Quando deixei o Brasil foi que conheci o Brasil

Quando deixei o Brasil foi que conheci o Brasil

Colaborador E-Dublin

5 meses atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

Parei para relembrar meus passos na terrinha e me questionei por onde andei. Refleti sobre o mundo que eu conhecia e vi que não conhecia nada, que muitos dos lugares que ia, das músicas que escutava e do que meus olhos viam, no geral, eram limitados e pré-selecionados.

Ok, quem é de São Paulo sabe que aquele é um mundo de possibilidades e incansáveis opções de lugares para ir, e nem sempre o tempo e as distâncias nos permitem conhecer tudo, assim como valores de passagem para a raiz de uma porção das descobertas não são no preço de uma Ryanair.

Eis que, já que eu não fui até o Nordeste no Brasil, ele veio até Dublin. Há pouco mais de um ano, em uma quinta-feira, apareci no Mercantile através do convite de uma amiga para conhecer um pouco do que o Nordeste tem. Quando cheguei, já tinha gente arrastando o pé há anos.

Descobri o Nordeste brasileiro em Dublin. © Marcio Silva | Dreamstime.com

Descobri o Nordeste brasileiro em Dublin. © Marcio Silva | Dreamstime

Mal pisei lá e a mão de um cavalheiro veio me chamando pra uma valsa (ou uma quase salsa), e eu só fui. Eu forrozeei como nunca antes na minha vida brasileira. Saí de lá com músculos despertos, a blusa molhada e um sorriso no rosto como que dizendo: “que delícia de terra essa a nossa”. Terra de gente boa, de gente do bem, de gente que nasceu com riqueza nos pés e estava ali, fazendo o chão lamber esta cultura e contagiar o restante do mundo.

Sim, o mundo está querendo forrobodó, com o poder da essência da palavra, afinal o pessoal ali só quer dançar e tomar água se der tempo de parar a roda entre uma dança e outra.

Vi gente de fora dançando um xote agarradinho, colando a testa suada em outra, aliviando a correria que os pés tiveram no dia na pista, levando o par na dança e deixando-se levar, confiando no contato físico e nos seus próprios passos de olhos fechados.

De repente, me vi aprendendo a ser levada pela zabumba na gringa, dançando com irlandeses que foram contaminados ainda antes de mim mesma pelo ritmo brasileiro no corpo e alma, vendo-os cantar a poesia que o forró emite pelo metal do triângulo.

Vi os passos dessa dança serem levadas a outros ambientes mundiais e tomando cada vez mais espaço, trazendo cada vez mais pessoas para a roda, que já nem sei mais: não sei dizer de onde o forró vem, se foi o irlandês que chamou primeiro ou se fomos nós, brasileiros. Só sei que já está tudo junto e misturado. E talvez Gilberto Gil estivesse certo em dizer que a expressão “for all” é de onde forró é derivado.

Para informações sobre os eventos de forró, acesse a página do Forró Dublin e entre na roda!

Sobre a autora:
Marluce Lima estudou Recursos Humanos em São Paulo, porém caiu de gaiato na área Financeira sem saber fazer cálculos, até que resolveu achar o “x” da equação que faltava e então resolveu trocar a selva de pedra e fazer um check-in pelo mundo. Morando em Dublin por quase três anos, descobriu que ainda há muito o que ver por aí – e a escrever.

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Colaborador E-Dublin
Colaborador E-Dublin, Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar