Quem foi o autor irlandês Bram Stoker, ‘pai’ do Conde Drácula

Quem foi o autor irlandês Bram Stoker, ‘pai’ do Conde Drácula

Rubinho Vitti

4 semanas atrás

Mortalmente pálido. Unhas cortadas em pontas afiadas. Dentes projetados como presas. Elegância de um conde com a ferocidade de um vampiro. Drácula, um dos monstros mais famosos da fantasia, tem sua origem na Irlanda, pelo menos literariamente falando. O personagem foi criado por Bram Stoker, nome que integra a longa lista de autores irlandeses de renome mundo afora.

Nascido em Dublin, no ano de 1847, Stoker ficou famoso por seu romance de terror gótico, escrito já depois de ter mudado para a Inglaterra, em 1897, e que o tornou imortal.

Stoker é lembrado em todo Halloween na Irlanda, com um festival tradicional que neste ano, é claro, será realizado online por conta da pandemia da Covid-19, mas continua sendo imperdível.

Bram Stoker: da Trinity College ao sucesso literário

Bram Stoker estudou matemática na Trinity College, uma das universidades mais aclamadas da Irlanda. Imagem: divulgação

Para aqueles que adoram colocar diferenças gritantes entre o povo de exatas e humanas, fiquem com essa: Stoker estudou matemática na Trinity College. Mas foi pelo seu trabalho como assistente do ator Sir Henry Irving, na década de 1870, que ele acabou se tornando mais próximo do mundo das artes.

O escritor também foi funcionário público no Dublin Castle, local onde vivia a realeza britânica na Irlanda na época. Mas, paralelamente, o trabalho de redator de um jornal, o Dublin Evening Mail, como autor de resenhas de produções teatrais, foi a porta de entrada para a literatura, onde ele também publicava seus contos.

O autor irlandês se mudou para Inglaterra quando recebeu o convite para ser produtor no Lyceum Theatre. Por lá, ele também continuou escrevendo, escrevendo e escrevendo.

Em 1875, ele publicou seu primeiro romance, The Primrose Path, além de mais contos e, pouco depois, mais um livro, The Snake’s Pass (1890).

Drácula, o ‘blockbuster’ de Bram Stoker

Romance de Bram Stoker foi lançado em 1897 e fez sucesso na época, mas a fama mesmo veio no século XX, com diversos filmes e peças teatrais. Foto: Reprodução

Lançado em 1897, Drácula foi, de cara, um sucesso de vendas e de crítica. O romance de terror gótico fez o mundo conhecer Conde Drácula e estabeleceu muitas convenções sobre vampiros em toda a literatura e audiovisual subsequentes.

O romance conta a história da viagem que Drácula, o conde da Transilvânia, para a Inglaterra. O vampiro buscava encontrar sangue novo e espalhar a maldição dos mortos-vivos no novo reino. Por lá, porém, ele encontra o professor Abraham Van Helsing, um caçador de vampiros e seu obstáculo para satisfazer seu desejo sanguinário.

A ideia do personagem não surgiu do acaso. Foram sete anos de pesquisa de Stoker sobre folclore europeu e histórias de vampiros presentes nas crenças europeias. O ensaio de Emily Gerard, de 1885, chamado “Superstições da Transilvânia” foi o que mais chamou a atenção, por conter o mito do vampiro.

Drácula também é inspirado por uma história real. O cruel governador romeno, Valáquia Vlad III Drácula, também conhecido como Vlad, o Empalador, seria uma espécie de monstro em pele humana. O seu castelo, inclusive, é um famoso ponto turístico da Romênia.

Leia também: Covid-19: como será o Halloween na Irlanda?

Sucesso de Drácula veio após a morte de Bram Stoker

Sucesso nos cinemas, Drácula, de Bram Stoker, foi inspiração para mais de mil filmes. Foto: Divulgação

Stoker morreu em Londres, em 20 de abril de 1912. Sua morte é incerta, com relatos sobre complicações de um derrame, exaustão ou sífilis. Apesar do sucesso do livro, ele não viu sua obra se tornar popular mundo afora.

Nosferatu, de 1922, e Drácula, de 1931, foram os primeiros filmes inspirados em seu romance e que deram o pontapé para o mito do vampiro se tornar parte do folclore mundial.

Outra famosa adaptação foi Drácula de Bram Stoker, dirigido por Francis Coppola em 1992, que levou o novo do mostro de volta à tona 80 anos depois da morte do escritor.

Outros muitos livros de autores inspirados em Stoker e filmes sobre os monstros semi-humanos com presas afiadas foram produzidos, mas nenhum chega perto da beleza imortal de Drácula, de Bram Stoker. O Guinness Book até registrou mais de mil produções que falam sobre o Conde Drácula, um recorde.

Halloween em Dublin celebra seu escritor de terror

Até hoje, os irlandeses celebram com orgulho a obra de seu renomado autor. Já tradicional em Dublin, o Festival Bram Stoker leva para os palcos e para as ruas da capital irlandesa todo o universo do escritor irlandês. Mas, em 2020, com a pandemia da Covid-19, ele vai acontecer online.

Entre sexta-feira, 30 de outubro, e segunda, 2 de novembro, o festival promete celebrar “alegremente o gótico, o misterioso, o pós-escuridão e o sobrenatural e nos aprofundaremos no legado de um dos autores mais estimados da Irlanda”, como diz o site do festival.

O evento se concentrará em experiências interativas nas ruas e “no conforto de seus próprios castelos”. Acesse o site do evento para entender melhor a proposta.

Rubinho Vitti
Rubinho Vitti, Jornalista de Piracicaba, SP, vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar