Minha quarentena vivendo com uma família no interior da Irlanda

Minha quarentena vivendo com uma família no interior da Irlanda

Rubinho Vitti

1 semana atrás

Siga o E-Dublin no Instagram

Assim que cheguei à Irlanda, meu primeiro endereço foi Dublin. Passados sete meses aproveitando essa capital extraordinária, decidi me aventurar e ter novas experiências no interior.

Mudei-me para Limerick City, o que não foi bem o que eu imaginava de uma cidade do interior. Esperava vaquinhas e ovelhinhas por todo lado, mas encontrei trânsito, muita gente circulando, grandes lojas conhecidas, tais como Zara, H&M, Penneys, etc.

Em Limerick, trabalho em um café no Crescent Shopping e, devido às restrições causadas pela pandemia, o estabelecimento se viu forçado a fechar.

Já que eu iria ficar em casa esperando o lockdown terminar, meu namorado, que é irlandês, me convidou para passar alguns dias na casa dele, no condado de Laois (se pronuncia Lis, mas falando igual carioca: lixxx).

Três meses em uma fazenda irlandesa

Adriana Cruz se aventurou em uma fazenda irlandesa durante o tempo que ficou de quarentena em Laois. Foto: acervo pessoal

Em Laois, sim, é interior. Encontrei as vaquinhas e ovelhinhas que eu estava procurando. Esses “alguns dias” se tornaram em uma estadia de 3 meses — de março a julho de 2020 —, ou seja, toda a primeira fase do lockdown na Irlanda.

Foram 3 meses de descobertas, novos vocabulários, uma perspectiva sobre a vida no campo e tendo a oportunidade de estar no seio familiar irlandês.

Mesmo para mim, carioca da gema, acostumada com o fervor da cidade, me rendi aos encantos do interior da Irlanda (e também aos encantos do meu ruivinho irlandês).

Quarentena no interior da Irlanda: convivendo com o sotaque irlandês

Foi e ainda é um aprendizado entender os diferentes sotaques na Irlanda. Cada condado tem seu próprio jeito de falar. Em Limerick, por exemplo, existe uma melodia ao falar, é um quase cantar.

Já em Laois, a velocidade que eles falam, misturado com a pronúncia e gírias locais, faz com que seja mais difícil de compreender o que eles estão dizendo. Mas não é impossível, com o tempo o cérebro se acostuma.

Leia também: Intercâmbio na Irlanda: o guia definitivo (2020)

Vocabulário irlandês do interior

No interior da Irlanda, Adriana Cruz aprendeu melhor como pronunciar as palavra com sotaque irlandês. Foto: acervo pessoal

Me diverti aprendendo novas palavras e expressões que não aprendi na escola de inglês. Minhas favoritas são “googies”, que significa ovos; “spuds”, que é o mesmo que batatas, e “telly”, igual a televisão ou TV.

“Taking the piss” (brincando, sacaneando alguém), “giving out” (dando bronca) e “poor craytur (creature)” ou “poor thing” (tadinho) são expressões básicas se você quiser soar um pouco mais irlandês.

Considero gaélico bem difícil, mas há duas palavras que precisei aprender, uma vez que foram faladas repetidas vezes durante a quarentena. Como o governo tinha que se pronunciar constantemente a respeito do coronavírus e lockdown, eu sempre via nas notícias os nomes “Taoiseach” e “Tánaiste”, que significam primeiro-ministro e vice-primeiro-ministro, respectivamente.

Leitura foi passatempo durante quarentena

Não sou uma leitora assídua e preciso confessar que livros raramente conseguem prender minha atenção. Porém, acredito que fui imbuída pelo espírito do campo e mergulhei nos livros da autora Alice Taylor, nascida e criada no condado de Cork.

Em seus livros, ela conta histórias de sua infância e compartilha costumes, cultura e tradições na Irlanda. Há inúmeros livros dessa autora, mas o livro To School Through the Fields tocou meu coração profundamente.

De olho na telinha da TV irlandesa

Adriana indica série irlandesa ‘Normal People’, que maratonou durante a quarentena. Foto: Divulgação

Enquanto no Brasil nos sentamos para assistir ao Jornal Nacional, para ficarmos atualizados com os acontecimentos em nosso país, na Irlanda, às 21h, é o momento de todos acompanharem as principais notícias na RTÉ News.

Por ter acesso à TV local, passei a me interessar mais pelos programas e séries irlandesas. Virei fã de “Normal People”, uma série que é possível assistir de graça utilizando o aplicativo da RTÉ.

Trata-se de um romance entre adolescentes que vivem no condado de Sligo e que depois se mudam para Dublin a fim de estudar na famosa Trinity College. Uma ótima oportunidade para praticar o “listening” com sotaque e gírias irlandesas.

Outra sugestão é a série “Young Offenders”. A princípio, a comédia irlandesa foi lançada como filme, mas, em razão do sucesso, foi transformada em série. Além de ser muito engraçada, é possível perceber as diferenças do sotaque de Cork.

A preparação para o inverno na fazenda

Adriana acompanhou o processo de silagem da fazenda, que estoca alimento para os animais durante o inverno. Foto: acervo pessoal

Acho que uma das coisas que mais me encantou no interior foi a preparação para o inverno, que se dá durante o verão.

O verão é o momento de estocar comida para os animais, comprar madeira para lareira e garantir a casa quentinha.

Tive a oportunidade de acompanhar todo o processo de colheita e estoque de silagem (“silage”). É um tipo de grama que é compactado, empacotado e estocado para alimentar os animais durante o inverno.

Leia também: Quais as melhores cidades para fazer intercâmbio na Irlanda

Talvez isso seja normal para alguém que viva na área rural do Brasil, mas para mim foi uma experiência única.

Normalmente, esses rolinhos de silagem são embalados com um plástico preto para serem estocados. Porém, alguns fazendeiros optam pela embalagem rosa a fim de contribuir financeiramente para o Irish Cancer Society. Essa instituição de caridade se dedica à prevenção, detecção, tratamento e apoio às pessoas com câncer.

Botando a mão na massa

Fazenda cultiva a turfa, espécie de decomposição de vegetais, que serve como combustível. Adriana auxiliou no cultivo. Foto: acervo pessoal

Há também a produção de turfa (“turf”), um material de origem vegetal, parcialmente decomposto, que é encontrado em pântanos (“bogs”). Por ser inflamável, é utilizado como combustível para aquecimento doméstico. É comercializado por grandes empresas ou por donos de terras pantanosas.

Quis ter a experiência de como é trabalhar com isso e passei umas duas horas ajudando a organizar os tijolinhos. É um trabalho árduo e, além da experiência, adquiri uma terrível dor nas costas.

Leia também: Já pensou em voluntariar em fazendas orgânicas?

Refeições irlandesas: scones, apple tart e Irish Breakfast

Irish Breakfast — composto por ‘black and white puddin’, além de bacon, ovos e ‘muschrooms’ — estava à mesa nas manhãs de domingo. Foto: Shutterstok

Algo que eu não consegui me adaptar é o fato de que o almoço é apenas um lanchinho. Um sanduíche, uma fruta ou, às vezes, apenas um “scone” com geleia.

Aliás, engordei uns quilinhos de tanto “scone” e “apple tart” que comi durante a quarentena. E por ser scone caseiro, impossível resistir quando sai do forno quentinho.

Leia também: Por que estudar no interior da Irlanda?

Já ouvi dizer que há alguns irlandeses que não são adeptos ao “Irish Breakfast”, mas isso não se aplica à minha família. Bacon e linguiça são itens essenciais na geladeira e um domingo feliz é um domingo que se inicia com um prato assim.

A Irlanda é uma ilha repleta de diferentes cenários e experiências e sou muito grata por ter histórias como essa para contar.

Afinal, a vida é feita de experiências e conexões com momentos, lugares e pessoas. Aceitar o novo e se despir de preconceitos faz com que ocorra uma metamorfose dentro de nós, expandindo a nossa alma e mente.

Há uma frase que levo como lema para minha vida:

“Encha sua vida com experiências, não com coisas materiais. Tenha histórias para contar, não coisas para mostrar.” (Desconhecido)

Adriana Cruz,

é carioca, com uma interminável curiosidade sobre tudo que há no mundo. Vive em uma constante inquietude de fazer, ver, saber e ser. Mesmo sendo virginiana perfeccionista e cautelosa, segue seus instintos e mergulha de cabeça. Advogada no Brasil, largou tudo e foi para Irlanda. Muduou de carreira, recentemente formada mestre em Digital Marketing pela Limerick Institute of Technology e já pensando nos próximos desafios.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar