Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Conte Sua Historia

Quanto tempo demorei para encontrar trabalho na Irlanda?

Colaborador E-Dublin postou em 24 nov 2016

Quando se está na casa dos 40 anos, as preocupações  sobre trabalhar na Irlanda aumentam, e muito, uma vez que chegamos aqui com o modelo brasileiro na cabeça – onde não ser mais um garotinho pode pesar na hora de procurar por trabalho.

Como é trabalhar na Irlanda? Foto: Shutterstock

Como é trabalhar na Irlanda? Foto: Shutterstock

Então você vem para Irlanda, traz os seus 3 mil euros, mais um dinheiro extra para os primeiros dias (no meu caso 1500 euros se foram rapidinho, nos primeiros dois meses com o GNIB, caução da acomodação, despesas com a adaptação na cidade e por aí vai).

Aliás, esses dois primeiros meses são intensos. É quando você começa a estudar, correr atrás de residência fixa, colocar em dia a sua documentação e resolver mais um monte de coisas naturais do processo de adaptação em um novo país. Depois que toda essa avalanche passa, chega a hora de se concentrar em outro tópico importante: o emprego.

Infelizmente, os 3 mil euros não rendem muito e, como dinheiro não dá em árvores, se você não se cuidar pode acabar voltando para o Brasil antes mesmo de terminar os 6 meses de curso.

Desde quando comecei a pesquisar o tópico “emprego” durante o intercâmbio, o achava un tanto complicado, pois varia muito de pessoa para pessoa. Há pessoas que vão se desesperar logo nos primeiros meses sem conseguir nada, outras que se acomodarão, outras ainda que pensarão em voltar para o Brasil no primeiro NÃO que receberem. Mas, há também uma turminha que encara sem medo os desafios e pouco a pouco encontram seu lugar no mercado de trabalho irlandês. No final das contas, a verdade é que não existe uma fórmula única.

Como foi para mim trabalhar na Irlanda?

Foi difícil. Meses de procura e nada. Bateu o desespero? Claro! Mas, posso dizer que o processo foi de um aprendizado muito grande. Percebi que aqui na Irlanda, na hora de procurar emprego, não importa se você tem 20 anos ou 40.preconceito também é infinitamente menor que no Brasil.

O que vai contar mesmo é a sua desenvoltura com o inglês, seja qual for o nível. Como a Juliana Vital contou nesse video do PCVV, as experiências de entrevistas podem ser surrealistas, e no final dar certo. A sua disponibilidade para encarar qualquer tipo de trabalho, mesmo aqueles aquém da sua qualificação, também é um ponto importante.

A realidade dos primeiros dias na Irlanda

Estratégias importantes na hora de buscar trabalho na Irlanda. Foto: Shutterstock

Estratégias importantes na hora de buscar trabalho na Irlanda. Foto: Shutterstock

No momento da procura por trabalho, a primeira coisa que se percebe é que, quase sempre, os anos de trabalho e a experiência em empresas no Brasil não valem quase nada. É como se as suas qualificações não embarcassem com você para o intercâmbio. Na realidade, o idioma se transforma em uma das principais ferramentas na integração e adaptação em um novo país, e se você não o tem, o seu currículo de graduação, pós graduação, MBA, acaba ficando em segundo plano – pelo menos nessa etapa inicial do processo.

Você fatalmente terá que recorrer aos CVs de “Cleaner”, como se diz por aí, e ainda posar de profissional experiente com um ou mais anos de experiência. Posso afirmar com propriedade que é uma sensação esquisita, mas o fato é que na terra dos outros, em um novo contexto cultural e com o inglês básico, o melhor que se faz é encarar a realidade de uma vez.

Encarar sem medo os muitos “Nãos”

Prepare-se para os “Nãos” na busca de uma vaga de trabalho. Foto: Shutterstock

Prepare-se para os “Nãos” na busca de uma vaga de trabalho. Foto: Shutterstock

Estar preparado para os “Nãos” é o ponto chave na busca de uma vaga de trabalho. Nem sempre o local onde você vai buscar uma vaga vai te dar atenção. Muitos, por exemplo, nem irão receber o seu currículo. Então é importante você se adaptar e não encarar o Não como o fim do mundo. A atitude positiva e o olhar sempre para frente serão virtudes fundamentais nessa etapa do processo. Acredite em si, pensamento positivo e move on.

O que fazer se o emprego não surgir?

Você tem duas opções: ficar em casa esperando o seu intercâmbio terminar ou procurar uma ocupação voluntária. No meu caso fui em busca de trabalhos voluntários, o que se tornou uma grande oportunidade de praticar a conversação em inglês, além de contar pontos extras no meu currículo, já que qualquer experiência realizada no país se torna relevante.

Uma coisa que já sabia antes de chegar a Irlanda era que o trabalho não estava fácil para ninguém. Então, a dica é: não entre em pânico. Venha preparado com uma graninha extra, ou pelo menos não estoure tudo com a excitação das primeiras semanas. Ao final, diante das histórias que tenho escutado, uma hora ou outra a grande maioria encontra um trampo.

Na pior das hipóteses, se o emprego não aparecer e você, por fim, decidir antecipar a sua volta para o Brasil, já levará muito na bagagem: a vivência no exterior, ter conhecido outra cultura, outros costumes, ter melhorado o inglês e também ter melhorado como pessoa.

Para mim, o tão celebrado Trabalho chegou depois de sete longos meses. A jornada foi árdua, mas valeu muito a pena. Os dois primeiros jobs – o primeiro de cleaner e o segundo de kitchen porter – foram por temporadas muito curtas. No terceiro, finalmente tive um contrato formal.

Atualmente trabalho em uma empresa na qual entreguei cinco currículos antes de conseguir a entrevista. O inglês ainda oscilante não me ajudou e eu não passei, mas mesmo assim pedi para fazer um teste sem compromisso, pois tinha muita vontade de trabalhar. A estratégia funcionou, já que dois dias depois me chamaram para fazer parte da equipe!

Esse texto faz parte da série Dublin para Maiores, assinado pelo nosso colunista Fabiano de Araújo e conta a perspectiva daqueles que decidem fazer intercâmbio na maturidade.

Crédito Samantha Camelo Sobre o autor:
Fabiano de Araújo é gaúcho de carteirinha, mas catarinense de coração. Formado em Comércio Exterior, trabalhou 10 anos com exportação. Um belo dia resolveu largar tudo e encarar um intercambio próximo dos 40 anos, como forma de entrar na melhor idade realizando sonhos. Amante por viagens inesperadas está sempre com uma mochila pronta para encarar desafios. Resolveu compartilhar de sua aventura com os demais por acreditar que nunca é tarde para realizar sonhos.

Revisado por Tarcisio Junior
Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

 

Sobre o Autor


Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

E-Dublin TV

Coordenador de recrutamento na Irlanda

6 dias atrás, por Edu Giansante
Trabalho

Engravidou? Conheça seus direitos trabalhistas na Irlanda

1 semana atrás, por Elizabeth Gonçalves
Trabalho

Uma menina de 20 a caminho de ser chef na Irlanda

2 semanas atrás, por Colaborador E-Dublin
Meu Intercâmbio

Existe hora certa para pedir demissão?

2 semanas atrás, por Andre Luis Cia
Trabalho

Vale investir na área de gastronomia na Irlanda?

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Pré-intercâmbio

Como planejar o seu intercâmbio na Irlanda: O Visto

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
E-Dublin TV

Área de comercio exterior na Irlanda

3 semanas atrás, por Edu Giansante
Trabalho

Como passei de Kitchen Porter a Chef

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Pré-intercâmbio

O custo de vida na Irlanda

3 semanas atrás, por Carol Braziel
Trabalho

P60 e reembolso do imposto de renda na Irlanda

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves