Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Papo de Chef

O inglês é o principal na hora da entrevista de emprego?

Lays Gomes postou em 03 mar 2018

Agora que o governo irlandês está em busca de cerca de oito mil cozinheiros profissionais para suprir a carência do setor.  É hora de se preparar para essa oportunidade.

A coluna Papo de Chef de hoje traz uma entrevista com o Head Chef irlandês Tomaz Nagle, que nos conta algumas curiosidades sobre a forma com que ele seleciona os profissionais para a sua cozinha.

O que será que pesa para ele na hora de contratar um estrangeiro? O inglês é um fator chave? Ou será a experiência o fator mais relevante?

interview. shutterstock_429876001

O que conta mais na hora da entrevista? O inglês ou a experiência? Foto Shutterstock

Tomaz Nagle é um chef de cozinha irlandês e é com ele com quem eu trabalho desde o meu primeiro mês na Ilha. Dentre nossas conversas na cozinha, ele já havia me contado um pouco de sua história, até que criei coragem e o convidei para esta entrevista, afinal, eu tinha uma grande dúvida: como ele seleciona e contrata os profissionais estrangeiros, como eu?

Ele também começou como Kitchen Porter

A minha primeira surpresa sobre o Tom, como o chamamos na cozinha, foi que ele, assim como a maioria de nós, também começou como floor staff. Aos 15 anos, começou trabalhando em pubs servindo a famosa “Pint”, limpando banheiros e, às vezes, também auxiliava na lavagem das louças. Aos 19 anos, chegou à posição de chef. Foi nesta mesma época que decidiu ir para a universidade estudar gastronomia. Atualmente, aos 49 anos, é Head Chef em dois restaurantes.

O que o chef leva em conta na hora da contratação?

interv.shutterstock_108045947

Boa aparência, roupas limpas e pontualidade. Foto: Shutterstock

“Boa aparência, roupas limpas e pontualidade” – esses são alguns dos principais pontos que o Chef avalia na hora da seleção dos candidatos. Além deles, ter alguma experiência na área, mesmo que mínima, ajuda muito – mas não é o principal.

E o nível do inglês?

Para ele, não importa o nível de inglês do candidato. O mais importante é o entusiasmo com o trabalho. Ele nos conta que já encontrou vários profissionais que tiveram vergonha de falar durante a entrevista, mas afirma: o Google está aí para isso. “Aliás, eu mesmo vou usar o tradutor do Google para ler esta entrevista quando ela for publicada, já que não falo Português”, brinca. “Se a pessoa tiver a experiência que procuro e motivação pelo que faz, a língua torna-se um fator secundário”.

O que ele nos conta da experiência com brasileiros?

O chef já trabalhou com muitos brasileiros ao decorrer de sua carreira. Ele confessa achar curioso quando as pessoas apontam o Brasil como um país perigoso. Para ele, os brasileiros estão entre as nacionalidades mais honestas com quem já teve contato. Além de amigáveis e com muita disposição para trabalhar, a pontualidade também está entre as qualidades que ele observou ao longo de sua experiência com nossos conterrâneos.

Apesar dele ser aberto à contratação de profissionais estramgeiros, o chef finaliza dizendo que já teve contato com outros colegas de profissão que não gostam de contratar profissionais de outras nacionalidades, assim como também já se deparou com chefes que contratavam apenas pela mão de obra barata, sem nenhum respeito pelos profissionais.

Para saber mais sobre como é trabalhar nas cozinhas de restaurantes irlandeses, não deixe de conferir nossas outras publicações sobre o tema.

logo

Para saber mais sobre as aventuras culinárias da Lays basta segui-la no Facebook e YouTube.

Revisado por Tarcísio Junior
Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Nossa colunista gastronômica é uma mineira de 22 anos que sempre soube como correr atrás de seus objetivos. Apaixonada por viagem e gastronomia, ela tem muita energia e determinação para chegar onde quer. Cozinhar para os outros sempre foi uma inspiração e uma forma de demonstrar amor. Formada em Gastronomia, ela busca aprimorar suas habilidades e enriquecer seu conhecimento em cada canto do mundo que conseguir visitar.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Idiomas

Será que o seu inglês deslanchou no intercâmbio?

1 mês atrás, por Colaborador E-Dublin
Mercado

Irlanda têm vagas para biotécnicos e químicos

2 meses atrás, por Deby Pimentel
E-Dublin TV

Como é o mercado de trabalho na Irlanda

2 meses atrás, por Edu Giansante