Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Meu Intercâmbio

Será que a Irlanda é um pais seguro e organizado como dizem?

Rubinho Vitti postou em 06 abr 2018

Não dá para comparar países de diferentes continentes, idades, tamanhos, culturas… Muito menos tentar colocar em um mesmo patamar de ideias e situações um país minúsculo da Europa com um latino-americano “sem pecado e sem juízo”. Mas que dá vontade, dá.

Se quando nós mudamos levamos todas as coisas boas do nosso país com a gente, quando chegamos em um novo ambiente sentimos algumas mudanças que dá inveja de ter no nosso próprio ninho. Desde que cheguei em Dublin, percebo que a cidade tem um ritmo próprio com segurança, limpeza e rigidez, o que traz uma sensação de liberdade e segurança. Mas claro, nem tudo são flores na Ilha Esmeralda….

1 – País pequeno e organizado

Ponte Samuel Beckett, em Dublin, um dos pontos turísticos da cidade. Crédito: Altezza | Dreamstime.com

Ponte Samuel Beckett, em Dublin, um dos pontos turísticos da cidade. Crédito: Altezza | Dreamstime.com

A Irlanda é minúscula. Uma viagem da capital Dublin, no extremo leste, à cidade de Galway, no extremo oeste, leva apenas três horas. Ou seja, é possível cortar o território irlandês de um lado ao outro em menos tempo entre cruzar o Estado de São Paulo, por exemplo. Talvez por isso a organização seja um ponto forte. O trânsito flui com relativa facilidade, a burocracia é diferente (o que não pode ser confundido com exigências e rigidez) em processos públicos e até mesmo julgamentos acontecem de forma mais rápida. Sua organização também se reflete no comércio e nas áreas de lazer como parques, geralmente em ordem, além da própria atitude dos cidadãos.

2 – Lixo nas ruas

Lixo nas ruas fora do horário e dias corretos pode gerar multa. Foto: Traviswolf/Dreamstime

Lixo nas ruas fora do horário e dias corretos pode gerar multa. Foto: Traviswolf/Dreamstime

Há lixeiras em muitos locais, sempre com espaço para apagar o cigarro e jogar as bitucas. Se algum guarda ver você jogando lixo no chão, a multa é alta: 50 euros. O mesmo vale para sacos de lixo colocados na frente das casas em dias e horários incorretos e com excesso de peso. É isso mesmo. A taxa anual é calculada pela quantidade de lixo produzido, o que também torna as pessoas mais conscientes. Ponto positivo para o meio ambiente. E não é difícil ver os funcionários recolhendo lixo a todo tempo e usando uma máquina de varrer ruas e calçadas no fim do dia.

Mas é claro, a regra não é seguida por todos e é possível ver lixo nas ruas, nos ônibus e nos trens.

3 – Cocô do cachorrinho

Deixar o cocô do pet nas ruas pode gerar multa. Foto: Ian Allenden/Dreamstime

Deixar o cocô do pet nas ruas pode gerar multas caras. Foto: Ian Allenden/Dreamstime

As placas de rua também avisam sobre o cocô do cachorrinho nas ruas. Não pegou e foi visto pela segurança pública, a multa ultrapassa os 100 euros. Em alguns parques, é possível encontrar pontos com saquinhos específicos para coletar as fezes dos animais, assim como também não é incomum encontrar lixeiras para esse tipo específico de sujeira.

4 – Trem de graça? Nem tente!

Ninguém vai cobrar o bilhete para entrar no Luas, mas se a fiscalização pegar um passageiro sem o bilhete é multa na hora. Foto: Fernando Machado/Dreamstime

Ninguém vai cobrar o bilhete para entrar no Luas, mas se a fiscalização pegar um passageiro sem o bilhete é multa na hora. Foto: Fernando Machado/Dreamstime

Quando se fala em multa, também se fala em confiança, mesmo que ela seja “obrigatória”. Isso pode gerar economia para a administração. Os trens (chamados de Dart e Luas por aqui) não possuem a figura do cobrador. Tudo é feito por cartão ou bilhete, que você passa na entrada e na saída para que seja cobrado o valor correto do trajeto deslocado. Ninguém vai ficar olhando se você realmente passou, pois em muitos locais os portões ficam abertos e apenas um dispositivo fica disponível para debitar o ingresso ao transporte. É possível qualquer um viajar de graça, mas o que é justo é justo: se algum guarda pedir comprovante e você não tiver, lá se vão pelo menos 50 euros.

5 – Preço de ônibus por parada

O mesmo acontece com os ônibus, onde você paga pelo trajeto. É justo pagar menos por um pequeno espaço de tempo dentro do veículo e mais por um caminho mais longo. Um espertinho pode querer dizer que vai andar poucas paradas e descer na última, mas rola mais uma multinha se por acaso alguém perceber. Ah, e não tem desculpa de que não tem dinheiro. O caso vai rapidamente à corte e pode haver prisão ou deportação imediata em caso de reincidências.

6 – Polícia pacífica

Sem portar armas de fogo, Garda é pacífica e sempre presente nas ruas. Foto: Abdone.

Sem portar armas de fogo, a Garda, nome da polícia irlandesa, é pacífica e presente nas ruas. Foto: Abdone.

Apesar da rigorosidade, a Garda (polícia irlandesa, sem “u” mesmo) é pacífica e não usa armas. Após grandes eventos nas ruas de Dublin, os servidores públicos pedem pacientemente que os cidadãos retornem às suas casas e liberem as vias. Nada de bomba de gás ou balas de borracha.

7 – Caixa eletrônico nas ruas, sem medo

Os bancos também confiam nos cidadãos e seus caixas eletrônicos permanecem fora das agências, em diversos pontos espalhados pela cidade e funcionando em horário estendido. Até agora, não ouvi notícia de ladrões explodindo nenhum. Porém, casos de clonagens também acontecem por aqui, não se engane.

Já quem gosta de perambular de madrugada, a Irlanda ainda é muito segura. Quase não há registros de ocorrências de algum tipo de violência, nem mesmo nos jornais mais sensacionalistas. Mas, não esqueça dos “nanas”, knackers, conhecidos pelo vandalismo e por perturbar a tranquilidade pública. Há também, sobretudo em Dublin, as chamadas “áreas de risco”, geralmente regiões com presença de tráfico de drogas.

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Rubinho Vitti é jornalista de Piracicaba, SP. Vive em Dublin desde outubro de 2017. Foi editor e repórter nas áreas de cultura e entretenimento. Também é músico, canceriano e apaixonado por arte e cultura pop.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Cultura

5 mercados de Natal imperdíveis na Irlanda

2 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
E-Dublin News

Tarifas do transporte em Dublin sofrem reajuste

2 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Agenda Cultural

Agenda cultural de Natal na Irlanda saindo do forno

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Destaques

Quais são os tipos de Vistos na Irlanda?

2 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
Clima

Prós e contras de se chegar na Irlanda no inverno

2 meses atrás, por Carol Braziel
Destaques

Como planejar o seu intercâmbio na Irlanda: Preparação

2 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves