Como é a acessibilidade na Europa e em outros continentes?

Como é a acessibilidade na Europa e em outros continentes?

Elizabeth Gonçalves

3 semanas atrás

Reprodução: Tourism Review

Segundo a ONU, cerca de 10% da população mundial é portadora de algum tipo de deficiência. Reprodução: Tourism Review

Arrumar as malas e colocar o pé na estrada, sem dúvida, é maravilhoso. Mas será que isso é algo tão fácil assim para todo mundo?

Segundo a ONU, cerca de 10% da população mundial é portadora de algum tipo de deficiência. Por isso, antes mesmo de escolher o destino de um intercâmbio ou viagem de férias, muita pesquisa deve ser feita para evitar dores de cabeça.

No Brasil, por exemplo, apesar de a acessibilidade ser garantida por leis federais, nem sempre os destinos turísticos cumprem as normas e tornam os locais acessíveis a todos. E como isso funciona em outros países?

Na Europa, a preocupação em tornar espaços públicos em locais mais acessíveis é uma tendência que vem sendo seguida por muitas cidades. É claro que isso também é um desafio gigantesco, já que muitas das construções no continente são extremamente antigas, algumas com mais de mil anos, ou seja, de quando nem se pensava em regras para acessibilidade.

Como felizmente mudanças estão a caminho, hoje em dia existe, inclusive, uma premiação que analisa o esforço de dezenas de cidades em remover as barreiras cotidianas no que diz respeito a transporte, infraestrutura, acesso a pontos turísticos, serviços, além da implementação de novas tecnologias com o intuito de facilitar a vida dos portadores de deficiência.

Em 2015, foi realizada a sexta edição dessa premiação, chamada de Access City of the Year, e o título de cidade europeia mais acessível ficou com Boras, na Suécia. A capital finlandesa, Helsinki, ficou com o segundo lugar, seguida por Liubliana, capital da Eslovênia.

Gotemburgo levou o título de cidade mais acessível de 2013 Reprodução: Explore Sweden

Gotemburgo levou o título de cidade mais acessível de 2013 e 2014. Reprodução: Explore Sweden

Nos dois anos anteriores, Gotemburgo, na Suécia, foi a cidade campeã. O resultado se deve ao grande investimento do governo local em transportes, construção de casas equipadas, adequação de mais de 300 empresas para pessoas com deficiência, além da criação de parques e playgrounds com acessibilidade.

Em edições anteriores, levaram o primeiro lugar cidades como Ávila, na Espanha, Salzburg, na Áustria e Berlim, na Alemanha.

Entre outras cidades do continente que se destacam por sua acessibilidade está Estocolmo, na Suécia. Por lá, em 2010, as travessias de pedestres foram reconstruídas com a implantação de rampas de acesso. Também foram desenvolvidos aplicativos para pessoas com deficiência visual, além de tornar as vias públicas mais seguras para essas pessoas.

Todas as estações de metrô oferecem elevadores, e os hotéis estão preparados para suprir as necessidades visuais, auditivas e de mobilidade dos seus hóspedes.

Roma é outra cidade que tem adaptado sua antiga arquitetura com a construção de rampas nas calçadas. O objetivo é facilitar o acesso a hotéis, restaurantes, galerias de arte, museus e igrejas. Por lá, todos os meios de transporte são acessíveis para cadeirantes.

Já em Londres, grande parte das ruas no centro da cidade têm rampas. Além disso, a maioria dos hotéis da cidade apresenta, pelo menos, 5% dos seus quartos adaptados para pessoas com mobilidade reduzida. O acesso às atrações turísticas da cidade também é bem acessível.

Nos Estados Unidos, a cidade de Nova Iorque foi listada pela AFB (Fundação Americana para Cegos) como um dos melhores lugares para se viver com deficiência visual no país. Segundo a instituição, a cidade possui um sistema de transporte público extremamente acessível, o que permite aos moradores o acesso a atividades sociais e culturais a qualquer momento.

Nova Iorque possui sistema de transporte acessível Reprodução: Wikipedia

Nova Iorque possui sistema de transporte acessível Reprodução: Wikipedia

Na Austrália, a cidade de Perth é uma das que saem na frente no quesito acessibilidade. Por ser plana, o acesso aos espaços públicos é garantido. Todos os meios de transporte também são adaptados.

Já na Ásia, pode-se dizer que uma das cidades mais acessíveis do continente é Singapura. Por lá, foi implantado, há cerca de duas décadas, um código universal de acessibilidade que tirou as barreiras físicas da cidade.

Revisado por Irene Canadinhas

Elizabeth Gonçalves
Elizabeth Gonçalves, Jornalista viciada em cinema, música e literatura. Paulistana, se apaixonou por Dublin, onde mora há cinco anos e sonha em fazer uma viagem de volta ao mundo.

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar