Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Destinos de Intercâmbio

Quer estudar de graça na Europa?

Carol Braziel postou em 27 jan 2017

O sonho de estudar fora é comum, mas não muito acessível financeiramente em muitos casos, certo? Afinal, além do valor do curso, temos que incluir no planejamento o valor da sobrevivência, como alimentação, acomodação e entretenimento. O bom é descobrir que alguns países permitem o estudo no ensino superior sem custo algum para o estudante, o que já ajuda – e muito – quando planejamos estudar no exterior.

Se estiver procurando alternativas mais viáveis financeiramente para realizar esse sonho, listamos aqui 5 países que possibilitam o estudo no ensino superior de graça. Quer saber quais? Confira!

Alemanha

Além de ser o quarto destino mais procurado no mundo por estudantes do ensino superior, segundo ranking da consultoria QS, o país ainda oferece isso de graça! Desde 2014, o governo aboliu as mensalidades para cursos de graduação e pós e o mais bacana é que você não precisa saber falar alemão fluentemente (necessário nível básico) para se inscrever a uma das vagas em mais de 900 cursos, mas o inglês deverá ser no nível avançado e comprovado pelo IELTS ou TOEFL, pois todas as aulas são no idioma.

Um exemplo de universidade é a Freie Universität Berlin, que está entre as 4 melhores do país e oferece opções de mestrado em inglês nas áreas de Ciências Humanas, Ciências Sociais, Estudos Regionais, Biociências, Ciências Exatas e Medicina, inclusive para estudantes não europeus. Lembrando que o processo de seleção varia conforme o curso pretendido, mas em geral inclui análise de currículo escolar e envio de carta de motivação, tendo a maioria dos cursos com inicio em outubro e prazo de candidatura até o final de maio.

Freie Universität Berlin.

Créditos: Site oficial Freie Universität Berlin.

Finlândia

Conforme já divulgado no artigo “Estude de graça na Finlândia” aqui no E-Dublin, o país escandinavo, além de ocupar a 1ª posição nos últimos quatro rankings do Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA), responsável por medir a qualidade de ensino pelo mundo, oferece os cursos gratuitamente também para não europeus. Com 20 universidades e 28 instituições politécnicas, é certeza que encontrará o curso certo para você. Lembrando que o país exige que os estudantes internacionais tenham condições de arcar com as suas despesas pessoais e permite que universitários trabalhem por até 25 horas semanais. Cerca de 90% dos estudantes conseguem emprego, de acordo com dados da Universia.

Universidade Haaga-Helia.

Créditos: Página no facebook Universidade de Ciências Aplicadas de Haaga-Helia, na Finlândia

Suécia

Com universidades respeitadas no mundo todo, o país possui mais de 30 universidades e mais de 900 cursos em inglês, onde o estudante não paga mensalidade alguma, apenas a matrícula – com exceção do doutorado, que é 100% isento de qualquer taxa. Há também a opção de trabalhar na própria universidade para custear os estudos.

O país permite ainda que estudantes universitários trabalhem para custear suas despesas. Uma ótima oportunidade se você não conseguiu capital suficiente para permanecer no país, que tem fama de ter o custo de vida alto.

Karlstad University.

Créditos: Página no facebook da Karlstad University.

Noruega

Além das universidades norueguesas não cobrarem mensalidades, elas atuam com um sistema educacional que prioriza turmas pequenas. Ou seja, nada de salas abarrotadas de estudantes e professores que mal sabem seu nome. Assim como os demais países, não é necessário falar a língua nativa, mas dominar o inglês é necessário, comprovado através de provas como o TOEFL ou IELTS. Mas se você falar norueguês também terá ótimas chances. Lembrando, é claro, que deverá ter finalizado o ensino médio ou uma graduação no Brasil, dependendo da área escolhida. As opções, tanto de bacharelado como mestrado, são as mais variadas, passando pela engenharia, arquitetura, design, economia, ciências da comunicação e informação, ciências humanas, direito, ciências médicas, ciências sociais e outros.

Universitetet i Bergen.

Créditos: Página no facebook da Universitetet i Bergen.

Eslovênia

Com uma taxa de alfabetização nacional de 99,6%, o destino preferido nas férias dos europeus oferece aproximadamente 150 cursos em inglês, onde o estudante internacional paga somente a matrícula em um valor simbólico, que varia conforme cada instituição. E quer uma notícia melhor? O custo de vida na Eslovênia é bem acessível! Como, por exemplo, em Maribor, segunda maior cidade do país, você consegue morar em acomodações estudantis pagando entre €80-150 com todos os custos inclusos.

Universidade de Maribor, Eslovênia.

Créditos: Página oficial da Universidade de Maribor, Eslovênia.

Revisado por Tarcisio Junior

Sobre o Autor


Carolina Braziel é formada em Relações Públicas e pós-graduada em MKT pela ESPM|Brasil. Com mais de seis anos de experiência em MKT, decidiu vivenciar o sonho de morar na Europa, mais precisamente na terra dos Leprechauns. Apaixonada incurável por viagens, tem como vício a leitura e pesquisa sobre destinos, curiosidades e roteiros de viagens pelo mundo.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Ensino Superior

Saiba como estudar numa universidade na França

1 ano atrás, por Elizabeth Gonçalves
Ensino Superior

Bolsas de estudos para brasileiros na Europa

2 anos atrás, por Elizabeth Gonçalves

Posts recentes

Dicas de Viagem

Como levar medicação para a Europa?

10 horas atrás, por Elaine Wzorek
Pré-intercâmbio

Vai valer a pena investir em um intercâmbio?

2 dias atrás, por Colaborador E-Dublin
Curiosidades

Superstições irlandesas na Sexta-Feira 13

3 dias atrás, por Tarcisio Junior
Idiomas

5 dicas para acelerar o aprendizado do inglês 

4 dias atrás, por Colaborador E-Dublin
Dublin

Problemas com moradia na Irlanda preocupam setor de TI

1 semana atrás, por Elizabeth Gonçalves