Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Economia

Vai voltar para o Brasil? Prepare-se!

Deby Pimentel postou em 27 set 2017

Depois de uma temporada no exterior ou um intercâmbio, muitas vezes, fica difícil aceitar o retorno. Além da síndrome do regresso, muito citada por especialistas, há o ‘desencaixe’ com a ‘velha nova vida’ e é preciso retomar uma rotina natural com trabalho (a busca por um emprego), convívio social, etc. Saber o que você vai encontrar pela frente é fundamental para amenizar possíveis traumas.

O Brasil enfrenta no momento uma baita crise político-econômica, com graves problemas de gestão pública, péssimas notícias políticas, baixo giro no comércio, consumo em queda, alto número de desempregados – e a consequente incerteza do emprego – falta de segurança, saúde pública caótica, altas taxas de juros – o que dificulta o financiamento para quem quer empreender –, ou seja, um ciclo negativamente vicioso, para citar algumas coisas.

Depois do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o vice Michel Temer assumiu a Presidência e ainda não conseguiu engatar um ritmo positivo à situação do País, que se divide entre escândalos, investigações criminosas que incluem políticos do alto escalão e números assustadores. Saiba o que está rolando no cenário nacional.

Os índices da economia se mantêm em queda. Crédito: Depositphotos /bluebay2014

Os índices da economia se mantêm em queda. Crédito: Depositphotos /bluebay2014

1) Economia fria

Ao invés de estar em aquecimento, a economia brasileira já vem desacelerada há algum tempo e parece andar para trás. A fim de combater o desgaste econômico e a dívida pública e privada, o governo precisou, basicamente, de medidas que colaboraram para esse retrocesso, cortando investimentos públicos e aumentando juros e impostos, o que desestimula o consumo em geral. Por isso, está difícil vender bens ou serviços e a população em geral está segurando desde as despesas básicas e cortando investimentos mais pesados. Nesse momento, começar novos negócios demanda muito estudo, planejamento e segurança para o capital de giro.

2) Desemprego em alta

Com o consumo em queda, há corte em investimentos de todos os lados. O governo reduz o investimento em obras, por exemplo, o que gera desemprego, que diminui o consumo, que afeta as vendas das empresas ou até o fechamento de algumas delas que, consequentemente, tiveram que desonerar seus custos, impactando, também, na folha de pagamento, e outros setores aumentam o número de desempregados. Na outra ponta, e com a oferta de mão de obra, há um achatamento salarial que não acompanha a inflação. Ao buscar por áreas em alta e preparar-se para elas, dominar novos idiomas pode ser um diferencial, portanto, valorize sua experiência no exterior.

Alto número de desempregados e a incerteza do emprego afetam a crise no Brasil. Crédito: Depositphotos / alphaspirit

Alto número de desempregados e a incerteza do emprego afetam a crise no Brasil. Crédito: Depositphotos / alphaspirit

3) O retorno da inflação

Depois de um bom tempo sem afetar a economia do país, o velho fantasma parece assombrar novamente. Com a instabilidade econômica, surge a inflação, que cresce quando a cadeia produtiva não consegue se manter e aumenta seus preços, ou seja, diminui o poder de compra do cidadão, impactando o valor do dinheiro. Com a elevação dos juros somada à inflação, o quadro de recessão só tende a aumentar.

4) PIB em queda

Principal medida usada para avaliar o tamanho de uma economia e compará-la com outras, o Produto Interno Bruto (PIB) é a soma do valor de todos os bens e serviços produzidos, distribuídos e consumidos em uma região durante um período determinado. Logo, se o PIB cai por dois trimestres consecutivos, os economistas chamam de “recessão técnica” – e já se vão 5 trimestres consecutivos. E embora o governo tenha registrado uma leve retomada, os economistas indicam que o crescimento deve ser lento e gradual, mantendo-se atrelado ao movimento político do país.

5) Incerteza Política

Com tantos escândalos políticos, tais como Lava Jato, JBS, propinas, malas de dinheiro circulando pelas esferas públicas, entre outros, o acerto das reformas necessárias e recuperação da economia parece se distanciar. Para complicar, 2018 é ano de eleições estaduais e para presidente, portanto, é tempo de pulso firme e dedicação em dobro.

Incerteza Política: escândalos, propinas e eleições deixam a população em alerta. Crédito: Depositphotos /filipefrazao

Incerteza Política: escândalos, propinas e eleições deixam a população em alerta. Crédito: Depositphotos /filipefrazao

Imagens via Depositphotos
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Jornalista com MBA em Marketing e Empreendedorismo, Débora Pimentel é uma paulistana apaixonada por fotografia, gastronomia e tecnologia. Uma virginiana que adora novas culturas e desafios. Acredita que a informação é sempre a melhor maneira de transformar sonhos em possibilidades.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio

Recentes e populares

Bebidas

Você sabe o que é BYOB?

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Economia

Governo anuncia aumento do salário mínimo na Irlanda

4 meses atrás, por Elizabeth Gonçalves
Meu Intercâmbio

Intercâmbio na Irlanda: Quando a ficha cai

4 meses atrás, por Colaborador E-Dublin
Meu Intercâmbio

5 fatos positivos que me agradam em Dublin

5 meses atrás, por Caroline Rodrigues
Meu Intercâmbio

A volta para a casa que já não é mais sua

5 meses atrás, por Colaborador E-Dublin