Qual a importância do portfólio na busca pelo emprego?

Qual a importância do portfólio na busca pelo emprego?

Rubinho Vitti

4 meses atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

Se um bom currículo é o cartão de visita de um profissional para a possibilidade de conquistar uma vaga de emprego, um bom portfólio pode ser a porta de entrada definitiva para o cargo dos sonhos. Profissionais de design, artes gráficas, fotografia, publicidade, jornalismo, entre outras áreas precisam ter na ponta dos dedos uma coleção do trabalho já realizado em um portfólio bem-feito.

O E-Dublin conversou com alguns desses profissionais para mostrar dicas de como montar seu próprio portfólio, para quando um recrutador ou uma empresa solicitá-lo.

Com portfólio, curitibano garantiu emprego em Dublin

O product designer Fabiano Souza morava em Curitiba, mas só pensava na sua vontade de sair do Brasil para trabalhar fora. Um recrutador achou seu perfil no LinkedIn e mandou uma mensagem dizendo haver uma oportunidade legal em uma empresa na Irlanda. “Eu fiquei um pouco desconfiado, achava que não era o momento e ignorei essa mensagem por uma semana. Daí pensei: vamos lá, vamos fazer mais uma entrevista para praticar”, disse.

Ele tinha acabado de montar seu portfólio e precisou dele para mostrar para a empresa. Só depois da análise dos trabalhos já criados por Fabiano é que houve o primeiro teste. “Pediram para eu fazer o design de um produto e, depois, rolou mais uma conversa para eu explicar como foi o meu teste. Queriam saber se fui eu mesmo que fiz”, disse.

Plataformas online hospedam portfólios

Trabalho desenvolvido por Fabiano Souza consta em seu portfólio. Foto: Reprodução

O portfólio de Fabiano está hospedado em um domínio próprio, onde constam links para as redes sociais e LinkedIn, um texto sobre o profissional e três projetos, que mostram o processo do designer. “Além disso tenho mais um perfil no Dribbble com alguns trabalhos e no Behance. Esses são os lugares onde exponho meus projetos públicos”, explicou.

Para Fabiano, quando ele decide o que colocar no portfólio, ele busca selecionar projetos mais diferentes entre si, mas que consigam mostrar todo o seu processo, desde como tomou as primeiras decisões até o fim. “Eu tento expor de 3 a 2 projetos. Geralmente, os recrutadores não têm tempo de ver mais que isso. E tento escolher os projetos mais recentes.”

Portfólio é uma forma de contar sua história profissional

Processo criativo de projeto desenvolvido por Fabiano Souza está presente em seu portfólio. Foto: Reprodução

Além das versões públicas, utilizadas para que recrutadores ou pessoas interessadas no trabalho possam ver, Fabiano guarda uma versão com projetos particulares, que é mostrada apenas já com o processo de contratação já em fase de seleção.

“Os portfólios sempre são solicitados. Em um processo seletivo, os recrutadores precisam ver se você tem os skills mínimos necessários e, durante o processo, você vai precisar apresentar de um a dois projetos. Nesse caso, vale até ter uma apresentação no estilo PPT (Power Point). O que importa é contar uma história, mostrando o que você sabe fazer, mas também mostrando o lado pessoal, o que você faz nas horas vagas, por exemplo.”

Neste ano, Fabiano decidiu tentar aplicar para vagas em diversas cidades da Europa. “No processo para o Spotify, em Londres, acabei descobrindo uma vaga da empresa em Estocolmo. O portfólio foi bastante importante do começo ao fim. Foi por meio dos meus projetos que eles conseguiram decidir se eu me encaixaria no time de lá ou não.”

Menos é mais em um portfólio

Portfólio de Fábio Gibelli reúne diferentes tipos de trabalhos em fotografia e design. Foto: Reprodução

Fotógrafo e editor de vídeo, o publicitário Fábio Gibelli trabalha como freelancer em Dublin e tem o portfólio como vitrine para mostrar seus trabalhos às empresas que vão contratá-lo. “Nele, constam artes gráficas de folhetos, logos, revistas, além de trabalhos fotográficos, matérias e competições que ganhei”, explica.

Para ele, a seleção é simples: os melhores trabalhos estão lá. “Pego sempre os que eu acho bom. Menos é mais nesse caso. Não tem um número certo”, afirmou.

16 dicas para montar um bom portfólio

O site Canva, que disponibiliza criação de arte gráfica online, disponibilizou uma lista com dicas de como criar um bom portfólio. Entre elas, estão:

  1. Seja atencioso com o que você inclui.
  2. Selecione apenas suas peças mais fortes.
  3. Mostre seu trabalho mais original e criativo.
  4. Tenha variedade.
  5. Decida quantas peças incluir.
  6. Questione-se sobre a necessidade de um portfólio online ou físico
  7. Use alta resolução.
  8. Fique atualizado.
  9. Certifique-se de que as peças fluam bem de uma para a outra.
  10. Torne a visita ao portfólio interessante.
  11. Pode incluir trabalhos pessoais
  12. Mostre os resultados.
  13. Mostre o processo de construção do design.
  14. Não use flash ou animação em seu portfólio online.
  15. Revise, adicione, exclua.
  16. Peça a opinião dos colegas.
Rubinho Vitti
Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar