Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Dicas de Viagem

Uma viagem pelo mundo subterrâneo de Nápoles

Colaborador E-Dublin postou em 17 jan 2016

Por Felipe Franco, especial para o E-Dublin

Foto 1

De canal de fluxo das águas à passagem para os napolitanos que se protegiam da guerra. Arquivo pessoal

Lá em cima, motonetas conduzem a sinfonia frenética ao longo das estreitas vielas napolitanas. Nas sacadas de prédios antigos, senhoras italianas estendem roupas em varais que atravessam a rua, dando um ar de festa junina com lençóis ao invés de bandeirinhas. Enquanto nas padarias, tiozinhos discutem em voz alta entre um gole e outro de cappuccino. Diferente lá de cima, aqui embaixo o silêncio toma conta.

Uma rede de túneis, aberta a 40 metros de profundidade, revela um mundo subterrâneo cheio de mistérios.  Ao longo do tempo, erupções vulcânicas, deslizamentos de terra e terremotos criaram um solo propicio para o trabalho manual. Pelas mãos dos gregos, 2400 anos atrás, a necessidade de levar água à cidade fez com que um sistema avançado de cisternas fosse escavado para resolver o problema.

foto 2

Como ideia inicial, estes estreitos túneis serviam para abastecer as cisternas. Arquivo pessoal

Após uma decida íngreme por um labirinto de escadas, chegamos a uma enorme caverna onde, segundo o guia, concentrava-se uma das cisternas. Acima de nossas cabeças um fleche de luz revela a última abertura deixada para retirada de água, um poço. Ele explica que o restante dos poços foi fechado durante a segunda guerra mundial. E aí vem mais uma revelação interessante. Este local também serviu para proteger a vida dos napolitanos. Antes disso, no séc. XVIII, uma epidemia de cólera na água fez com que o sistema todo fosse desativado, deixando esta parte de Nápoles esquecida por muito tempo e até servindo de lixeira. Mas com os bombardeios durante a guerra, o lugar foi reativado como abrigo antibombas. Por isso, os poços lá em cima tiveram que ser fechados, evitando que ataques pudessem se feitos através destas aberturas, atingindo a população que aqui embaixo se escondia.

foto 3

simulação mostra como bombas poderiam facilmente ser lançadas no abrigo. Arquivo Pessoal

Durante nossa caminhada através dos estreitos túneis que levavam água para as cisternas e depois serviram de passagem para os moradores, foi possível imaginar a vida sufocante que tiveram durante a guerra. Em um dos apertados túneis, carregamos velas para iluminar as geladas e escuras vielas dando uma sensação de aprisionamento. Sem escolha, a população tentava levar uma vida normal, o que pode ser constatado com a presença de uma área de lazer para as crianças.

foto 4 (1)

Local que servia para a distração das crianças em um local angustiante, úmido e sem luz solar. Arquivo Pessoal

Mas ainda tem mais. Para fechar o tour pelo subterrâneo da cidade, uma descoberta incrível. O que antes se tratava apenas de uma casa italiana, agora revela um pedaço de grande importância para a história. O lugar, que servia de porão para vinhos, guardou por séculos um pequeno pedaço do teatro romano, que serviu para apresentações do Imperador Nero há cerca de 2000 anos. Infelizmente, só é possível ter acesso a uma parte do corredor que ficava atrás do palco. O guia revela que as escavações não podem prosseguir devido ao enorme número de prédios existentes sobre o teatro e que a remoção de um simples tijolo poderia colocar tudo abaixo.

foto 5

O porão usado para vinhos, que revelou parte do teatro romano. Arquivo pessoal

foto 6

Parte do corredor, atrás do teatro. Arquivo pessoal

Sem dúvida, Nápoles guarda muitas riquezas arqueológicas. Assim como o teatro de Nero, outras maravilhosas construções da antiguidade devem estar aguardando para serem trazidas à luz. Depois da viagem subterrânea, voltei para o mundo moderno aqui de cima com um olhar mais atento e na primeira pizzaria que entrei foi impossível não se perguntar: Será que já checaram se não há algum tesouro atrás destas paredes?

Sobre o autor:
img_9126Felipe Franco, 31, é gaúcho, jornalista e metido a pensador. Após 2 anos de Irlanda, fez a mochila e partiu para a estrada com a missão de descobrir mais sobre si e a utilidade que tem para o mundo. Europa, Oriente Médio e Ásia estão na lista para 2016. Viver o ano na estrada levando do jeito que dá é seu maior projeto. Histórias desta aventura podem ser conferidas no blog Crônicas da Estrada.

Sobre o Autor


Este conteúdo - assim como as respectivas imagens, vídeos e áudios - é de responsabilidade do colaborador do E-Dublin e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Quer ver sua matéria no E-Dublin ou ficou interessado em colaborar? Envie sua matéria por aqui!

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio


Recentes e populares

Festivais

5 destinos para curtir o carnaval pela Europa

4 semanas atrás, por Deby Pimentel
Cultura

Você já ouviu falar no Workaway?

2 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
E-Dublin TV

Fomos pra Barcelona

7 meses atrás, por Edu Giansante
Cursos de Inglês

Intercâmbio depois dos 50 anos

7 meses atrás, por Deby Pimentel
Dicas de Viagem

Conheça a Alemanha de trem e sem gastar muito

9 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves