Será que o passaporte europeu muda sua vida na Irlanda?

Será que o passaporte europeu muda sua vida na Irlanda?

Duda Gruppi

2 meses atrás

Quanto custa um intercâmbio?

Não vendemos pacotes e nem somos agência,
mas podemos te colocar em contato com elas.

O que acontece quando você vem para a Irlanda com a cidadania europeia?

Ter um passaporte europeu pode facilitar a vida de muita gente que quer viver na Europa em vários aspectos, garantindo o livre acesso aos países que fazem parte da União Europeia, incluindo o visto de permanência dos cônjuges não europeus e filhos. Aliás, nesse caso, as regras para o visto da família mudam de país para país. Então, é bom se informar bem antes de aterrissar no país escolhido.

No caso da Irlanda, relações estáveis são aceitas para liberação de um visto para o companheiro. Outro ponto positivo na Irlanda é que o cônjuge ou parceiro de um cidadão europeu recebe o Stamp 4, que permite ele residir no país e trabalhar em horário integral.

Difícil sim, impossível não!

O passaporte garante seu direito de morar, trabalhar e estudar. Fonte © Fasphotographic | Dreamstime

O passaporte garante seu direito de morar, trabalhar e estudar. Fonte © Fasphotographic | Dreamstime

Então, chegou a hora de mudar de mala e cuia e tentar a vida na Europa… Você pega seu passaporte vermelho e tudo certo? Bom, quase tudo! O passaporte garante seu direito de morar, trabalhar e estudar sem precisar de um visto específico, mas isso não quer dizer que as coisas são tão simples, que é só chegar e estará tudo certo.

Quando você chega a outro país, também precisa de um documento local que permita trabalhar e recolher os devidos impostos. Aqui na Irlanda, esse documento é o PPS — Personal Public Service, que funciona mais ou menos como nosso CPF no Brasil. Sem o PPS, você não consegue trabalhar. Quem já está em Dublin há algum tempo sabe que as coisas vêm mudando — o que antes era fácil, hoje está um pouco mais burocrático.

Mesmo com um passaporte europeu, fomos criados em outra cultura, em que a relação com o trabalho é diferente, as regras da sociedade são outras e nossa língua materna também é diversa. É preciso reaprender algumas coisas e aprender outras novas. O jeitinho brasileiro, por exemplo, pode colocar você em apuros por aqui.

Como cidadão europeu, para aplicar para o PPS, você precisará apenas do seu passaporte e um comprovante de residência. Verifique aqui se você se encontra em outra categoria. Embora especule-se que seja necessário, também, uma carta da empresa que pretende te contratar, no site do governo essa informação não é citada. Para fazer o agendamento, você precisará se cadastrar primeiro no MyWelfare website.

Uma vez realizado o agendamento, o próprio site informará a qual endereço você deverá se dirigir, com os documentos em punho. Após a entrega da documentação, o prazo de entrega do número varia de 3 a 5 dias úteis. Ele será enviado diretamente para o endereço do solicitante.

Vantagens de chegar à Irlanda como um cidadão europeu

Por outro lado, é claro que o passaporte europeu vai poupar algumas dores de cabeça adicionais e vai deixar a vida um pouco mais fácil no começo.

Como cidadão europeu, você já não vai precisar se preocupar com visto nem pagar para tirar seu Irish Residence Permit-IRP — o visto —, com uma economia de 300 euros. Mas lembre-se: se vier com família, eles vão precisar solicitar o visto para poderem morar aqui legalmente.

Não será necessário comprovar os 3 mil euros nem contratar seguro ou plano de saúde — só se você quiser — e você não vai se preocupar com a frequência nas aulas. Se quiser estudar inglês, vai poder optar pelo curso que melhor atender suas necessidades. Você também poderá estudar no período noturno e, certamente, vai pagar um valor mais acessível.

Um dos pontos mais importantes é poder trabalhar em tempo integral — 40 horas semanais. Essa é a maior limitação para os estudantes Stamp 2, que podem perder oportunidades profissionais por conta disso.

O trâmite para o processo de naturalização pode ser demorado devido às muitas exigências e documentação exigida. Estando no Brasil, o primeiro passo é procurar o consulado do país pretendido para entender as etapas do processo.

Para quem tem pressa e dinheiro para investir, dar entrada na naturalização no país desejado, pode garantir a cidadania muito mais rápido. Porém, adicione à fórmula muita paciência para dar conta de toda a papelada sozinho. Em países como a Itália, por exemplo, independentemente da forma escolhida para aplicar para a cidadania italiana, o requerente precisa residir na Itália por alguns meses.

Por ser um processo muito burocrático, muitas pessoas optam por contratar consultores especializados no tema. O custo do processo atualmente varia de R$5 a R$15 mil, dependendo do país solicitado. Direito adquirido, você já pode tirar seu passaporte na cor borgonha (vermelho), com símbolo nacional e o título União Europeia e aproveitar tudo a que tem direito.

Com a conquista do passaporte europeu, entre as vantagens, tem-se o direito de trabalhar sem restrições no países do bloco europeu, o que abre muitas portas no mercado profissional.

Para quem pretende estudar na Irlanda e tem cidadania europeia, por exemplo, basta chegar, matricular-se em uma escola e frequentar as aulas: gastar tubos com curso de idioma, seguro saúde, passagem de ida e volta? Não se preocupe! Depósito de 3 mil euros no banco? No need! Gastar mais 300 euros com o cartão GNIB? O que é isso? Sabe aquela correria de resolver toda documentação no prazo de 30 dias? Você também não precisa se preocupar com isso.

No entanto, apesar dessas e outras vantagens, nem sempre entrar na Europa com o passaporte vermelho é sinal de vida tranquila e estabilidade. Sobretudo para quem, apesar do passaporte europeu, não tem a fluência no inglês.

Convidamos dois brasileiros com dupla cidadania para ilustrar que, muitas vezes, ter a cidadania europeia não quer dizer que a vida do intercambista será menos desafiante que a de um não europeu.

Com cidadania europeia, mas com pouco inglês

Tenho cidadania europeia e pouco inglês. Vou conseguir trabalho? © Melpomenem | Dreamstime.com

Para Cristino Garcia e Aline Girardi, esse foi o cenário. O casal optou pela Irlanda justamente para alavancar o inglês. “Optamos em vir para Dublin porque, além de aprender inglês, também poderíamos viajar para outros países”.

Aline garante que o fato de não ser fluente em inglês está sendo tão difícil para ela quanto para muitos estudantes que não têm cidadania. “Tenho que fazer aulas particulares de inglês e também tenho aproveitado as gratuitas”. Aline explica, ainda, que, mesmo tendo passaporte, ela não está 100% isenta das burocracias, já que ela continua com a necessidade de abrir conta bancária. E, para tê-la, é preciso comprovar residência no país, entre outros aspectos.

A verdade é que, com a pouca fluência, as dificuldades para se conseguir trabalho são grandes. Ela acredita e tem esperança de que, com a melhora do inglês, as coisas vão fluir, mas aconselha que mesmo quem tem dupla cidadania só saia do Brasil com um nível razoável do idioma. “Eu estou correndo atrás de vários cursos para acelerar o inglês, e só depois tentarei um trabalho. Por isso, recomendo: não venham sem inglês”.

Voltei para a Irlanda como cidadão europeu. Foi melhor?

Moacir Morais de Andrade conta que, após ter vivido na Irlanda como estudante, resolveu voltar quando conseguiu a cidadania irlandesa. Na cabeça dele, o fato de ter o passaporte europeu solucionaria boa parte da sua vida.

Mas não foi bem assim. Moacir relata que enfrentou as mesmas dificuldades de um estudante que não domina o idioma. “Esqueceram de me dizer que cidadania não me faz fluente automaticamente”. Apesar de ter permissão de trabalhar full time e em qualquer área, isso não me beneficia em nada se eu não tiver um bom nível de inglês, ou seja, eu nem passo pelos processos seletivos, e as oportunidades de trabalho são sempre no segmento dos “subempregos”, que não exigem um nível tão alto de inglês.

Então, meu conselho para quem conquistou o passaporte europeu é: opte por países com economia em crescimento e oportunidades, além de investir no idioma local, antes de sair do Brasil. Ter, pelo menos, um domínio razoável do idioma facilitará, e muito, o acesso ao mercado de trabalho favorável a cidadãos europeus.

Vantagens de morar na Irlanda como cidadão europeu

Documentação: Essa é uma das principais vantagens, já que, com o passaporte europeu, a parte burocrática fica para trás, já que a regulamentação entre os países europeus é unificada, sendo que cidadãos do bloco europeu adquirem praticamente todos os direitos quando vivem nos países parceiros. Assim como, também, caso queiram entrar como estudantes, não precisam providenciar aquela lista de requerimentos que outros estudantes de fora da União Europeia têm que apresentar.

Trabalho: Certamente, não ter limitação de carga horária a cumprir é uma das grandes vantagens de entrar no mercado de trabalho irlandês como europeu. Mas resolverá tudo? Claro que não. Você terá que comprovar experiência na área que prospecta e concorrer como um profissional qualificado.

Acomodação: Um dos grandes desafios para estudantes e profissionais na Irlanda é a busca por acomodação. Vai mudar alguma coisa como cidadão europeu? Nadinha. O perrengue será o mesmo, as referências exigidas serão as mesmas e você terá que passar por aquelas entrevistas que todo mundo passa e demonstrar que é gente boa e ideal para a acomodação.

Como tirar a Cidadania Irlandesa?

Como é o processo para solicitar a cidadania irlandesa? © Stuart Ritchie | Dreamstime.com

Para cidadãos brasileiros residentes na Irlanda que vislumbram se tornar um cidadão irlandês, saiba que são três as possibilidades: por nascimento, pela descendência e também por naturalização. Veja como funciona cada uma delas.

Cidadania irlandesa por descendência

Filhos de pais irlandeses nascidos no exterior automaticamente têm direito à cidadania irlandesa. No caso de quem possuir avós irlandeses, também é possível reivindicar a cidadania irlandesa. Para quem se enquadra nessa situação, o ideal é procurar a Embaixada Irlandesa ou o Consulado Irlandês em seu país de origem para dar início ao processo.

Para quem tem bisavós irlandeses, é possível solicitar a cidadania desde que um de seus pais tenham reivindicado e obtido a cidadania irlandesa antes do seu nascimento.

Qualquer cidadão nascido em solo irlandês, em que ambos os pais sejam estrangeiros, adotará a nacionalidade dos pais e não terá direito à nacionalidade irlandesa, de acordo com a lei que vigora desde 1º de janeiro de 2005.

Cidadania irlandesa por nascimento

Nesse caso, são reconhecidas automaticamente como irlandesas crianças nascidas no território irlandês. No caso de filhos de estrangeiros nascidos aqui, a regra é válida desde que o pai ou a mãe também tenham nascido na Irlanda. Porém, vale ficar de olho, pois existem movimentos que visam alterar novamente essa regra. Visite o site do INIS.GOV para se manter atualizado.

Cidadania por naturalização

Não se encaixou nas duas situações anteriores? Então, só lhe resta a possibilidade de adquirir a cidadania irlandesa por naturalização. Mas, enfim, quem pode ter esperanças?

Cidadãos não europeus que possuem visto de residência permanente no país podem aplicar para a cidadania irlandesa. Antes da aplicação, é necessário ter 1 ano contínuo de residência no país e durante os 8 anos que precederam essa data é essencial ter cumprido o total de 1460 dias de residência na Irlanda (4 anos). Ou seja, no total é necessário ter 5 anos de residência reconhecida na Irlanda dentro de um período de 9 anos. O portal do  INIS (Irish Naturalisation and Immigration Service) disponibiliza nesse link uma ferramenta com a qual é possível fazer o cálculo exato do seu período de residência no país.

Também estão entre os requisitos para se obter a cidadania irlandesa por naturalização a necessidade de ser maior de 18 anos, não possuir registro criminal ou a intenção de deixar o país.

Lembramos, aqui, que também podem solicitar a naturalização estrangeiros casados com irlandeses por um período superior a 3 anos, e que, antes da aplicação para a cidadania, tenham vivido ininterruptamente no país por, no mínimo, um ano. Antes desse período de 12 meses, é preciso ter morado na Irlanda por, no mínimo, mais 2 anos e que, após a naturalização ser concedida, a pessoa pretenda continuar morando no país.

Aí vem outra dúvida: tenho visto de estudante e moro na Irlanda há mais de quatro anos. Posso aplicar para essa cidadania? A resposta é não. Infelizmente, como já dissemos acima, só se enquadram nessa situação os estrangeiros que possuem visto de residência permanente no país.

Quanto tempo leva o processo de cidadania na Irlanda?

O processo para aplicação da cidadania irlandesa é bem demorado e pode levar até 18 meses para que se obtenha uma resposta. Se aprovada, é possível aplicar para um passaporte irlandês imediatamente.

Para aplicar, é necessário o pagamento de uma taxa de 175 euros. Após a solicitação aprovada, é necessário o pagamento de uma nova taxa para a obtenção do documento. Nesse caso, o valor varia de 200 a 950 euros. Todas as tarifas podem ser consultadas nesse link.

Recentemente, o governo irlandês anunciou uma regra mais restritiva com relação ao requerimento da cidadania. A resolução indica que, para aplicar para a naturalização irlandesa, o requerente deverá permanecer no país continuamente, ou seja, sem sair nem mesmo um dia, pelos 365 dias anteriores ao dia da aplicação. A determinação gerou grande polêmica e está em análise para uma possível alteração.

Veja também

Tipos de vistos para Portugal: Turismo, trabalho, estudos

Avatar
Duda Gruppi, Cidadã do mundo, produzir eventos e escrever são bem mais que sua profissão. Apaixonada por viagens, adora conhecer novas histórias e novos sabores.

Imagens via Dreamstime
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Este artigo foi útil?

Você tem alguma sugestão para a gente?

Obrigado pelo feedback! 👋

O que ver em seguida

Cadastre-se em
nossa newsletter

Seu email foi cadastrado.

Cadastrar outro email

Comentários

🍪

Este site usa cookies para personalizar a sua experiência. Ao utilizar o E-Dublin você concorda com a nossa política de privacidade.

Aceitar e fechar