Este site usa cookies para melhorar a experiência do usuário. Ao utilizar o nosso site você concorda com todos os cookies de acordo com nossa Política de cookies/privacidade. Concordo
Essenciais

Vale a pena comprar notebook na Europa?

postou em 27 jan 2017

A dúvida sobre a compra de um notebook (ou laptop, como ele é chamado aqui) é um tema recorrente nos grupos do E-Dublin e muito questionado por quem está planejando um intercâmbio, por isso hoje vamos dedicar um post especialmente sobre isso.

Conselho 1: não venda seu notebook, celular ou sua câmera digital do Brasil

Produtos eletrônicos não são tão baratos na Irlanda quanto se pensa. Pois é! Nem tudo é perfeito! Principalmente quando você compara a Ilha Esmeralda com outros países da Europa – com um pouco de pesquisa, descobre-se que até na Inglaterra e nas Ilhas Canárias (tax free), por exemplo, os preços podem ser bem melhores.

Foto: Shutterstock

Foto: Shutterstock

No entanto, se formos comparar com os preços praticados no Brasil, muita coisa pode sair mais barato, principalmente se levarmos em consideração o poder aquisitivo por aqui.

Na Irlanda, qualquer um com um salário mínimo consegue juntar dinheiro para comprar um notebook ou um smartphone de última geração. No entanto, chegando aqui você precisa priorizar algumas coisas como: procurar casa para morar, emprego e também providenciar a documentação para o visto de estudante, além de se preocupar com as contas da futura casa.

Então não saia por aí comprando eletrônicos assim que chegar (exceto se você já vier com um dinheiro programado para isso). Organize sua situação e corra atrás de uma vaga e um emprego antes. Se você precisar utilizar um computador nesse meio tempo (seja para resolver alguma pendência ou até mesmo para enviar currículos), saiba que em Dublin as Lan Houses geralmente ficam abertas em horário comercial (9h às 18h) e custam, em média, 1 ou 2 euros por hora. No centro, algumas funcionam até mais tarde. – Mas e se eu não for morar no centro? A maioria das escolas também oferece computadores para os alunos acessarem!

Conselho 2: Compre online

Outra forma de economizar e aproveitar boas ofertas é investir na compra online, o que aumenta as suas possibilidades de encontrar boas barganhas fora da Irlanda. A Amazon UK é um ótimo exemplo, especialmente em época de Black FridayBoxing Day ou Cyber Monday. E se nas informações do produto que você quer comprar na Amazon aparecer que a entrega na Irlanda não pode ser realizada, você ainda pode utilizar o Parcel Motel para contornar isso e garantir aquela oferta incrível!

Comprar nos sites das próprias marcas também pode ser uma opção. Vale a pena pesquisar!

shutterstock_108864086

O segredo é pesquisar! Foto: Shutterstock

Mas, afinal, quanto custa um notebook?

É possível comprar um notebook com configuração razoável entre 400 e 600 euros – ou até menos, dependendo da marca e da época. Um computador com uma configuração melhor “dura mais tempo”, mas significa um investimento mais alto. Se for um modelo de “última geração”, o equipamento pode sair entre 600 e 900 euros.

Parece barato, né? Depois que você começar a trabalhar, sim, mas enquanto estiver procurando emprego e economizando o dinheiro que trouxe do Brasil, não é. Quando eu cheguei na Irlanda, por exemplo, fiquei sem computador por mais de 6 mesesNão comprei por dois motivos:

1 – Não era prioridade (preferimos priorizar as viagens e eu podia usar o celular pra muita coisa);

2 – O nosso “pai” (um Irish com quem morei) tinha um computador desktop na sala (sem contar que eu já tinha acesso a um PC todo dia no meu trabalho).

Resumo da ópera

Se você realmente quer um computador novo ou ainda não tem um, deixe para comprar quando estiver aqui. Caso já tenha um bom no Brasil e isso não seja uma prioridade, traga o seu.

O smartphone, hoje, é essencial. Quando você chega em um país novo, onde vai precisar resolver muitas coisas nas primeiras semanas, ele será seu grande aliado. Então, se não tiver um bom e quiser comprar aqui, traga o seu para te auxiliar pelo menos nos primeiros momentos.

Quais marcas são vendidas na Europa?

Listamos alguns sites de marcas que são vendidas na Irlanda e em outros países da Europa pra te ajudar com suas pesquisas.

Dell
Acer
Asus
HP
Lenovo
Samsung
Sony
Apple

Também dá para pesquisar e comprar nos sites de revendedores: 
Elara
Komplett
Pixmania
Laptops.direct
Misco
Click
PC World
Gumtree – itens usados (de tudo)

Revisado por Tarcísio Junior
Imagens via Shutterstock
Encontrou algum erro ou quer nos comunicar uma informação?
Envie uma mensagem para [email protected]

Sobre o Autor


Fundador e CEO do E-Dublin, Edu chegou na Irlanda em 2008, no ano pré-crise, pegou a nevasca de 2010 e comeu cérebro de cabra em Marrakesh. O Edu também é baterista da banda Irlandesa Medz.

Veja todos meus outros Posts

Orçamento Fácil

Preencha um formulário e receba orçamento de escolas e agências

Comece agora

E-Dublin: Tudo sobre Intercâmbio

Recentes e populares

Economia

Governo anuncia aumento do salário mínimo na Irlanda

1 dia atrás, por Elizabeth Gonçalves
Irlanda

4 aplicativos de paquera que bombam na Irlanda

2 dias atrás, por Elizabeth Gonçalves
E-Dublin TV

Preparando arroz brasileiro na Irlanda

3 dias atrás, por Tarcisio Junior
Economia

Cash Back: você sabe como isso funciona?

6 dias atrás, por Elizabeth Gonçalves
Meu Intercâmbio

Correr atrás de sonho também dói

2 semanas atrás, por Colaborador E-Dublin
Irlanda

5 caminhadas perfeitas para um dia de verão em Dublin

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Agenda Cultural

15 eventos para você curtir na Irlanda em julho

3 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
Trabalho

Quais setores mais contratam no verão irlandês?

4 semanas atrás, por Elizabeth Gonçalves
E-Dublin TV

Chegou nosso Drone! Unboxing DJI Spark

1 mês atrás, por Edu Giansante
Eventos e Festivais

Celebre a semana do orgulho LGBT na Irlanda

1 mês atrás, por Elizabeth Gonçalves
Moradia

Existe melhor época para achar acomodação em Dublin?

1 mês atrás, por Elizabeth Gonçalves
Cultura

5 atividades para interagir com a cultura irlandesa

1 mês atrás, por Elizabeth Gonçalves