Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Meu Intercâmbio

Quando o intercâmbio acontece aos 18 anos

Andre Luis Cia postou em 20 set 2016

A famosa geração canguru – aquela formada por jovens entre 25 e 34 anos que ainda moram com os pais, resistindo a abandonar a comodidade da casa paterna – é um fenômeno mundial, sempre recorrente na sociedade brasileira. Porém, cada vez mais observa-se o interesse dos mais jovens, na faixa dos 18 anos, de se jogarem no mundo em busca de novas experiências culturais, o que geralmente proporciona um amadurecimento que vai além da fluência em um novo idioma.

Foto: Shutterstock

Foto: Pixabay

O gaúcho Matias Herter foi um desses jovens. Aos 19 anos, embarcou para sua primeira experiência internacional.

Em 2015, na companhia de uma prima e de uma colega do seu antigo trabalho, chegava a Dublin. No coração, o desejo de conquistar coisas diferentes. Apesar de já ter responsabilidades no Brasil, como o trabalho em uma petroquímica, o jovem diz que existia uma vontade latente de buscar novos horizontes. “Foi uma decisão muito acertada, porque o intercâmbio me trouxe ainda mais amadurecimento”.

Nascido numa pequena cidade gaúcha chamada Feliz, Herter garante que, desde muito pequeno, foi educado a fazer as tarefas de casa. Isso fez com que seu processo de amadurecimento fosse mais acelerado do que o de outras pessoas de sua idade. Quando saiu de casa por causa de um trabalho em outra cidade, ele diz que já tinha condições de se virar sozinho. O que mudava, porém, era o fato de que dali para frente seria só “ele por ele mesmo” tomando suas próprias decisões.

Mesmo com a vida independente que já tinha no Brasil, Herter conta que começou a pulsar dentro dele uma vontade muito grande de viver coisas diferentes, que ainda não tinha vivido, como a experiência de estar em contato direto com outras culturas e pessoas de diferentes partes do mundo – e foi isso que o trouxe à Irlanda. “Gosto do clima frio da cidade, da segurança que temos aqui, sem contar que, de fato, é a primeira vez que realmente estou sem ninguém de minha família por perto. Não tenho o meu porto seguro, que são eles, mas ao mesmo tempo, a experiência tem sido enriquecedora”.

herter

“Poder viajar sozinho como mochileiro pela Europa foi uma das experiências mais intensas durante o meu intercâmbio.” Foto: Arquivo Pessoal

A mesma sensação de liberdade e de novas conquistas foi destacada pela jovem Indiamara Carmela Claudino para justificar sua saída do Brasil. Aos 18 anos, ela se diz realizada e feliz pela escolha que tomou. No entanto, explica que no início pode ser assustador pensar em ter uma vida fora da casa dos pais. “Crescer requer sacrifícios, mas no final você descobre que a independência é a melhor sensação que existe”.

Nascida em uma cidade do interior de Santa Catarina, ela é a filha do meio. Indiamara confessa que, ainda na infância, já tinha o interesse de morar fora do Brasil, mas Dublin nunca tinha sido uma opção. Sonhava com a Inglaterra, mas quando começou a pesquisar os prós e os contras, viu que o destino mais apropriado para ela seria a Ilha Esmeralda, pela facilidade do visto de estudante e a possibilidade de trabalhar legalmente meio período.

Os primeiros dias no novo país foram os mais difíceis. Estava sozinha e as decisões teriam que ser somente suas, como escolher acomodação com preço acessível e boa localização, as primeiras compras no supermercado – sem contar a incessante busca por trabalho. “A realidade bate realmente quando ouvimos muitos “nãos” de empresas que exigem experiência”. Mesmo assim, ela conseguiu um emprego temporário como au pair, o que lhe ajudou a poupar no início. Porém, logo depois ficou desempregada e teve que recomeçar a saga por um trabalho, mas agora com a vantagem de ter referências, curso de barista e de ter melhorado o inglês. “Tudo isso me faz acreditar que algo bom estava por vir. O segredo é não ficar parada ou desistir no primeiro ‘não’ que recebemos”, aconselha.

Passados os primeiros meses após sua chegada em Dublin, Indiamara aponta que pôde constatar na prática que a vida adulta não é tão fácil como pintada em alguns filmes, e que ser dona do próprio nariz não é uma tarefa fácil.  Morar sozinho, segundo ela, às vezes exige decisões rápidas e riscos devem ser tomados. “Intercâmbio é uma experiência única. Aprendi muitas coisas em quatro meses, que demoraria muito mais tempo se estivesse no Brasil”, compara.

india

Indiamara ressalta que o intercâmbio acelera o amadurecimento pessoal, mas que nem sempre é fácil. Foto: Arquivo Pessoal

Entre as principais dificuldades, ela destaca a saudade da família, do conforto de casa, do país (ela não imaginava que sentiria tanta falta do Brasil), o clima muito diferente, além do choque cultural. “Morar com estranhos é se sentir parte de uma família que sempre muda, mas menos assustador do que eu imaginava. Você conhece muitas pessoas, mas elas não vão continuar com você por muito tempo. Isso é normal na vida de um intercambista”.

Num rápido balanço de sua experiência até o momento, ela se sente orgulhosa das lições aprendidas, ressaltando que foram momentos que marcaram o início de sua vida adulta.

Revisado por Tarcísio Junior
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Jornalista com pós-graduação em Roteiro para TV e Cinema, é autor do livro Desejo de viver, que conta a história de luta, superação e de amor à vida de Eliete Gandolfi Cia, sua mãe, falecida em2015. Profissional com 18 anos de experiência na área de comunicação, incluindo a idealização, produção e escrita de duas séries de jornalismo internacional: sonho americano e sonho italiano, e atuação em diferentes veículos de mídia do Brasil, como redações de jornais impressos, assessorias de imprensa e TV, dentre outros.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Escolas

8 motivos para fazer o seu intercâmbio em Donegal

2 dias atrás, por Publicidade E-Dublin
Dicas de Viagem

Que tal veranear em Dingle?

1 semana atrás, por Colaborador E-Dublin
Destinos de Intercâmbio

O destino do meu intercâmbio: EUA

2 semanas atrás, por Colaborador E-Dublin
Idiomas

Português de Portugal é mesmo parecido com o do Brasil?

2 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Idiomas

Cinco destinos para aprender espanhol

2 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Divã E-Dublin

Quando a saudade de casa aperta

2 semanas atrás, por Juliana Polydoro
Crônicas

Eu quero mais

2 semanas atrás, por Lívia Alen
Crônicas

Carta a um futuro intercambista 

2 semanas atrás, por Lívia Alen