Inglaterra?

Hoje, cerca de 300 mil brasileiros vivem no Reino Unido. É muita gente, né? A Terra da Rainha, literalmente, tem uma atmosfera especial, tanto para quem ama o clima de cidade grande quanto para quem procura um lugar tranquilo e aconchegante. Mas, por conta do Brexit, muitas coisas mudaram e ainda podem mudar.

No entanto, uma pergunta continua sempre presente: ainda é possível, para um brasileiro, morar na Inglaterra?

É isso que nós vamos contar neste artigo!

Como conseguir um visto para morar na Inglaterra?

Morar na Inglaterra é o sonho de muitos brasileiros e pode se tornar realidade. Foto: David Monaghan/Unsplash

Apenas para embarcar rumo à Inglaterra para passar férias, é necessário o visto de turista para brasileiros, conhecido como Standard Visitor. O bom desse visto é que não precisa ser solicitado no Brasil. Ele pode ser concedido na entrada do país e é válido por seis meses.

Fora o Standard, existem outros tipos de vistos, chamados de “Tier”:

  • Tier 1 – Para estudantes de pós-graduação formados no Reino Unido, profissionais de alta qualificação, pessoas que queiram investir no Reino Unido (com recursos mínimos de £200.000) e investidores (com recursos de mais de £1.000.000).
  • Tier 2 – Esse é o visto específico para quem quer trabalhar na Inglaterra.
  • Tier 4 – Esse é o visto expedido pelo governo britânico para que você possa estudar na Inglaterra.

Para solicitar o Tier 4, é necessário apresentar um certificado de aceitação para os estudos, emitido pela sua instituição de ensino no Brasil. No entanto, dentro desse tipo de visto existem algumas categorias e exigência de acordo com o tempo durante o qual o estudante vai permanecer dentro do país:

  • Visto de estudante com período de estudos máximo de 6 meses para cursos de inglês: nesse caso, não é preciso solicitar o visto no Brasil e basta apresentar o visto de turismo (Standard Visitor) adquirido logo que chegar ao Reino Unido, além dos documentos de confirmação do curso.
  • Visto de estudante com período entre 7 e 11 meses para curso de inglês: como é para um período acima de seis meses, é necessário aplicar o visto dentro do Brasil. O visto chama-se Short Term Student Visa, que não permite ao estudante trabalhar ou estender o visto. Além disso, é preciso comprovar condições de se manter no país.
  • Visto de estudante com período superior a 11 meses para estudos em colégios de graduação, pós-graduação, cursos de inglês acima de 11 meses, pesquisa e outros: para essa categoria, em vez do Short Term Student Visa, será necessário a aplicação do visto General Student Visa. Para se qualificar nessa categoria, existe um critério baseado em sistema de pontos, no qual você deve atingir, pelo menos, 40 pontos para ser aceito, além de ter um inglês intermediário ou avançado.
  • Tier 5 – Esse é o visto para trabalhadores temporários, voluntariado, eventos esportivos, pesquisa e treinamento. Para trabalhadores, esse visto permite a permanência máxima de 12 meses no país e, para as outras categorias, um período máximo de 2 anos.

Como trabalhar na Inglaterra?

Inglaterra oferece visto para trabalhar ou morar, mas categorias dependem dos objetivos do requerente. Foto: Marcin Nowak on Unsplash

Para trabalhar e morar na Inglaterra, é fundamental adquirir o visto chamado Tier 2. E é possível adquirir de duas formas, sabia?

A primeira é a transferência interna feita pela empresa onde você trabalha, e isso é muito comum em multinacionais. Seria a chamada “promoção” para cargos melhores em outro país.

E a segunda forma seria enviando currículo para empresas do Reino Unido. Assim, caso alguma delas se interesse pelas suas qualificações e decida patrocinar o seu visto, você poderá conseguir o Tier 2 para permanecer no país.

Sites de emprego para buscar vagas ainda no Brasil

É claro que começar a espalhar currículo para o Reino Unido, mesmo ainda estando no Brasil, pode ser uma ótima forma de chegar ao país já com um emprego garantido. Ainda mais com a internet, que hoje em dia nos oferece inúmeros sites de emprego, possibilitando a conexão com pessoas do mundo todo.

Além disso, diversos sites têm diferentes recursos e qualidades. Enquanto alguns se concentram em um setor específico, outros focam em obter o melhor salário em sua área, por exemplo.

Pensando em toda essa facilidade e praticidade, selecionamos dez dos melhores sites de empregos do Reino Unido para ajudar nessa jornada:

  1. CV-Library
  2. WikiJob
  3. Indeed
  4. Totaljobs
  5. Reed
  6. Worki In Startups
  7. Adzuna
  8. Glassdoor
  9. CWJobs
  10. Guardian Jobs

Leia também: 5 destinos no Reino Unido que você deveria visitar

Quanto custa morar na Inglaterra?

Morar na Inglaterra não é sempre barato, mas custos vão depender do local escolhido. Foto: Colin Watts/Unsplash

É fato que morar em outro país envolve muitas despesas extras. E quando o assunto é custo de vida, a Inglaterra é conhecida por ter um custo bem elevado. Não é à toa que o Reino Unido está sempre entre os países mais caros do planeta em diversas pesquisas, considerando custos com transporte, vestuário, moradia, acesso à internet, serviços públicos, alimentação, táxis e restaurantes.

Claro que o custo de vida varia de acordo com o estilo de vida de cada um. Porém, há uma média de gastos na qual podemos ter uma base.

Vale lembrar que um trabalhador na Inglaterra que trabalhe 40 horas semanais vai ganhar, no mínimo, £ 1.395,20 por mês (cerca de £ 16.742,40 por ano).

Além disso, o custo de vida para morar na Inglaterra pode variar bastante de acordo com a cidade que você escolher para morar. Londres é a capital do país, onde estão os melhores salários e empregos. Porém, tudo tem um preço, né? E no caso de Londres, o preço é bem caro, principalmente por conta dos aluguéis.

Por esse motivo, muita gente opta por morar mais afastado do centro, na região metropolitana de Londres. Há, também, outras ótimas opções de cidades para morar na Inglaterra.

Mas antes de conferir as tantas cidades maravilhosas da Inglaterra, veja uma média de preços de Londres, a capital, comparada a outras cidades.

Aluguel na Inglaterra

O preço do aluguel varia muito entre a capital e o interior:

  • Apartamento de 1 quarto em Londres: £ 1.740,00
  • Apartamento de 1 quarto em Nottingham: £ 590,00
  • Apartamento de 1 quarto em Birmingham: £ 750,00
  • Apartamento de 1 quarto em Manchester: £ 790,00
  • Apartamento de 3 quartos em Londres: £ 3.160,00
  • Apartamento de 3 quartos em Nottingham: £ 1.030,00
  • Apartamento de 3 quartos em Birmingham: £ 1.340,00
  • Apartamento de 3 quartos em Manchester: £ 1.420,00

Os valores médios são calculados por imóveis no centro das cidades. Dados: Numbeo e Rightmove.

Despesas mensais

  • Energia, água e gás em Londres: £ 167,00
  • Energia, água e gás em Nottingham: £ 162,00
  • Energia, água e gás em Birmingham: £ 151,00
  • Energia, água e gás em Manchester: £ 137,00
  • Internet mensal (60 MB): £ 30,00 por mês

Importante saber também que na Inglaterra existe uma taxa mensal da prefeitura chamada Council Tax, e o valor varia de acordo com a cidade e número de moradores da casa.

Sem contar que é preciso muito cuidado com o uso constante de aquecedores no inverno, pois, quando a conta chega, pode ser uma baita surpresa que vai fazer você sair completamente do orçamento.

Transporte público

  • Bilhete único em Londres: £ 2,80
  • Bilhete único em Nottingham: £ 2,40
  • Bilhete único em Birmingham: £ 2,40
  • Bilhete único em Manchester: £ 3,00
  • Passe mensal em Londres: £ 150,00
  • Passe mensal em Nottingham: £ 56,00
  • Passe mensal em Birmingham: £ 65,25
  • Passe mensal em Manchester: £ 70,00

Alimentação

Em relação à alimentação, a Inglaterra tem ótimos preços de supermercados, em relação aos outros países da Europa. Existem lojas bem baratas como a Poundland (tudo por £ 1,00), Savers e Home Bargains. Além disso, em uma refeição fora de casa, você gastará cerca de £ 15,00 por pessoa, em um restaurante médio.

Mas é claro que fazer as refeições em casa é sempre uma ótima maneira de economizar ainda mais.

Vantagens e desvantagens de morar na Inglaterra

Entre as vantagens de morar na Inglaterra está a segurança. Foto: Henry Be/Unsplash

Como tudo na vida tem os seus prós e contras, morar na Inglaterra não é diferente. Existem pontos positivos e negativos como em todo lugar!

Por isso, resolvemos listar alguns deles.

Vantagens

  • Segurança: na Inglaterra, é possível sair na rua sem medo de ser assaltado a qualquer momento. É claro que a violência existe, mas em um nível muito inferior, ou seja, a segurança de viver no país é uma grande vantagem para quem busca não precisar se preocupar com isso.
  • Cultura: de fato, a Inglaterra é cheia de eventos culturais para todos os gostos. Castelos, museus, shows, peças de teatro, festivais de dança, música e cinema, etc. Além disso, tem cidades que são museus a céu aberto e com histórias em todos os cantos.
  • Organização: não é segredo para ninguém que muitas coisas na Europa realmente funcionam e são organizadas, exemplo disso é o transporte público na Inglaterra, que, além de extremamente pontual, é um meio seguro de perambular pelas cidades. Ou seja, dá para viver tranquilamente sem carro por lá.
  • Economia forte e estável: apesar da insegurança e dúvidas que a saída da União Europeia possa causar economicamente, o país está bem. Investimentos continuam sendo feitos, o que gera empregos, crescimento e outros benefícios que afetam diretamente a população.

Desvantagens

  • Clima: não é mentira quando dizem que a maior parte do ano faz frio e o céu é cinzento na Inglaterra. Então, para quem mora no Brasil e está acostumado com solzão e céu azul e gosta disso, o clima pode, de fato, ser uma desvantagem.
  • Validação do diploma: muitas profissões requerem que estrangeiros que se formaram fora revalidem seus diplomas para trabalhar na Inglaterra. Por exemplo, médicos, dentistas, advogados, engenheiros, etc. Isso leva tempo e custa caro, sem contar que a grande concentração de empregos está em Londres, o que significa pagar mais caro literalmente por tudo, inclusive moradia.
  • Regras: apesar de tudo funcionar de forma extremamente organizada na Inglaterra, um ponto negativo pode ser a burocracia, regras e leis para estabelecer toda essa organização. Quase não há flexibilidade em nada.

Leia também: Dicas de viagem pelo Reino Unido

Melhores cidades da Inglaterra para morar

Londres é um dos mais populares destinos de viagem na Europa. Foto: Pixabay

Chegou a hora de conferir a listinha das melhores cidades da Inglaterra para morar!

Londres

Londres é maior cidade do país e tem a quinta maior economia do mundo, ou seja, o país é literalmente um dos mais desenvolvidos.

Além disso, consegue perfeitamente alinhar esse progresso ao incrível charme de suas ruas e avenidas. Sem contar que a cidade oferece opções culturais, musicais e gastronômicas para todos os gostos.

Em Londres, é difícil passar por uma ruazinha sequer sem se encantar. Porém, tudo lá é mais caro, sempre!

Birmingham

Segunda maior cidade da Inglaterra, Birmingham é uma possível escolha para se viver. Foto: Tom W /Unsplash

A segunda maior cidade da Inglaterra, Birmingham é famosa por ser o berço de algumas bandas famosas como Black Sabbath e Duran Duran. Ela existe há mais de 850 anos, porém seu crescimento econômico e populacional aconteceu durante a época da Revolução Industrial.

Hoje, Birmingham é a 4ª cidade mais visitada por estrangeiros no Reino Unido. Uma das destinações mais visitadas é o museu Carbury (museu de chocolate), a Catedral de Birmingham e a Estátua do Touro na cidade.

Cambridge

Cambridge, na Inglaterra, é conhecida mundialmente por sua universidade de mesmo nome. Foto: Malgorzata Bujalska/Unsplash

Quem não ouviu falar das belezas de Cambridge, não é mesmo? A cidade, que conta com a segunda melhor Universidade do mundo, também é a área mais tecnológica do país.

A região conhecida por “Sillicon Fen” é onde a maior parte dos negócios envolvidos com softwares, biotecnologia e eletrônicos em geral estão localizados. O nome é uma analogia ao “Sillicon Valey” (Vale do Silício) nos EUA.

Como a cidade é antiga, o meio de transporte mais utilizado são as bicicletas. O fato de essa região ser a área onde menos chove no Reino Unido como um todo também influencia a escolha de muitas pessoas por se locomover apenas de bike.

Oxford

Oxford é terra da mais antiga universidade inglesa. Por isso, é destino de muitos brasileiros que escolhem estudar e morar na Inglaterra. Foto: Sidharth Bhatia/Unsplash

É na cidade de Oxford que está localiza a universidade mais famosa e antiga da Inglaterra: a Universidade de Oxford.

Oxford reúne as principais escolas do país e, hoje, apresenta características de cidade grande e de interior, sendo uma ótima opção para os estudos e para quem busca diversão.

Brighton

Brighton fica pouco mais de uma hora de trem de Londres e está localizada na costa, o que atrai muitos turistas de dentro e de fora da Inglaterra no verão.

Durante o verão, o local é um destino superprocurado pelos famosos, por causa dos festivais de música e extensa programação.

Apesar dos banhistas que circulam por todos os lados e do clima de cidade do interior, Brighton também é sede de importantes conferências políticas do país e tem diversas opções culturais, como museus e teatros.

York

Cidadezinha de universitários, York é conhecida também por suas startups. Foto: Jamie Wheeler / Unsplash

York é uma cidade que tem muitos estudantes universitários, o que se reflete no número de startups que surgem na cidade e no número de empresas que sempre procuram talentos por lá. A cidade também apresenta uma taxa de criminalidade baixa, ou seja, perfeita para quem busca um local muito tranquilo e seguro para morar.

Northampton

Situada em meio à beleza natural de Northamptonshire, Northampton é uma cidade vibrante e histórica, que foi completamente destruída por um grande incêndio em 1675. Porém, sua reconstrução acabou deixando-a com um estilo muito mais aberto do que se costumava ver na Inglaterra.

O resultado é uma cidade atraente que gira em torno da espaçosa Market Square, no centro da cidade.

Além disso, existem inúmeros museus excelentes para visitar, como o 78 Derngate, uma obra-prima arquitetônica do falecido Charles Rennie Mackintosh. É possível visitar os quartos que ele projetou e mergulhar na criatividade desse ícone. É uma cidade com bastante atrações culturais e belezas naturais.

Manchester

Manchester, cidade nascida na revolução industrial, é um dos destinos para morar na Inglaterra. Foto: William McCue/Unsplash

A cidade do famoso time de futebol também é uma das mais visitadas na Inglaterra depois de Londres e se desenvolve nas áreas sociais, tecnológicas, artísticas e esportivas.

É muito interessante nos campos da arte, cultura e esporte, além de ter um custo de vida mais barato. Foi em Manchester que nasceu a revolução industrial e foi lá que surgiram alguns dos maiores músicos da Grã-Bretanha.

Liverpool

Lar dos Beatles, Liverpool é turística e festiva. Foto: IJ Portwine /Unsplash

Liverpool é oficialmente conhecida como a “cidade do Beatles”. Além de ser famosa pela banda e pelo time de futebol, Liverpool também é uma cidade que se desenvolveu muito em sua região portuária, inclusive o famoso Titanic saiu dessa cidade no começo do século XX.

Hoje, a cidade atrai, além de turistas, muitos festivais, empresas e filmes, sendo a segunda cidade mais filmada em filmes do Reino Unido. Quem ama os Beatles com certeza não pode deixar de considerar essa cidade para passear ou, até mesmo, para morar.

Leia também: Onde estudar na Inglaterra? Londres, Oxford, Manchester ou Brighton?

Dá para morar na Inglaterra após o Brexit?

Brexit não interfere nas exigências para brasileiros já existentes antes do processo. Foto: Charlieaja | Dreamstime

Para quem ainda tem dúvidas, o Brexit é uma abreviação para a “saída britânica” (British exit) do bloco europeu formado por 28 países (agora 27) que praticam livre comércio e a facilidade de trânsito de cidadãos europeus para morar e trabalhar.

Porém, para os brasileiros que pretendem morar na Inglaterra por um curto período de tempo ou apenas visitar o país, o Brexit não vai interferir em absolutamente nada. Só é preciso levar na viagem alguns documentos comprovando laços com o Brasil e mostrar que vai apenas visitar.

Documentos que não podem faltar:

  • Passagem de ida e volta para o Brasil
  • Seguro-viagem
  • Comprovante de hospedagem para os primeiros dias
  • Comprovante de renda (extrato bancário, cartões de crédito, dinheiro em espécie)
  • Carta convite se for visitar familiar ou amigo residente legalmente
  • Comprovante do curso e o período em que vai permanecer no país

No entanto, se é brasileiro casado com um cidadão europeu, é necessário que ambos apliquem para o EU Settlement Scheme (settled and pre-settled status) até 30 junho de 2021. O processo é online, fácil e rápido para aplicar.

Ou seja, brasileiros que desejam se aventurar na Terra da Rainha podem manter os planos e preparar tudo parar viver intensamente uma experiência incrível na Inglaterra.

Veja também

Roteiro de Intercâmbio na Irlanda por quem o viveu

Ana Carolina Brunelli
Ana Carolina Brunelli, Formada em jornalismo pela UNIMEP. Criadora de conteúdo para redes sociais, com experiência em Diversidade & Inclusão. Esteve na Irlanda duas vezes e, desde a primeira vez no país, soube que Dublin era o seu lugar no mundo. Ama inspirar e incentivar as pessoas a viverem a incrível experiência de conhecer a Ilha Esmeralda.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar