Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Crônicas

Um frango no inverno

Colaborador E-Dublin postou em 03 jan 2017

Por Marluce Lima

shutterstock_516558154

Crédito: Shutterstock

Era cinco e meia da tarde, porém, o azul escuro já encobria o sol que mal apareceu.

Nunca tinha tido dias tão curtos e, ao mesmo tempo, tão longos.

Só não estava tão escuro no momento em que amanheci os olhos pela cortina que cobria a janela.

Porém, mais abertos.

Preferia, às vezes, nem avistar o que me esperava lá fora. Apenas encobria-me da lã pendurada à porta e deixava-me surpreender.

Em questão de segundos, o vento transforma tudo.

Parece que mal tinha acordado no escuro e terminava meu shift novamente no escuro.

Talvez eu pudesse me transformar em coruja.

Porém, era fácil admirar aquela paisagem, das minhas preferidas de Dublin, e também a essa hora podia dar aquele suspiro de alívio.

“Mais um dia, menos um”.

Aquele azul que transcorria o Rio levava meus olhos em direção à Lua. Era meu Sol.

O bom era que minhas pernas pesadas não precisavam percorrer esse caminho. Os olhos permaneciam serenos e sempre curiosos.

“Amanhã é um novo dia”, sussurrou alguém.

Ao fundo, sabia que seria um novo azul, talvez mais cinza. Mas eu não me cansaria de atravessar aquela ponte em forma de música.

Meu corpo não foi modelado pra isso, pensei.

Mas talvez fosse a falta de vitamina D nos poros.

O fatídico cansaço de fixar a bunda em frente ao computador questionava a decisão de trocar por pernas inchadas por detrás de um balcão de sanduiches.

Cortava os frangos em pedaços com pena – não sei se era mais deles ou de mim.

Eram quatro ou cinco sacos.

Cortei tantos tomates quanto roí as unhas.

Me doía músculos antes desconhecidos.

“Faz cinco anos que trabalho aqui”, disse um certo alguém.

Concordei com um “Ok”, com certa inveja, com certa repulsa.

Talvez eu pudesse ser mais acomodada com aquela enfadonha rotina – iria doer menos.

E naquela noite, que ainda era dia, após as cinco, meus dedos doloridos falaram através de meus olhos, enquanto deitava na cama fitando o mundo de fora pela janela.

Avistei nuvens negras passando.

Ainda azul, porém, outro azul.

Reparei que, na verdade, negro era o céu, as nuvens continuavam brancas. E elas passaram também. Então me dei conta de quantos mundos hoje sou capaz de viver e experimentar, mesmo que eu esteja cortando frangos.

Sobre a autora:
Marluce Lima estudou Recursos Humanos em São Paulo, porém caiu de gaiato na área Financeira sem saber fazer cálculos até que resolveu achar o “x” da equação que faltava e então resolveu trocar a selva de pedra e fazer um check-in pelo mundo. Morando em Dublin por quase três anos descobriu que a ainda muito o que ver por aí, e a escrever.

Revisado por Tarcísio Junior
Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para jornalismo@e-dublin.com.br

Sobre o Autor


Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

Recentes e populares

Crônicas

Tudo muda em apenas um mês na Irlanda

3 semanas atrás, por Colaborador E-Dublin
E-Dublin TV

Vamos falar sobre MEDO – All That Jess#84

1 mês atrás, por Tarcisio Junior
Reflexões

U-Curve: você já ouviu falar nela?

1 mês atrás, por Colaborador E-Dublin
Reflexões

10 atitudes que você deveria evitar no intercâmbio

1 mês atrás, por Colaborador E-Dublin