Os desafios dos estudantes europeus na Irlanda

Os desafios dos estudantes europeus na Irlanda

Colaborador E-Dublin

3 anos atrás

Quanto custa um intercâmbio?

Não vendemos pacotes e nem somos agência,
mas podemos te colocar em contato com elas.

A gente sempre comenta dos perrengues que todo intercambista não europeu enfrenta ao desembarcar na Irlanda. Mas o papo, hoje, é com duas intercambista europeias. Será que a vida de estudante para um cidadão europeu é mesmo cheia de privilégios como muitos pensam, sem obstáculos?

Por Fabiano de Araújo

shutterstock_329796626

Quem disse que os estudantes europeus na Irlanda não enfrentam desafios? Crédito: Shutterstock

Para esclarecer essa dúvida, convidei a Adriana Sanjuan Andrés, de 24 anos, natural de Yecla, na Espanha, e a Frédérique Wyts – ou apenas Fréd -, também de 24 anos, de Paris, na França. Elas nos contaram como tem sido a vida na Ilha Esmeralda como estudantes de inglês.

Por que a Irlanda?

Eu não podia começar o meu bate papo sem antes saber quais eram os motivos que as trouxeram para cá.

Para Adriana, os motivos foram profissionais. “Trabalho como tradutora de Espanhol x Inglês e precisava passar um tempo vivenciando a língua para aprimorar os meus conhecimentos linguísticos. Com a saída do Reino Unido da comunidade da União Europeia, o único país pelo qual eu poderia viver sem ter maiores problemas burocráticos e que o idioma oficial era o inglês, é a Irlanda”.

Já para Fréd, o principal motivo foi a curiosidade sobre a cultura irlandesa. “O meu objetivo era compreender o sotaque irlandês, bem como melhorar as minhas competências linguísticas. Eu também escolhi porque é perto de França, a moeda é a mesma e as passagens aéreas são muito mais em conta”.

Acomodações

Uma das grandes dores de cabeça entre os intercambistas brasileiros é a procura por acomodações. Será que com os europeus é igual?

Adriana, assim como os estudantes brasileiros, também passou apuros na busca por acomodação. Arquivo Pessoal

Adriana comentou não ter sido uma tarefa fácil. Ela havia vindo com uma amiga, que logo conseguiu um emprego como aupair. Por sorte, a dona da casa concordou que ela ficasse junto com a amiga até que encontrasse uma acomodação. Após um mês de procura, a frustração foi grande e ela já cogitava uma proposta de mudança da Irlanda. Seus maiores obstáculos foram os preços altos e más opções para um estudante – sem contar a dezena de entrevistas sem respostas. Quando já estava para desistir, eis que surgiu a tão esperada vaga – hoje ela divide quarto com uma brasileira.

Já a Fréd passou por duas acomodações. A primeira encontrou com facilidade e dividia a casa com mais sete pessoas. Três meses depois, o landlord pediu o imóvel de volta e todos tiveram que deixar a acomodação. Foi aí que ela teve um pouco de dor de cabeça. O cenário não foi muito diferente do comentado acima pela Adriana: casas com preços acima da média e muitos lugares na região central sem condições de abrigar dignamente uma pessoa.

Trabalho

Muitos comentam que europeus tem maiores chances de encontrar um trabalho. Será que esse foi o caso da meninas?

adriana1

Irlanda é uma boa opção de exercer a profissão de tradutora. Arquivo Pessoal

A Adriana está tentando exercer sua profissão de tradutora e intérprete de Espanhol x Inglês aqui na Irlanda. “Para falar a  verdade, não foi difícil me colocar no mercado, até porque existem poucos profissionais intérpretes em Dublin. Porém, o problema é que a procura por esses profissionais também é baixa, então quase não tenho trabalho.” A solução da Adriana para conseguir manter as contas em dias foi correr atrás de trabalhos em outras áreas, mas como não possui experiência em outros setores, tem enfrentado dificuldades para encontrá-los.

Com a Fréd não foi diferente. Foram 3 meses de procura até conseguir uma vaga de housekeeper em um hotel no centro da cidade. Mesmo tendo experiência com hotéis na França, no inicio não foi fácil. “Não era uma área na qual eu pensava em atuar na Irlanda, mas o contato constante com a língua nativa se tornou a minha grande motivação. Acabei abraçando o desafio da mesma forma que tive que enfrentar as dificuldades para encontrar a acomodação”.

Documentação

Bom, essa, sem sombra de dúvidas, é a maior vantagem de ser um estudante europeu na Irlanda. Sabe aqueles requisitos? Passagem de ida e volta, 3 mil de comprovação financeira, carta de escola e aí por adiante? Nadinha disso. Tanto a Adriana quanto a Fréd apenas se preocuparam em abrir uma conta bancária e providenciar o PPS quando foram contratadas.

Clima e Adaptação

Mesmo morando na Europa será que o clima irlandês interferiu na adaptação?

fred

Fréd no Phoenix Park. Arquivo Pessoal

Adriana: “O frio aqui é muito mais intenso que na Espanha, mas não foi tão difícil me adaptar. Porém, o fato de anoitecer mais cedo no inverno e às 17h já estar tudo escuro lá fora, dá a impressão de que os dias são muito mais curtos.”

Fréd: “Chove muito, mas o pior é o vento. Eu chego a colocar três camadas de roupas. Por outro lado, em dias ensolarados Dublin é incrível, especialmente no verão. Os dias são mais longos e é delicioso desfrutar os parques e pubs com mais tempo.”

Conterrâneos 

Quando eu cheguei em Dublin, tinha a impressão de que escutava muita gente falando português nas ruas. Será que acontece o mesmo com outras nacionalidades?

Adriana: “Sempre encontro muitos espanhóis pela cidade e não é nada difícil escutar o espanhol pelo centro de Dublin”.

Fréd: “Não é tão comum, mas sempre escuto alguém falando francês aqui ou ali quando circulo pela cidade”.

Como podemos ver, apesar de algumas facilidades, nada vem de mão beijada. A vida dos estudantes europeus na Irlanda, assim como nós, também tem seus desafios e pode não ser tão privilegiada assim.

No final das contas, seja você europeu ou não, a experiência longe de seu país certamente vai te impor alguns desafios, mas tenha plena certeza de que tudo é um grande aprendizado.

Sobre o autor:
Crédito Samantha Camelo
Fabiano de Araújo é gaúcho de carteirinha, mas catarinense de coração. Formado em Comércio Exterior, trabalhou 10 anos com exportação. Um belo dia resolveu largar tudo e encarar um intercambio próximo dos 40 anos, como forma de entrar na melhor idade realizando sonhos. Amante por viagens inesperadas está sempre com uma mochila pronta para encarar desafios. Resolveu compartilhar de sua aventura com os demais por acreditar que nunca é tarde para realizar sonhos.

Revisado por Tarcisio Junior
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Veja também

Quanto custa e como pagar por um intercâmbio

Colaborador E-Dublin
Colaborador E-Dublin, Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

  • Na dúvida sobre qual exame de proficiência fazer?

    Planeje seu Intercâmbio

    Na dúvida sobre qual exame de proficiência fazer?

    Os exames de proficiência em uma determinada língua são muito importantes...

    Colaborador E-Dublin

    3 horas atrás

    Na dúvida sobre qual exame de proficiência fazer?
  • Intercâmbio para pessoas com deficiência

    Destinos de Intercâmbio

    Intercâmbio para pessoas com deficiência

    Sair do país, jogar-se num mundo novo e desconhecido para aprender uma nova...

    Larissa Fontes

    4 dias atrás

    Intercâmbio para pessoas com deficiência

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar